Fórmula 1

Por: Redação -
31/05/2015

O campeonato mundial de Fórmula 1 de barcos surgiu no final de 1980 quando pilotos e equipes se dividiram sobre o melhor rumo para estabelecer uma categoria principal da motonáutica mundial. Isso foi agravado pelos dois fabricantes de motores rivais, a Mercury e a OMC (Marine Corporation). A Mercury fabricava o poderoso motor T4 que era um motor V6 2 tempos de 4 litros com injeção e era usado por várias equipes que formavam a classe ‘ON’. Já a OMC fabricante dos motores Johnson e Envirude, tinha seus motores equivalentes ao T4 da Mercury, que eram motores V8 2 tempos de 3.5 litros e 400 cavalos de potência que formava a principal motorização da classe ‘OZ’. Tradicionalmente, a classe ‘OZ’ era uma categoria de tecnologia experimental e muitos pilotos achavam que a classe deveria permanecer com esta característica em vez de se tornar a principal categoria de corridas da motonáutica. As duas classes se achavam no direito de possuir o título de Fórmula 1 e foi aí que a UIM (Union Internationale Motonautique) se viu obrigada a intervir para acabar com a disputa das duas categorias unificando seus principais campeonatos que eram realizados na América do Norte e Europa de maneira totalmente independente um do outro. No início de 1981 a UIM sancionou oficialmente o Campeonato Mundial de Fórmula 1 utilizando os regulamentos que compunham a classe ‘OZ’. A decisão foi realizada através do apoio da John Player Special, que fechou um contrato de patrocínio de três anos com a classe ‘OZ’. A classe ‘ON’ acabou ficando com o título de Fórmula Grand Prix, conhecida anteriormente como FONDA (Fórmula ON Drivers Association) 2 Litros World Series que anos mais tarde se tornou a Fórmula 2. A partir da criação da Fórmula 1 de motonáutica, as provas passaram a ter apenas corridas de curta distância ao contrário do que havia anteriormente onde eram misturadas durante a temporada provas de endurance e circuitos curtos.

Os barcos eram fabricados apenas em madeira e no decorrer das décadas foram sendo aprimorados com o desenvolvimento tanto na parte aerodinâmica como na questão de segurança passando a ter cockpit fechado — semelhante a um Caça F15 — e sua construção de fibra de carbono e kevlar com a leveza da madeira, mas muito mais resistente. Após vários acidentes fatais e até então considerado o esporte mais perigoso do mundo, uma célula de sobrevivência foi criada capaz de suportar impactos de 3 000 newtons onde após acidentes a 250 km/h, geralmente os pilotos saem ilesos. Além da célula de sobrevivência, os barcos passaram a ter airbag em cima do cockpit — que em caso de acidente infla deixando o cockpit acima da linha da água. Já os pilotos obrigatoriamente usam além dos tradicionais equipamentos de proteção como macacão, capacete, salva-vidas, cinto de 6 pontos dentre outros, o Spare air ou outro tipo de sistema de respiração para emergência.

Atualmente estes barcos medem de 5 a 6 metros de comprimento dependendo do fabricante e seu peso completo com motores de 450 cavalos chegam a 380 kg. Sua velocidade máxima é de 250 km/h devido ao circuito curto atingindo de 0 a 160 km/h em menos de 4,5 segundos e nas curvas atingem a espantosa medida de 5G (força de gravidade) quase o dobro de um carro de Fórmula 1 e se igualando a um caça. Algumas equipes usam motores 4 tempos, mas a maioria das equipes usam motores 2 tempos que tem apresentado indiscutivelmente melhor performance. Ao contrário dos carros que de acordo com a previsão do tempo, temperatura da pista e tipo de curvas e asfalto são escolhidos pneus diferentes para fazer seu acerto, nos barcos são as hélices que fazem a principal diferença de acerto conforme o peso, densidade e agitação da água. A sensação de acelerar um barco destes a 250 km/h é o mesmo que acelerar um carro a 500 km/h e com um agravante, a cada volta a pista se torna diferente devido as marolas dos barcos que se espalham pelo circuito lembrando que a água não é uma pista lisa como o asfalto e sim, semelhante a uma pista de terra como em uma corrida de ralie. Os circuitos geralmente medem 2 000 metros de percurso por volta com pequenas retas e curvas para a direita e esquerda sendo marcadas por boias coloridas e sua largada é feita a partir de um píer com os barcos alinhados um ao lado do outro sendo que após a largada cerca de 20 barcos correm em direção a mesma boia tornando a parte mais perigosa de uma corrida que dura aproximadamente 45 minutos.

