Teste FS 205

Por: Redação -
30/06/2014

A FS 205 tem a típica proa sextavada dos modelos mais recentes do estaleiro catarinense FS Yachts, que completou 15 anos de vida, e que segue uma tendência mundial entre lanchas de maior porte que adotaram esse formato para ganhar mais espaço interno sem comprometer a boa navegação. Segundo menor modelo da FS ela é feita para quem procura um barco pequeno, mas bem-acabado e confortável, com capacidade para levar até oito pessoas a bordo. Seu casco, projetado para navegar em águas abrigadas, tem um bom “V” na proa, que o torna apto também para cortar ondas.

NÁUTICA testou este modelo na edição 301, de setembro de 2013. Se você quiser ver a reportagem completa, compre esta edição através do Shopping NÁUTICA no endereço www.lojashoppingnautica.com.br.

Confira algumas imagens da FS 205:

Fotos: Mozart Latorre

Curta a revista Náutica no Facebook e fique por dentro de tudo que acontece no mundo náutico.

Náutica Responde

Faça uma pergunta para a Náutica

    Relacionadas

    Homem nada mais de 100 metros sem respirar em lago congelado e quebra dois recordes

    Aos 52 anos, experiente nadador suíço acumula títulos e já deteve outro recorde mundial; confira

    Resorts 'no meio do nada' oferecem de natação com cavalos a plantio de recifes

    Ultraluxuosos, estabelecimentos cercados por belas águas buscam se diferenciar com passeios extravagantes; conheça 5 deles

    Búzios ganhará Centro de Desenvolvimento da Vela após parceria de ICAB e CBVela

    Parceria inédita prevê treinos das equipes jovem e principal, clínicas, uma escola de vela e projeto social para fomento do esporte na região

    Tubarão mais rápido dos oceanos é filmado no litoral de São Paulo; assista

    Conhecido como tubarão-mako, animal que pode atingir até 70 km/h foi flagrado próximo à Ilhabela

    Pinguim aparece em praia de Cabo Frio (RJ), surpreende banhistas e levanta dúvida: é normal?

    Apesar de ter sido visto navegando tranquilamente no mar transparente da região, presença do animal em águas brasileiras levantou questionamentos