Momentos de tensão

Por: Redação -
26/10/2015
Caen Le 24 mai 2015 Normandy Channel Race 2015 Départ Photo © Jean-Marie LIOT / NCR 2015 (mention obligatoire pour toute utilisation) Photo soumise à conditions d'utilisation.

O barco Zetra, primeiro da história do Brasil na Transat Jacques Vabre, deixou o Canal da Mancha e já começa a sentir os efeitos do Golfo de Biscaia. A previsão indicava tempo ruim nesta a segunda-feira (26) para o local, que fica entre o Noroeste da França e o Norte da Espanha. Em 10º lugar, os brasileiros não aceleraram muito nas primeiras 24 horas de regata para se poupar. “Foi bastante tranquilo o primeiro dia. A saída de Le Havre foi mais lenta, pois faltou vento para todo mundo. Agora a gente entra na já prevista depressão e as condições de navegação já estão mais difíceis, com vento forte e mar alto. Por isso, poupamos o barco e a nossa parte física para aguentar a passagem por Biscaia, que provavelmente será a mais complicada de toda a regata”, disse Renato Araújo direto do telefone via-satélite do barco Zetra.

A Transat Jacques Vabre tem ao todo 10 mil quilômetros e a passagem pelo golfo de Biscaia, também conhecido como Golfo da Gasconha, é a mais difícil da regata entre a França e o Brasil. A flotilha terá de enfrentar os ventos superiores a 100 km/h e ondas que batem em até 8 metros.

“Não vamos levar o barco ao limite por enquanto. Estamos fazendo tudo com consciência. A gente sabe que o barco pode andar mais e a gente também. Mas não no primeiro dia. Vamos com calma, pois tem muita água pela frente”, reforçou Renato Araújo. “O Zetra é um barco muito estável mesmo com as condições de ventos e mar ruins”.

O veleiro brasileiro disputa o título da regata na Class40 contra outros 13 times. O líder é o Bretagne Crédit Mutuel Elite, que tem vantagem inferior a 50 quilômetros em relação à equipe do Brasil. Na atualização das 11h, o veleiro de Eduardo Penido e Renato Araújo já navegou mais de 300 quilômetros desde a largada do domingo (25).

Depois da primeira noite de disputa da Transat Jacques Vabre, os 42 barcos começam a negociar com as péssimas condições de navegação do Golfo de Biscaia. A largada ocorreu com pouco vento e se manteve até a madrugada de domingo para segunda. O evento conta com 42 veleiros, que partiram de Le Havre, na França, com destino a Itajaí, no Brasil.

Os trimarãs da classe Ultime – a mais rápida entre as quatro categorias – aceleram dentro do olho do furacão. Um pequeno ciclone passa pelo Noroeste da França nessa semana e será decisivo para a regata. O Sodebo lidera a flotilha, seguido por MACIF. Ambos andaram em média de 25 nós.

A primeira posição na IMOCA é provisoriamente do Hugo Boss, mas a classe está aberta, afinal de contas são 20 times na disputa pelo primeiro lugar. O Maître CoQ, comandando por Jérémie Beyou e Philippe Legros, foi obrigado a fazer uma parada estratégica em Roscoff, no região francesa da Bretanha, na noite deste domingo. O 60 pés da classe IMOCA teve um problema no cabo que prende o mastro da proa.

Na Multi50, o Ciela Vilage tem vantagem pequena para os quatro adversários. Na atualização das 11h desta segunda-feira, a diferença era menor do que 35 quilômetros.

Foto: Divulgação

Assine a revista NÁUTICA: www.shoppingwww.nautica.com.br

Náutica Responde

Faça uma pergunta para a Náutica

    Relacionadas

    Linda e precária: ilha no Caribe Colombiano é a mais densamente povoada do mundo

    Com 10 mil m² de área, Santa Cruz del Islote tem apenas 825 habitantes e sofre com turismo predatório

    Ilhabela deve ganhar 1ª usina de dessalinização de água de São Paulo em 2026

    Projeto prevê aumento de 22% no volume de água tratada no município, atendendo mais de 8 mil pessoas

    Descanso sobre as águas: hospedagem em barcos atracados é opção de lazer no litoral brasileiro

    Ideia dispensa a necessidade de carteira náutica e traz valores acessíveis para uma experiência pra lá de diferente

    Falkirk Wheel: conheça o elevador gigante para barcos que virou ponto turístico

    Construção na Escócia foi feita para driblar desnivelamento maior que um prédio de dez andares

    Ações de despoluição na Baía de Guanabara fazem vida marinha voltar às águas

    Expedições comandadas pelo Instituto Mar Urbano observaram mais animais na região e melhor qualidade da água