Novo desafio

Por: Redação -
27/11/2014

Robert Scheidt e Bruno Prada estão de volta à classe Star para defender o título da Star Sailors League (SSL) conquistado em dezembro de 2013 nas Bahamas. As regatas deste ano serão disputadas entre os dias 2 e 7 de dezembro no mesmo local: a raia de Paradise Island, com sede no Nassau Yacht Club (NYC). A flotilha formada por 20 embarcações leva a bordo a elite mundial da Star com atletas ganhadores de 20 medalhas olímpicas (seis ouros, cinco pratas e nove bronzes) e 73 em campeonatos mundiais (33 ouros, 24 pratas e 16 bronzes).

Na segunda edição da SSL Finals, liga criada para suprir a ausência da classe Star no programa dos Jogos Rio 2016, Robert e Bruno terão entre os principais adversários, medalhistas olímpicos como Torben Grael (BRA), Freddy Loof (SUI), Mateus Kusznierewicz (POL) e Xavier Rohart (FRA), além de outros renomados velejadores como, o líder do ranking da SSL, Diego Negri (ITA); o tetracampeão mundial de Snipe, Augie Diaz (EUA); e o campeão mundial de Star de 2014, Robert Stanjek (ALE). Em 2013, Kusznierewicz foi o segundo colocado, com Dominik Zycky; Mark Mendelblatt (EUA), o terceiro, com Brian Fatih. Neste ano brigarão novamente pelo pódio.

“Eu e o Bruno trazemos toneladas de experiência na Star. Competimos juntos há 10 anos. Mesmo sem tempo para treinarmos juntos nesta temporada devido aos nossos compromissos na Laser e na Finn, respectivamente, estamos confiantes em nosso desempenho. Sabemos muito bem como é o barco. Faremos uma preparação rápida, porém intensa em Nassau, suficiente para readquirirmos a velocidade que impusemos ao barco no ano passado”, prevê Robert, ganhador de cinco medalhas olímpicas (dois ouros, duas pratas e um bronze) além de 14 títulos mundiais entre Laser e Star.

Na classe Star, Robert e Bruno conquistaram a prata nos Jogos de Pequim, 2008, e o bronze em Londres, 2012, além do tricampeonato mundial. Em 2013 foram os únicos representantes brasileiros na SSL Finals. “O Brasil terá uma equipe brilhante neste ano. A Star é uma classe muito prestigiada no país. Depois de Diego Negri, que tem treinado mais do que qualquer um de nós, creio que Torben, Jorginho e Marcelo, chegarão muito bem preparados a Nassau”, afirma Robert.

Entre as quatro tripulações brasileiras, Torben formará dupla com Guilherme de Almeida. Ambos venceram o campeonato norte-americano em outubro. Jorginho Zarif, campeão mundial de Finn, correrá com Henry Boening, enquanto outra dupla terá Marcelo Fuchs e Ronie Seifert, brasileiros mais bem colocados no Mundial de Star de 2014. Ficaram em quinto na Itália.

Para Robert, a disputa em Nassau está aberta devido ao elevado número de favoritos. “Desta vez a série final será mais ainda difícil. Torben é sempre muito forte. Um dos melhores do mundo e com experiência inquestionável. Vai ser ótimo também voltar a velejar contra o Freddy Loof (ouro em Londres) novamente. Não nos vemos desde os Jogos Olímpicos. O nível técnico da competição será mais elevado do que no ano passado”, considera Robert.

Foto: Carlo Borlenghi/SSL

 

Curta a revista Náutica no Facebook e fique por dentro de tudo que acontece no mundo náutico.

Náutica Responde

Faça uma pergunta para a Náutica

    Relacionadas

    Fotos inéditas do Titanic prometem revelar detalhes nunca vistos dos destroços

    Expedição ao naufrágio conta com dois robôs ultra tecnológicos, que farão imagens e mapeamentos 3D no fundo do oceano

    Brasília Boat Show terá presença da NX Boats com lancha de luxo assinada pela Pininfarina

    Modelo estará nas águas do Lago Paranoá de 14 a 18 de agosto; ingressos para o salão já estão disponíveis

    Lancha resistente a fuzil é o novo reforço da Polícia Militar do Paraná; conheça o barco

    Embarcação militar Aruanã 29-CM-P atuará junto à Patrulha Costeira no combate à criminalidade e segurança de 39 comunidades

    Rei e cerveja: conheça a pequena ilha que tem ‘monarca’ próprio e pub centenário

    Pertencente à Inglaterra, Ilha de Piel é habitada há pelo menos 3 mil anos e conta com um antigo castelo

    Olimpíadas de Paris: você sabia que o surfe não será disputado na França?

    Em decisão polêmica, Comite Olímpico escolheu outro país para sediar todas as baterias do esporte; entenda