Williams 385: acabamento primoroso, mas preço de uma 26 pés

02/10/2016

O Williams Turbojet 385 Standard é uma interessante mistura de bote inflável com jet. De um, tem o casco de fibra no fundo com tecido emborrachado nas laterais, a base de hypalon. Do outro, a agilidade e o tipo de propulsão, um motor alemão quatro tempos da Weber, de 100 hp, a gasolina, com impulsão por jato de água no lugar dos tradicionais hélices. Trata-se de uma embarcação híbrida, com o melhor dos dois mundos, para quem quer um barquinho com muito estilo e vocação esportiva.

Com lugar para até cinco pessoas, este jetboat inglês, de 386 kg e 3,82 metros de comprimento (há outros três versões, de 2,85 a 4,45 m, com opção de motor a diesel, em modelos maiores ), é o sonho de consumo para equipar a plataforma de popa lanchas e veleiros a partir dos 50 pés — patamar de embarcação cujo proprietário provavelmente não irá reclamar tanto assim do preço salgado deste pequeno barco: a partir de 44 mil libras (ou cerca de R$ 220 mil, já motorizado). Se o seu desejo é ter um ótimo bote de apoio inflável e, ao mesmo tempo, uma quase lanchinha esportiva para brincar de pilotar, verá que vale o investimento.

O banco de pilotagem fica na popa, mas a arrancada é rápida, com um ligeiro levantamento da proa, que logo abaixa, proporcionando visibilidade total à frente. Nem mesmo os infláveis tradicionais, equipados com hidrofólio na placa antiventilação do motor de popa, têm a mesma navegação equilibrada deste Williams, que se beneficia de um projeto correto na distribuição do peso. O casco deste inflável, por exemplo, vem com duas aletas no fundo, na parte da popa, o que proporciona uma navegação livre de zigue-zagues e maior agilidade nas curvas.

A velocidade também é empolgante. Com duas pessoas a bordo, em águas ligeiramente agitadas, o Williams chegou aos 40,1 nós, a 7 100 rpm. Não fosse o mar picado, o número seria maior. Mas, cá entre nós, nem precisa. Navegando suave a 4 100 rpm, a 16 nós, ou a 23 nós, com o motor a 4 500 rpm, o raio de giro é curto — o que é bom, pois proporciona uma pilotagem esportiva. Neste regime, entre 4 100 e 4 500 rpm, daria para navegar cerca de 50 milhas. O acabamento é digno de um barco importado.

Há lugar para entrada de água para lavagem do motor fora d’água, válvula para fechamento da entrada de água para o motor (importante para que não entre água nos cilindros do motor, durante um reboque), limitador da potência, olhal para reboque de esquiador, escada de popa e cunho retráteis, som, vhf, alças para içamento, mastro com luzes removíveis e madeira teca no convés. A assistência no Brasil é feita em Angra, na Marina Verolme, pelo mesmo representante das lanchas Princess. Para saber mais, [email protected].

Náutica Responde

Faça uma pergunta para a Náutica

    Relacionadas

    Sem deixar feridos, incêndio na Croácia atinge mais de 20 barcos

    Incidente ocorreu em marina na cidade de Medulin, no noroeste do país, no último dia 15

    Nova lancha da Azimut promete reduzir em até 40% as emissões de CO₂

    Batizada de Seadeck 6, embarcação foi apresentada em piscina no maior evento de design do mundo, na Itália

    EUA enviam ao Rio de Janeiro porta-aviões gigante de 333 metros; entenda

    USS George Washington atracou no Brasil como parte da operação Southern Seas, que visa incentivar a cooperação entre os países

    Em fase final de testes, Aquabus de Ilhabela transportaram 1,5 mil pessoas no fim de semana

    Novo sistema de transporte aquaviário contará com três catamarãs e capacidade para 60 pessoas em cada viagem; data de inauguração ainda não foi divulgada

    Italiana Rossinavi lança catamarã híbrido-elétrico de 43 metros

    Modelo nasce como “projeto mais inovador” do estaleiro, com tecnologias sustentáveis e até uso de Inteligência Artificial