Marinha dos Estados Unidos precisará de 500 navios para combater a China

Por: Redação -
13/10/2020

Siga nosso TWITTER e veja a série Dicas Náuticas diariamente.

A Marinha dos Estados Unidos precisará de mais de 500 navios em sua frota para garantir a superioridade marítima sobre a China nas próximas décadas, disse o secretário de Defesa Mark Esper. Essa conclusão é baseada no estudo Future Naval Force Study liderado pelo vice-secretário de Defesa David Norquist, que foi recentemente entregue a Esper. “O Partido Comunista Chinês pretende completar a modernização de suas forças armadas até 2035 e colocar em campo uma força de classe mundial até 2049”, disse Esper durante comentários no Centro para Avaliações Estratégicas e Orçamentárias em Washington, DC. “Pequim quer alcançar paridade com a Marinha dos Estados Unidos, se não exceder nossas capacidades em certas áreas e compensar nossa superioridade em várias outras”.

O estudo da força naval do Pentágono recentemente concluído avaliou uma gama de opções de frotas futuras projetadas para manter a superioridade dos EUA em uma era de grande competição de poder por muito tempo no futuro, disse ele. A Marinha, o Corpo de Fuzileiros Navais, o Estado-Maior Conjunto, o gabinete do secretário de defesa, bem como assessores externos ajudaram a realizar uma “avaliação abrangente, com custos limitados e informados sobre ameaças” alinhada com a Estratégia de Defesa Nacional, disse ele. Esper apelidou sua visão para a futura frota de “Battle Force 2045”. O grupo de estudo examinou várias opções de força usando modelagem e jogos de guerra para analisar os pontos fortes e fracos de cada combinação de navios contra diferentes cenários de missão futura.

“A Battle Force 2045 exige uma Marinha mais equilibrada de mais de 500 navios tripulados e não tripulados”, disse Esper. “Além disso, chegaremos a 355 navios da força de batalha tradicional antes de 2035 – o momento em que a República Popular da China pretende modernizar totalmente suas forças armadas. E o mais importante, agora temos um caminho confiável para alcançar mais de 355 navios tripulados em uma era de restrição fiscal.” A frota de submarinos é a principal prioridade, disse Esper. Isso inclui a compra de submarinos de mísseis balísticos da classe “Columbia” para modernizar a parte marítima da dissuasão nuclear do país, bem como mais submarinos de ataque da classe “Virgínia”. A Marinha precisa de 70 a 80 submarinos de ataque, acrescentou, chamando-os de plataforma de ataque com maior capacidade de sobrevivência em um futuro conflito de grande potência.“Se não fizermos mais nada, a Marinha deve começar a construir três submarinos da classe “Virginia” por ano o mais rápido possível”, disse ele.

Porta-aviões

Os porta-aviões são atualmente as joias da coroa da Marinha dos EUA, embora alguns observadores tenham sugerido que eles estão se tornando cada vez mais vulneráveis ​​a mísseis guiados com precisão de longo alcance. “Os porta-aviões nucleares continuarão sendo nosso dissuasor mais visível, com a capacidade de projetar poder e executar missões de controle marítimo em todo o mundo”, disse Esper. “Para continuar a aumentar sua capacidade de sobrevivência e letalidade, estamos desenvolvendo a ala aérea do futuro, capaz de engajar alvos em distâncias estendidas.” As alas aéreas devem incluir uma variedade de plataformas não tripuladas, incluindo caças, tanques, aeronaves de alerta antecipado e ataque eletrônico, acrescentou.

O Pentágono continuará a examinar opções para porta-aviões leves que suportam aeronaves de decolagem curta/aterrissagem vertical, como o caça Joint Strike Fighter F-35B, observou ele. O navio de guerra anfíbio de grande convés de voo USS America é um exemplo do tipo de plataforma que está sendo considerada para tarefas de porta-aviões leves.“ Os porta-aviões leves fornecem presença e capacidade adicionais para realizar as missões do dia-a-dia e liberar os super porta-aviões para combates de ponta mais críticos”, disse Esper. “Enquanto antecipamos que um estudo adicional será necessário para avaliar a combinação adequada high/low mix de porta-aviões, oito a 11 porta-aviões nucleares serão necessários para executar um conflito de ponta e manter nossa presença global com até seis porta-aviões leves juntando-se a eles.”

Leia também

» Conheça o navio da Marinha americana inspirado em cruzadores imperiais de Star Wars

» Conheça o mini barco da Marinha dos EUA que possui o tamanho de um carro

» Marinha da Itália conclui atualização do porta-aviões Cavour após 16 meses

A futura força naval também deve ter de 140 a 240 embarcações não tripuladas e opcionalmente tripuladas de superfície e subsuperfície de todos os tipos, com potencial para realizar uma ampla gama de missões e permitir operações marítimas distribuídas de maneira econômica, observou ele. “Elas irão adicionar capacidades ofensivas e defensivas significativas à frota a um custo acessível em termos de marinheiros e dólares”, disse ele. A Marinha também precisa de 60 a 70 combatentes de superfície menores para aumentar a capacidade de conduzir operações marítimas distribuídas e liberar recursos maiores para realizar outras missões, observou ele.Além disso, as estimativas iniciais apontam para 70 a 90 navios de logística de combate e 50 a 60 navios de guerra anfíbios.

