Qual o melhor cabo?

Por: Redação -
06/01/2015

Por Nicola Getschko

Os guinchos elétricos estão cada vez mais comuns em embarcações pequenas e médias, pelo conforto e segurança que ofere­cem. Mas daí surge uma dúvida frequente: o que usar, amarra de poliamida ou corrente de aço, já que a maior parte dos guinchos pode operar com os dois tipos? Para ajudá-lo na escolha, veja abaixo as principais perguntas e respostas sobre o tema.

1- Qual a quantidade mínima de amarra para se ter a bordo? Ela varia para corrente e cabo?

Com mar calmo, a regra é soltar uma metragem de amarra equivalente a, pelo menos, três a quatro vezes a profundidade do local. Com isso, o ferro ficará o mais paralelo possível com o fun­do, uma garantia de que vai unhar corretamen­te. Já com mar mais agitado, a ordem é soltar ainda mais amarra. Para quem navega próximo à costa, em profundidades inferiores a 10 me­tros, é recomendável ter pelo menos 40 metros de amarra. Isso vale tanto para corrente como para cabo de poliamida.

2- Qual amarra amortece melhor os movimentos do barco sobre o ferro: poliamida ou corrente?

As duas amortecem os impactos que o movimen­to do barco pode causar sobre o ferro, mas de forma diferente. O cabo de poliamida tem uma boa capacidade de alongamento quando tracio­nado, o que diminui os efeitos dos movimentos do barco sobre o ferro. Já a corrente alonga-se muito menos sob tração. Porém, seu peso, muito maior, faz com que boa parte de seus elos fique apoiada no fundo, diminuindo a carga sobre o ferro. Mesmo quando o barco — pelo movimen­to causado pelas ondas ou pelo vento — eleva a corrente do fundo e a estica, ocorre um amor­tecimento da carga sobre o ferro, com a conse­quente volta à condição inicial do fundeio.

3- Caso o ferro fique preso no fundo, o cabo leva vantagem sobre a corrente?

Sim. Em uma situação de emergência, quando não se consegue soltar o ferro do fundo, cortar um cabo de poliamida é uma operação bastan­te simples. Já no caso da corrente, é preciso um alicate ou uma serra para cortá-la, ou então soltar todo o comprimento restante.

4- Qual a diferença, em termos de peso e de preço, entre uma amarra de corrente e uma de cabo?

É grande, nos dois quesitos. No caso de uma amarra de 40 metros, por exemplo, usando um cabo de poliamida de 12 mm de diâmetro o peso será de pouco mais de 6 kgf (quilograma-força), considerando-se, inclusive, 1,5 metro de corrente entre o cabo e o ferro. Já para uma corrente de aço de 8 mm o peso sobe para quase 50 kgf. Ou seja, a corrente pesa 12 vezes mais que o cabo. As diferenças também são grandes em relação ao preço: uma corrente de aço zincado custa cer­ca de 10 vezes mais do que uma de poliamida.

5- Qual tipo de amarra facilita mais o fundeio?

Para um fundeio simples não há uma grande diferença entre usar corrente ou cabo. Já quan­do se faz uma atracação pela popa, em um píer ou flutuante, a amarra de corrente pode facilitar a manobra. Soltando uma boa quantidade de corrente ao iniciar a atracação, o peso da corren­te no fundo tem um pequeno efeito de “poita”, o que possibilita deixar a proa “fixa”, girando o barco em torno dela, ao mesmo tempo em que se dá a ré para trazer a popa próxima ao cais.

Foto: Shutterstock

 

Curta a revista Náutica no Facebook e fique por dentro de tudo que acontece no mundo náutico.

Náutica Responde

Faça uma pergunta para a Náutica

    Relacionadas

    Público do Rio Boat Show 2024 tem desconto exclusivo em hotel oficial

    Bem localizado, Novotel Leme oferece condições especiais para visitantes do maior salão náutico da América Latina

    Visita de mergulhador a restos de baleia vence concurso de fotos subaquáticas do mundo; veja imagens

    Competição de fotos de dentro do mar acontece anualmente e conta com diversas categorias

    Filmagem de primeiras ondas de tsunami na Tailândia viraliza 20 anos após desastre

    De férias no local, homem filmou, sem saber, o início do fenômeno de 2004; assista ao vídeo

    Memória Náutica: relembre como foi o Rio Boat Show do ano 2000

    Terceira edição do evento teve de lancha sendo construída ao vivo a tanque de mergulho de 5 m de profundidade

    Com propulsão eólica, Airbus terá frotas marítimas contra emissões de dióxido de carbono

    Gigante da indústria aeroespacial terá velas rotativas e motores biocombustíveis; entenda