Famoso naufrágio da Croácia fica a 40 metros de profundidade no Mar Adriático

Por: Redação -
15/01/2021

O navio austríaco a vapor Baron Gautsch, o mais famoso naufrágio do Mar Adriático situado na Croácia, teve sua história lançada na Escócia em 3 de maio de 1908. Os criadores do navio deram o nome de um político conhecido da época: Baron Paul Gautsch von Frankenthurn. Baron Gautsch não era um navio de guerra, mas um luxuoso navio de passageiros. Durante a Primeira Guerra Mundial, a marinha austríaca requisitou o navio para ser usado como transporte de tropas e para transporte entre as costas do Adriático. Porém, logo retornou ao Lloyds (criadores da embarcação) para voltar a transportar passageiros.

Inscreva-se no canal de NÁUTICA no YouTube e ATIVE as notificações

Na primeira viagem em que voltou a ser um navio de luxo, o Barão Gautsch teve seu destino marcado. O navio com 300 pessoas a bordo, entre tripulação e passageiros deveria chegar ao destino às 18 horas, mas o capitão cometeu o erro de chegar muito perto da costa de Rovinj, cujas águas haviam sido minadas pelos próprios austríacos.

Vendo o grande navio a vapor com mais de 85 metros de comprimento indo para a área minada, a tripulação adversária, Basilisk, prontamente soou o alarme, mas tanto os marinheiros quanto os passageiros a bordo do Baron Gautsch interpretaram esses sinais como uma recepção calorosa. Foi assim que o navio colidiu com uma mina e, em poucos minutos, afundou, levando consigo 130 passageiros, muitos deles mulheres e crianças. 

O naufrágio teve consequências judiciais pesadas. O capitão Winter, que escapou em um bote salva-vidas, foi acusado de covardia junto com muitos marinheiros que teriam pensado mais em se salvar do que resgatar os civis a bordo. Na verdade, a maioria dos botes salva-vidas não podia nem mesmo ser baixada para a água devido à má manutenção. Má manutenção que, segundo a defesa, foi atribuída à gestão anterior da Marinha.

LEIA MAIS:

>> Conheça a história da plataforma artificial que se autoproclamou um estado independente

>> Pescadores trabalham sob luz de lanternas no maior lago da África

>> Mensagem viajou 35 anos em uma garrafa e, depois de encontrada, foi devolvida à autora. Veja a história

Mas a história mais duvidosa diz respeito aos coletes salva-vidas que poderiam ter salvado dezenas de vidas e estavam trancados em gavetas. O capitão se justificou explicando que a decisão foi necessária porque passageiros da terceira classe os roubaram para usar como travesseiro. 

Hoje, o naufrágio encontra-se em uma profundidade de 40 metros, na costa da Croácia. É recomendado que mergulhadores subam com o nitrox, que, além de maior segurança nas curvas, permite ficar mais tempo em baixa altitude, pois este é considerado um mergulho difícil. O navio é muito grande, possuindo sua estrutura ainda em boas condições e em um único mergulho não é suficiente para desfrutar de tudo pois existem muitos detalhes a serem observados, como cacos de pratos com símbolo da marinha alemã que podem ser vistos até hoje no interior do navio.

Por Amanda Ligório, sob supervisão da jornalista Maristella Pereira

Gostou desse artigo? Clique aqui para assinar o nosso serviço de envio de notícias por WhatsApp e receba mais conteúdos.

 

Náutica Responde

Faça uma pergunta para a Náutica

    Relacionadas

    Brasília Boat Show transformará a capital do país no epicentro do mercado náutico

    Primeira edição do salão no Centro-Oeste acontece de 14 a 18 de agosto, nas águas do Lago Paranoá; garanta seu ingresso!

    NX Boats desembarca nos EUA com sua maior lancha, a NX 50 Invictus

    Modelo de 50 pés com hardtop estreou recentemente em águas norte-americanas; estaleiro descreveu momento como “histórico”

    Professor larga tudo para dar volta ao mundo em veleiro de 8 metros

    Pelas redes sociais, Luke Hartley compartilha suas aventuras a bordo de uma 27 pés de 1976

    Mestra Boats exibirá grandes sucessos de 29 a 35 pés no Brasília Boat Show

    Estaleiro disponibilizará aos visitantes do evento náutico a Mestra 352 HT, seu maior modelo, e outros dois barcos bem resolvidos; confira

    No século 17, maior navio do mundo foi construído no Brasil e batizou o Aeroporto do Galeão

    Embarcação de guerra foi construída a pedido da coroa portuguesa, que buscava recuperar terras perdidas para a Espanha