Sensores em rede, inteligência artificial e armas de longo alcance

A futura força incluirá uma rede de sensores, sistemas habilitados para inteligência artificial e armas de longo alcance, observou ele. “As descobertas da equipe são perspicazes e servem como uma estrutura duradoura que conduzirá uma grande mudança em como projetamos, construímos e mantemos nossa frota e conduzimos operações navais nos anos e décadas que virão”, disse Esper. “Os resultados permitirão ao departamento atingir nossos objetivos de maneira oportuna e econômica, equilibrando as ameaças de amanhã com a prontidão de hoje.”O Pentágono entregará em breve ao Congresso o estudo e o novo plano de construção naval de 30 anos, que fornecerá detalhes mais específicos sobre a construção planejada, disse Esper.O serviço marítimo tem atualmente apenas cerca de 300 navios da força de batalha em seu inventário.

O presidente Donald Trump pediu uma Marinha de 350 embarcações tripuladas, e outros oficiais de defesa já haviam solicitado mais de 355 navios tripulados.Esper observou que o aumento previsto seria uma injeção de ânimo para a indústria.“Entendemos os desafios de construir uma base industrial robusta e saudável com estaleiros modernos, infraestrutura de qualidade e trabalhadores altamente qualificados”, disse Esper. “Acreditamos que nossa proposta fornece previsibilidade para a cadeia de abastecimento de ponta a ponta, juntamente com a demanda sustentável de que você precisa” para fazer investimentos na força de trabalho e outros ativos.

Para conseguir uma frota maior, a Marinha precisará de mais dinheiro para a construção de navios, observou Esper. O novo caminho traçado para alcançar 355 embarcações tripuladas inclui “restrições orçamentárias do mundo real”, disse ele. “A Marinha fez um bom trabalho nos últimos meses, arrecadando fundos nos próximos anos para a construção de novos navios”, disse Esper. A Marinha deve continuar essas iniciativas para garantir uma conta de construção naval adequada para a construção proposta, observou ele. Esper não identificou de quais programas ou contas a Marinha pode obter financiamento para pagar mais navios.

O dinheiro liberado dos esforços de reforma em curso, como revisões do comando combatente, corte do “Quarto Poder” e outras iniciativas também ajudará a aumentar a conta de construção naval para 13 por cento da linha superior da Marinha – acima dos cerca de 11 por cento hoje – o que estaria no mesmo nível da porcentagem média gasta em novos navios durante a era Reagan, na década de 1980, observou Esper. Para o ano fiscal de 2021, o governo Trump solicitou US$ 207 bilhões para a Marinha, US$ 19,9 bilhões dos quais iriam para a construção naval. Um aumento de 2% nessa conta representaria um salto de US$ 4,1 bilhões em relação ao projeto fiscal mais recente.

O Congresso alocou cerca de US$ 24 bilhões para a construção naval no ano fiscal de 2020. Esper pediu ao Congresso que ajudasse o Pentágono a tornar a visão do Battle Force 2045 uma realidade, fornecendo orçamentos sustentáveis, previsíveis, adequados e oportunos; permissão para desinvestir de sistemas legados e atividades de menor prioridade e redirecionar essas economias para prioridades mais altas; e autoridade estatutária para colocar o financiamento não utilizado da Marinha de fim de ano diretamente na conta da construção naval.

Gostou desse artigo? Clique aqui para assinar o nosso serviço de envio de notícias por WhatsApp e receba mais conteúdos.

Náutica Responde

Faça uma pergunta para a Náutica

    Relacionadas

    Como navegar à noite: dicas para sair em segurança com seu barco

    Navegação noturna envolve mais riscos e exige o dobro de atenção no posto de comando; confira

    Manual da ancoragem: saiba tudo sobre âncoras e como atracar com segurança

    Equipamento pode ter diferentes formas e adequações; saiba qual faz mais sentido para o seu barco

    Esculturas bordadas: artista francesa reproduz formas, texturas e cores dos corais

    As obras poéticas de Aude Bourgine pretendem despertar admiração pela natureza e o desejo de protegê-la

    Conheça Shicheng, cidade chinesa de 600 anos submersa propositalmente

    Local foi inundado há 64 anos para a construção da barragem hidrelétrica e hoje recebe mergulhadores

    Navio totalmente elétrico pode ser carregado em mar aberto com energia eólica

    Embarcação offshore se chama SOV 7017, e foi a grande novidade da construtora Damen em evento na Holanda