O cronograma das corridas se assemelham a dos carros com o primeiro dia treino livre, segundo dia treino livre e tomada de tempo e no terceiro dia warm up finalizando com a corrida.

Hoje o campeonato mundial de Fórmula 1 de motonáutica se chama F1H2O apesar de temos vários campeonatos regionais de F1 que acontecem na América do Norte, Europa, Ásia, África e Oceania com barcos e motores semelhantes, mas não com a mesma tecnologia como por exemplo uma pequena caixa de direção que custa aproximadamente U$ 20 000.

O campeonato acontece entre a Europa e Oceania devido a sua logística com raras exceções que aconteceram durante alguns anos como no Brasil em 2013. Com a entrada das equipes Árabes no circuito da F1H2O como o Team Abu Dhabi e o Team Qatar, o calendário anual passou a incluir várias provas nos países Árabes e as provas que aconteciam na Europa começaram a desaparecer gradativamente do calendário até pararem com a última em 2011 em Portimão (Portugal). A partir deste ano foi retomado o circuito na Europa com Grande Prêmio na França e outro em Portugal.

O investimento das equipes Árabes foi tão grande nos últimos tempos que a F1H2O passou a limitar os motores colocando regras de preparação dos mesmos para tornar as equipes mais competitivas, mas não pense que a velocidade diminuiu, apenas parou de aumentar e se você pensa em sentar em um cockpit destes, é bom lembrar que mesmo com toda a segurança que existe hoje, você vai ter que ter preparação física e psicológica para largar com 20 barcos ao seu lado e quando der 1 minuto para a largada vai escutar o barulho do fechamento do cockpit dos barcos, fazendo com que o calor interno aumente e o coração dispare. Neste momento é preciso esperar as luzes se acenderem uma a uma e quando todas estiverem acesas, elas se apagarem indicando o sinal de largada. Você deve estar preparado para ouvir o som dos 20 motores que começam a soar ao mesmo tempo em rotação acima dos 10 mil giros e todos chegarem lado a lado, em aproximadamente 5 segundos, a velocidade de 200 km/h na primeira boia para aí fazer a primeira curva a esquerda, abaixando o nariz do barco para fazê-la mais fechada e rápida possível, e seu corpo sofrer uma pequena força de gravidade de 5G, para logo em seguida os bicos levantarem na reta no limite levando em conta as rajadas de vento e as marolas para que ele não acabe decolando e dar o famoso looping, tudo isto no meio de muito spray de água que fazem você pilotar sem enxergar nada por alguns segundos sem saber o que vem pela frente e estar preparado para tomar decisões em fração de segundos, pois cada volta você chega a fazer em menos de 45 segundos. Esta é a F1 dos barcos.

 

Lebos Chaguri é piloto e especialista em barcos de corrida

Náutica Responde

Faça uma pergunta para a Náutica

    Relacionadas

    Semana de Vela de Ilhabela: na BRA-RGS, vencedor cruzou linha de chegada após 12h de regata

    Percurso de Alcatrazes por Boreste Marinha do Brasil, de 55 milhas náuticas, foi marcado pela variação de vento; confira resultados gerais

    Lago Paranoá, palco do Brasília Boat Show, tem vila submersa e pequenas ilhas; conheça

    Fruto de um projeto arquitetônico, lago possui uma rica história e é ponto de lazer, pesca e esportes na região

    Marine Center atracará no Brasília Boat Show com produtos de primeira linha para barcos

    Considerada um dos maiores atacados náuticos do Brasil, empresa estará no salão que acontece de 14 a 18 de agosto no Lago Paranoá

    Raríssimas imagens flagram baleia azul amamentando filhote; assista

    Cenas também mostram cetáceos em outros momentos íntimos, que envolvem desde reprodução até ‘ida ao banheiro’

    Growdeck levará deques náuticos e acessórios à primeira edição do Brasília Boat Show

    Considerada uma das principais marcas de pisos náuticos no Brasil, empresa atracará no Lago Paranoá de 14 a 18 de agosto