Eles estão voltando!

Por: Redação -
18/03/2015

Com atraso de 67 horas para evitar o impacto do ciclone Pam, a Volvo Ocean Race seguiu viagem para o Brasil, mais precisamente Itajaí, em Santa Catarina. A quinta etapa da Volta ao Mundo largou, nesta terça-feira (17), de Auckland, na Nova Zelândia. As seis equipes vão ter pela frente a perna mais longa do evento – 6 776 milhas náuticas ou 12 550 quilômetros – e dificuldades como o frio dos mares do Sul, ondas gigantes e o temido Cabo Horn. Entre os tripulantes, um brasileiro: André ‘Bochecha’ Fonseca é o timoneiro do Mapfre, barco de bandeira espanhola na regata.

“Todos os velejadores querem disputar essa etapa, pois passa pelos mares do Sul e pelo Cabo Horn. É uma marca importante na carreira do atleta. Adoramos pegar ondas grandes…Passamos frio e fome, mas nos divertimos”, disse o catarinense Bochecha.

“Estou ansioso para chegar ao Brasil. Faz tempo que não vou pra casa. Vou chegar logo no meu país e no meu estado. Itajaí é pertinho de Florianópolis, onde moro. Estou louco por um churrasco”, brincou André ‘Bochecha’ Fonseca.

A regata também tem uma quase brasileira. Carolijn Brouwer corre no Team SCA, barco só de mulheres na aventura. A atleta holandesa morou mais de uma década no Brasil. “É sempre uma etapa com muita tensão e nervos. Os pontos de gelo — ice gates — estarão bem mais ao Sul. Vamos pegar frio e muito vento. Nosso objetivo é chegar em Itajaí com o barco inteiro”, disse a velejadora, que participou da edição 2001-02.

E a regata não será nem um pouco fácil do ponto de vista dos velejadores. Além do frio e das ondas, eles devem enfrentar de 25 a 35 nós de vento, o que equivale de 46 a 65 km/h até dobrar o Cabo Horn.

A previsão é que a etapa demore cerca de três semanas para ser concluída. A tendência é que o líder cruze a linha de chegada em Itajaí no dia 7 de abril. O percurso leva os barcos perto de Point Nemo, famoso na obra de Julio Verne. É o lugar mais remoto da terra, que fica no Pacífico Sul.

A regata até Itajaí marca a volta para o Atlântico e a contagem regressiva para o fim da Volvo Ocean Race. Mas, antes de relaxar, eles terão o Cabo Horn no Oceano Antártico, que fica na ponta da América do Sul. Desde o século 17, o local é um marco para todos os velejadores. Para se ter uma ideia, mais pessoas chegaram ao cume do Everest do que contornaram o Cabo Horn. As ondas podem atingir 30 metros – 100 pés, o que é quase o mesmo tamanho do mastro do barco Volvo Ocean 65.

Foto: Ainhoa Sanchez / Volvo Ocean Race

 

Curta a revista Náutica no Facebook e fique por dentro de tudo que acontece no mundo náutico.

Náutica Responde

Faça uma pergunta para a Náutica

    Relacionadas

    Público do Rio Boat Show 2024 tem desconto exclusivo em hotel oficial

    Bem localizado, Novotel Leme oferece condições especiais para visitantes do salão náutico mais charmoso da América Latina

    Visita de mergulhador a restos de baleia vence concurso de fotos subaquáticas do mundo; veja imagens

    Competição de fotos de dentro do mar acontece anualmente e conta com diversas categorias

    Filmagem de primeiras ondas de tsunami na Tailândia viraliza 20 anos após desastre

    De férias no local, homem filmou, sem saber, o início do fenômeno de 2004; assista ao vídeo

    Memória Náutica: relembre como foi o Rio Boat Show do ano 2000

    Terceira edição do evento teve de lancha sendo construída ao vivo a tanque de mergulho de 5 m de profundidade

    Com propulsão eólica, Airbus terá frotas marítimas contra emissões de dióxido de carbono

    Gigante da indústria aeroespacial terá velas rotativas e motores biocombustíveis; entenda