Arte na água

Por: Redação -
14/10/2015

O arquiteto Frank Gehry já retratou a paixão pela vela em suas obras através de estruturas retorcidas e curvilíneas. No museu Guggenhein de Bilbao, no edifício da IAC de Nova Iorque ou na Fundação Louis Vuitton de Paris estão alguns exemplos. Agora, aos seus 86 anos de idade, chegou a hora do canadense marcar definitivamente as águas com um veleiro desenhado por ele. O resultado é um barco que não se parece a nenhum outro. Pura arte.

Basta somente uma pequena mirada para comprovar a singularidade da embarcação. Emana tradição e igualmente modernidade, apresenta formas improváveis dentro dos padrões atuais de arquitetura naval. Batizado de Foggy (baseado na sigla de Frank Owen Gehry e talvez inspirado no clima de nevoeiro, significado da palavra em inglês), trata-se de um elegante barco feito de madeira aromática, repleto de detalhes em titânio e cristais.

Os materiais foram os principais motivos de preocupação dos responsáveis pelo projeto, segundo relata a revista “Town & Country”. Gehry começou a traçar as primeiras linhas da embarcação em 2008, enquanto seu amigo – e proprietário do veleiro – Richard Cohen e o famoso arquiteto naval argentino Germán Frers buscavam soluções sobre o desenho. Frank estava empenhado e certo de que seu barco deveria ser de madeira, mas Frers insistiu em fibra de carbono, material que justificava ser mais leve e resistente.

A teimosia dos dois arquitetos chegou a deixar o projeto parado no tempo. Foi apenas em 2012 que, nas instalações do Brooklin Boat Yard, encontrou-se uma solução. O estaleiro sediado em Maine, ao norte dos Estados Unidos, é especializado em construções em madeira e atua com um avançado processo de prensado em frio, que permite trabalhar a madeira intercalando elementos de alta tecnología. Enfim, o Foggy começava a tomar forma.

Foi nos últimos dias que veio à luz as primeiras imagens do barco desenhado por Gehry. E o veleiro não decepcionou. O casco e a cobertura parecem talhados em uma só peça e não há nenhum elemento que rompa esse efeito. Inclusive, a maioria dos cabos circulam por debaixo do coberto, com exeção de um mastro vermelho de fibra de carbono de 32 metros de altura. A roda do timão é um jogo de tábuas de madeira sobrepostas, enquanto o gurupés é feito de ferros retorcidos.

O Foggy tem 22,5 metros de comprimento, 5,5 de boca e calado de 3,8. Tamanho ideal para um veleiro de cruzeiro apto ainda a disputar regatas. De acordo com os criadores do projeto, os primeiros ensaios nas raias já confirmaram sua velocidade. Veja mais imagens abaixo:

Fotos: Reprodução

Assine a revista NÁUTICA: www.shoppingnautica.com.br

Náutica Responde

Faça uma pergunta para a Náutica

    Relacionadas

    Linda e precária: ilha no Caribe Colombiano é a mais densamente povoada do mundo

    Com 10 mil m² de área, Santa Cruz del Islote tem apenas 825 habitantes e sofre com turismo predatório

    Ilhabela deve ganhar 1ª usina de dessalinização de água de São Paulo em 2026

    Projeto prevê aumento de 22% no volume de água tratada no município, atendendo mais de 8 mil pessoas

    Descanso sobre as águas: hospedagem em barcos atracados é opção de lazer no litoral brasileiro

    Ideia dispensa a necessidade de carteira náutica e traz valores acessíveis para uma experiência pra lá de diferente

    Falkirk Wheel: conheça o elevador gigante para barcos que virou ponto turístico

    Construção na Escócia foi feita para driblar desnivelamento maior que um prédio de dez andares

    Ações de despoluição na Baía de Guanabara fazem vida marinha voltar às águas

    Expedições comandadas pelo Instituto Mar Urbano observaram mais animais na região e melhor qualidade da água