De pai para filho

07/05/2015

Desde que o mundo é mundo, pais inspiram seus filhos a, tradicionalmente, perpetuarem seu legado. E isto vale, também, para o esporte e para a náutica. É muito comum que a habilidade para velejar venha de berço, de sangue, e a prova disso são os pais que passaram para seus filhos o amor pela prática. NÁUTICA selecionou 10 exemplos para você. Confira!

Torben, Martine e Marco Grael
Cada um em seu barco, os filhos de nosso “Pelé” da vela – com a também velejadora Andréa – a cada dia conseguem provar que herdaram o talento dos pais para o esporte.

Sérgio Mirsky e André Mirsky
Seguindo os passos do pai, recordista de milhas navegadas em regatas no Brasil, André é um dos maiores nomes de nossa vela oceânica.

Guga e Jorge Zarif
Esperança do Brasil para a conquista de medalhas na Olimpíada de 2016, na classe Finn, Jorginho é outro que mostra que talento para o esporte é coisa de família. Seu pai disputou os Jogos de Los Angeles (1984) e Seul (1988).

Lars e Nicholas Grael
Com o sangue marinheiro do pai nas veias, “Nick”, de 16 anos, já está defendendo as cores do Brasil em competições internacionais. Sua mãe, Renata Pellicano, pertence a outra dinastia da vela.

Gastão e Lucas Brun
Bicampeão mundial de Soling (1978/1981), o carioca Gastão Brun é pai de Lucas, tripulante do barco campeão da Volvo Ocean Race 2006, o ABN Amro. Questão de DNA.

Harry e Alan Adler
Campeão mundial de Star, em 1989, Alan é integrante de outro clã de velejadores. Seu pai, Harry, disputou os Jogos Olímpicos de Tóquio, em 1964, na classe Star. Já o irmão, Daniel, foi medalha de prata em Los Angeles, em 1984.

Ronaldo e Juliana Senfft
Velejadora de match race e de 49er FX, a niteroiense é filha do medalhista olímpico de Los Angeles 1984, em parceria com Torben Grael e Daniel Adler, na classe Soling.

José Adolfo e Alexandre Paradeda
Campeão mundial de Snipe, o gaúcho Xandi é filho, sobrinho, irmão e neto de velejadores que defenderam as cores do Clube Jangadeiros. Uma dinastia com 70 anos de ofício.

Robert e Isabel Swan
Nossa medalhista de bronze nas olimpíadas de Pequim, na classe 470, ao lado de Fernanda Oliveira, herdou o talento do pai, Robert, velejador de Tornado.

Gil e Eduardo Souza Ramos
Seu avô era. Seu pai, idem. Assim, Eduardo — dono de dezenas de títulos em diversas classes — já veio ao mundo intimamente ligado ao mar e aos barcos.

Foto: Arquivo NÁUTICA

 

Curta a revista Náutica no Facebook e fique por dentro de tudo que acontece no mundo náutico.

Náutica Responde

Faça uma pergunta para a Náutica

    Relacionadas

    Olimpíadas de Paris: você sabia que o surfe não será disputado na França?

    Em decisão polêmica, Comite Olímpico escolheu outro país para sediar todas as baterias do esporte; entenda

    Adolescente para lancha desgovernada e impede acidente em lago nos EUA

    Imagens gravadas por quem estava no local mostram jovem de 17 anos saltando de um jet em direção ao barco que rodopiava sem condutor

    Público do Brasília Boat Show tem desconto exclusivo em hotéis parceiros; saiba como funciona

    Visitantes do evento náutico, que atraca pela primeira vez no Lago Paranoá, poderão desfrutar de condições especiais no momento da reserva

    Navio de pesquisa de 1962 é capaz de “ficar de pé” no mar; assista em ação

    Quando na vertical, paredes internas viram pisos e móveis são adaptados para a nova posição

    Na dúvida de qual jet comprar? Confira modelos da Sea-Doo para cada necessidade

    Empresa conta com opções que atendem desde iniciantes no universo náutico até apaixonados por velocidade ou pesca