Barcos históricos levaram ronco dos motores para as águas da Represa de Guarapiranga

Sétima edição do Classic Boat Festival levou famílias e apaixonados por barcos ao Yacht Club Paulista

21/04/2023

O ronco dos motores ecoou na zona sul de São Paulo no último fim de semana. Mas, surpreendentemente, o rugido não vinha do Autódromo de Interlagos. Barcos clássicos — muitos deles equipados com motores de automóveis — foram atração na Represa de Guarapiranga durante o VII Classic Boat Festival.

O evento, organizado pelo Yacht Club Paulista, reuniu algumas pérolas de décadas passadas. Embarcações dos anos 50, 60 e 70 mostraram toda sua potência (e charme) deslizando sobre as águas da Guarapiranga.

Foi a oportunidade perfeita para reunir amigos apaixonados por barcos e levar a família inteira para ver de perto embarcações que marcaram a história náutica do país.

 

Entre os modelos que ali desfilaram estavam ski boats, cracker box e Fórmula Indy — principais categorias de motonáutica, esporte praticado com embarcações de alta velocidade.

Algumas delas aceleraram em uma raia especialmente montada para o evento, mostrando a potência de seus motores.

 

Sérgio Canineo, comodoro do Yacht Club Paulista, conta que a motonáutica teve seu auge no Brasil nos anos 1960 e 1970 na Represa de Guarapiranga. Nesta época, o Brasil chegou a ter quase 200 barcos divididos em várias categorias em campeonatos estaduais e nacional.

Sérgio Canineo a bordo de seu barco Rotonda

Octacampeão de motonáutica no VII Classic Boat Festival

Odair Mazaro, 70, foi o último dos campeões das corridas de barcos usando motores seis cilindros. Ele começou a correr aos 35 anos e se manteve nas disputas por 15 anos, em duas categorias: Cracker Box e Fórmula Indy. Foi nessa última em que Odair mais se destacou, alcançando o título de octacampeão paulista e campeão brasileiro.

 

Vestindo uma camiseta com os dizeres “Idosos e Furiosos”, Odair navegou na Guarapiranga com sua máquina: um casco do tipo R5, com motor de centro (e de automóvel). Barcos como esse começaram a ser fabricados no Brasil na década de 50.

Odair Mazaro, oito vezes campeão paulista de motonáutica

“Este modelo é um dos cascos mais modernos que existem, é um hidroplano. Um barco que anda tipo num colchão de ar, bem na flor da água”, explica o veterano.

Ele tem uma velocidade bem maior do que os outros e é o único no Brasil com esse modelo – Odair Mazaro

Fabricado em 1987, o barco de Odair está com ele desde 1990. No entanto, o piloto sofreu um acidente com ele em 1998, que o fez “puxar o freio de mão” por 15 anos. Recentemente, a embarcação passou por uma reforma que levou dois meses para deixá-lo pronto para correr na Guarapiranga novamente.

Declínio da motonáutica do Brasil

Sérgio Canineo revelou que um dos últimos campeões da Guarapiranga foi Abílio Diniz, empresário fundador do Grupo Pão de Açúcar. Aliás, o bilionário foi campeão brasileiro de motonáutica nos anos de 1968, 1969 e 1970.

 

“As corridas de barcos na Guarapiranga acabaram na década de 1980 e o pessoal migrou para a Represa Billings”, explica Sérgio.

O esporte acabou perdendo a popularidade e o último campeonato brasileiro com as categorias principais aconteceu justamente na Billings, em 2009. De lá pra cá, somente o campeonato gaúcho acontece com regularidade.

Diretoria do Yacht Club Paulista, que sediou o VII Classic Boat Festival

Mesmo com o esporte enfraquecido no país, o nome mais importante na motonáutica atualmente é de um brasileiro: Lebos Chaguri, atualmente tricampeão mundial.

 

Náutica Responde

Faça uma pergunta para a Náutica

    Tags

    Relacionadas

    Sem deixar feridos, incêndio na Croácia atinge mais de 20 barcos

    Incidente ocorreu em marina na cidade de Medulin, no noroeste do país, no último dia 15

    Nova lancha da Azimut promete reduzir em até 40% as emissões de CO₂

    Batizada de Seadeck 6, embarcação foi apresentada em piscina no maior evento de design do mundo, na Itália

    EUA enviam ao Rio de Janeiro porta-aviões gigante de 333 metros; entenda

    USS George Washington atracou no Brasil como parte da operação Southern Seas, que visa incentivar a cooperação entre os países

    Em fase final de testes, Aquabus de Ilhabela transportaram 1,5 mil pessoas no fim de semana

    Novo sistema de transporte aquaviário contará com três catamarãs e capacidade para 60 pessoas em cada viagem; data de inauguração ainda não foi divulgada

    Italiana Rossinavi lança catamarã híbrido-elétrico de 43 metros

    Modelo nasce como “projeto mais inovador” do estaleiro, com tecnologias sustentáveis e até uso de Inteligência Artificial