Mundial de Laser

Por: Redação -
19/05/2016

Robert Scheidt segue entre os top 10 da Classe Laser. O esperado pódio não veio, mas figurar em 10º lugar em um Campeonato Mundial de alto nível e que reuniu 112 competidores mostra que o brasileiro segue no rumo certo para brigar pelo tricampeonato olímpico nos Jogos do Rio de Janeiro. Nesta quarta-feira, 18, em Puerto Vallarta, no México, ele não conseguiu repetir a regularidade da fase classificatória e ficou em 31º e 28º nas duas últimas regatas na competição. “Foi um dia ruim, mas temos que saber aprender com os erros e levantar a cabeça. Tem Olimpíada daqui a três meses e agora é se preparar para velejar bem no Rio de Janeiro”, disse.

O britânico Nick Thompson confirmou o favoritismo e conquistou o título e o bicampeonato (ele venceu o Mundial de 2015, disputado em Kingston, no Canadá). Ele ganhou a medalha de ouro com 61 pontos perdidos, 12 pontos à frente do vice-campeão, o francês Jean-Baptiste Bernaz. O holandês Rutger Van Schaardenburg completou o pódio, surpreendendo os adversários com uma vitória e um terceiro lugar nesta quarta-feira para fechar a disputa com 88 pontos perdidos. Robert Scheidt encerrou sua participação do Campeonato Mundial com 127 pontos perdidos.

Scheidt lamentou o desempenho abaixo do esperado, mas, experiente, não se deixa abater e já mira o próximo e maior desafio da temporada 2016. “Infelizmente hoje (quarta-feira, 18) foi mais um dia difícil. Minha leitura do vento foi sempre errada. Eu fui mais pelo lado esquerdo na primeira regata e deu direito. Na segunda prova, voltei a tentar a esquerda e deu direita de novo. É uma pena, porque eu estava velejando com boa velocidade, mas pequei taticamente em algumas regatas aqui no México. No fim das contas, foi mais uma questão tática do que técnica. Agora é partir para um período de treinamento no Rio em junho e julho e me preparar para os Jogos”, afirmou o bicampeão olímpico.

Robert Scheidt chegou ao México em busca do 12º título mundial na Classe Laser. Logo na estreia sofreu uma bandeira preta por largar escapado. Porém, na segunda regata do primeiro dia, se recuperou para cruzar em primeiro lugar. Nos dias seguintes, o bicampeão olímpico se manteve entre os líderes e, com a possibilidade de descartar o resultado ruim, terminou a fase de classificação em terceiro lugar. Na etapa decisiva, com a flotilha de ouro, composta pelos 56 melhores velejadores desse Mundial, o brasileiro teve problemas com ventos fracos e irregulares, conseguindo um 25º e um 5º lugares na segunda-feira (16) e 22º e 14º na terça-feira (17). Com isso, foi para a água no último dia ocupando a 5º posição na classificação geral, mas em um dia ruim, fechou em 10º.

Além de Robert Scheidt, o Brasil tem mais um representante na flotilha ouro do Mundial. Bruno Fontes terminou em 28º, com 231 pontos perdidos. Na flotilha prata, Lucas de Bueno finalizou em 46º, com 516 pontos. A fase classificatória do Mundial reuniu 112 velejadores representando 48 países.

A programação da temporada 2016 é composta por etapas. Depois do Mundial, o foco agora é o objetivo máximo do ano, a Olimpíada do Rio. O planejamento inclui, ainda, um período de treinamento no Brasil, entre 15 a 25 de junho. Depois, Robert retorna à capital carioca somente em 7 de julho, onde fará duas pequenas competições e entrará na reta final de preparação até o início dos Jogos.

Classificação – após 14 regatas e 2 descartes
1- Nick Thompson (ING) – 61 pontos perdidos
2- Jean-Baptiste Bernaz (FRA) – 73 pp
3- Rutger Van Schaardenburg (HOL) – 88 pp
4- Matthew Wearn (AUS) – 90 pp
5- Marco Gallo (ITA) – 93 pp
6- Tom Burton (AUS) – 101 pp
7- Tonci Stipanovic (CRO) – 118 pp
8- Philipp Buhl (ALE) – 123 pp
9- Jesper Stalheim (SUE) – 123 pp
10- Robert Scheidt (BRA) – 127 pp
28- Bruno Fontes (BRA) – 231 pp

Foto: Divulgação

Assine a revista NÁUTICA: www.shoppingnautica.com.br

Náutica Responde

Faça uma pergunta para a Náutica

    Relacionadas

    Olimpíadas de Paris: você sabia que o surfe não será disputado na França?

    Em decisão polêmica, Comite Olímpico escolheu outro país para sediar todas as baterias do esporte; entenda

    Adolescente para lancha desgovernada e impede acidente em lago nos EUA

    Imagens gravadas por quem estava no local mostram jovem de 17 anos saltando de um jet em direção ao barco que rodopiava sem condutor

    Público do Brasília Boat Show tem desconto exclusivo em hotéis parceiros; saiba como funciona

    Visitantes do evento náutico, que atraca pela primeira vez no Lago Paranoá, poderão desfrutar de condições especiais no momento da reserva

    Navio de pesquisa de 1962 é capaz de “ficar de pé” no mar; assista em ação

    Quando na vertical, paredes internas viram pisos e móveis são adaptados para a nova posição

    Na dúvida de qual jet comprar? Confira modelos da Sea-Doo para cada necessidade

    Empresa conta com opções que atendem desde iniciantes no universo náutico até apaixonados por velocidade ou pesca