Teste Intermarine 24M: recheado de tecnologia, alia conforto, design e navegação

O iate singular e imponente é um marco na história do estaleiro paulista Intermarine

Por: Redação -
13/12/2022

O mundo náutico sempre acompanha com expectativa cada lançamento do estaleiro Intermarine, conhecido por combinar em seus grandes cascos beleza, acabamento impecável e performance, tudo na mais perfeita harmonia. Com o iate Intermarine 24M não foi diferente.

Tem sido assim desde 1973, quando foi para a água o primeiro barco produzido pela empresa — sim, em 2023, a Intermarine comemorará 50 anos de atividades.

 

Apresentado ao público no São Paulo Boat Show 2019, o iate foi projetado pelo estúdio Luiz de Basto Designs. Com 24,80 metros de comprimento (81,36 pés), o Intermarine 24M representa um grande passo da marca, com o uso ainda mais intenso de materiais nobres e tecnologia de ponta.

Apreciar sua beleza milimétrica e a classe de suas linhas fluidas é algo marcante. A imponência do seu porte captura o olhar por onde passa.

 

Tudo é grande nessa Intermarine: tanto o espaço, o conforto e o luxo quanto o desempenho, como se verá nos testes de mar — NÁUTICA avaliou o 24M duas vezes; na primeira, o barco estava totalmente carregado de diesel (6 mil litros) e água (2 mil litros); na segunda, com os tanques com 49% da capacidade total de fluidos.

 

 

Além disso, esta embarcação com status de superiate tem vários diferenciais, desde o layout da proa e do flybridge até as aberturas laterais, sendo duas na plataforma de popa (que aumentam a área livre em 25%, formando os chamados beachs clubs) e uma varanda no costado, a boreste, que agrega ainda mais espaço ao já grande salão, com jeito de loft.

 

Outra sacada do projeto foi a instalação, próximo ao solário, de uma espécie de lounge de proa, que pode ser montado como o proprietário quiser, que foi uma customização pedida e atendida pelo estaleiro, que oferece aos clientes altos níveis de personalização de layouts e acabamentos.

Além disso, por dentro, a distribuição da 24M pode ter três ou quatro camarotes, como o dono preferir, sendo que a suíte máster, toda envidraçada, à meia-nau, ocupa toda a boca do barco, que é de 6 metros.

 

Esse novo patamar da Intermarine reflete a linha de comando introduzida por Roberta Ramalho, sucessora do pai, o visionário Gilberto Ramalho, em cuja gestão, ao longo de 25 anos, o pequeno estaleiro — fundado em 1973, repita-se, pelo empresário Dirceu Fontoura — se transformou em uma grande potência na fabricação de lanchas e iates na América do Sul, com um histórico de cerca de seis mil barcos produzidos, e em uma referência em embarcações de luxo do Brasil.

 

Desde que assumiu a presidência da Intermarine, em 2014, Roberta imprimiu à empresa uma gestão arrojada, reposicionando e atualizando a marca, com o lançamento de produtos ainda mais luxuosos, com design próprio e tecnologia de ponta.

 

Comparável aos melhores modelos importados, o Intermarine 24M é um dos frutos mais simbólicos dessa nova fase.

Com 24,8 metros de comprimento (81,3 pés), medida que já o enquadra na categoria dos iates, o Intermarine 24M é um iate de casco bonito e elegante, com leds curvos no casco, e que traz um enorme flybridge no convés superior (50 m² de área útil) e vários diferenciais em todos os outros ambientes, desde o layout da proa até as aberturas laterais (uma varanda a boreste e dois beachs clubs na plataforma de popa, que se desdobram com o barco ancorado).

 

Na proa, o lounge com vista para o mar pode ter uma mesa com dois sofás (ou chaises), ou simplesmente ficar livre, a critério do comprador.

Há ainda uma cobertura retrátil ou tenda mediterrânea, e dois grandes solários, além da área operacional com dois guinchos de âncora.

 

A praça de popa, como era de se esperar, acomoda todos os convidados com conforto em uma mesa de madeira com quatro cadeiras removíveis e um sofá fixo.

 

Para animar as reuniões, os privilegiados passageiros contam com um minibar, servido por uma geleira e uma geladeira, além de um aparador de madeira teca.

A plataforma de popa, com a abertura (ao toque de um botão) dos beachs clubs (um em cada bordo) e a colocação de duas chaises, vira uma gigantesca praia particular, com 7,78 metros de largura.

 

É uma deliciosa praia ao nível do mar, uma vez que a plataforma é submersível. Ao descer, a parte submersível monta uma escada robô, com um sempre merecedor de elogios pega-mão.

 

E como espaço não é problema, ainda é possível levar ali um grande bote de apoio com motor de 50 hp ou três jets.

A área gourmet fica no flybridge, que por sinal está muito bem integrada ao restante do casco (parece uma nave espacial pousada sobre a superestrutura) e oferece nada menos que 50 m² de área útil, em que se distribuem a churrasqueira e um conjunto de sofás e mesas, entre outros itens.

 

O t-top (com teto solar) e a estrutura do casario são de fibra de carbono. A critério do proprietário, o flybridge pode também contar com um bar de 180 graus posicionado no entorno de uma jacuzzi para quatro pessoas, que se integra ao solário de borda infinita, com três espreguiçadeiras soltas, de encostos reclináveis.

 

No posto de comando externo, no flybridge, entre outros equipamentos, há um eletrônico Raymarine Axiom de 21 polegadas no painel, além das telas dos motores. Mas faltou a instalação do rádio VHF em uma posição de acesso e leitura mais fácil, o que é sempre conveniente.

O enorme salão, com uma descomunal área envidraçada, proporciona visão 360 graus do exterior.

 

O ambiente, que fica em um único piso (sem degrau algum atrapalhando a circulação), com pé-direito de 2 metros, e dividido em vários ambientes, tem jeito de loft, embora a cozinha, toda envidraçada, tenha um espaço próprio, fechado, com porta pantográfica e vidros inteligentes, que ficam transparentes ou escurecem (ou melhor, ficam esfumaçados) de acordo com o desejo de seus ocupantes.

 

São quatro ambientes limpos e elegantes: sala de estar com tv embutida de acionamento automático, sala de jantar, cozinha completa (com duas geladeiras e dois freezers, entre os muitos recursos) e posto de comando, além de um lavabo, uma ótima opção para a área mais social do barco.

Grandes janelas favorecem a entrada de iluminação natural.

 

Mas o que mais chama atenção aqui é a abertura lateral, a boreste, com acionamento hidráulico, que dá acesso a uma varanda rebatível (que só abre com o barco parado, ao toque de dois botões), com uma bela vista para o mar.

 

No convés inferior, onde a altura chega a 2 metros, as três ou quatro suítes (há duas opções de layout) também oferecem uma vista privilegiada do mar, uma vez que as amplas janelas estão posicionadas quase na linha d’água.

 

 

Na versão com três camarotes, a suíte máster, que ocupa toda a boca do barco, de 6 metros, à meia-nau, tem até um closet (!), além de todos os luxos que se pode esperar de uma embarcação desse nível, como cama king-size com controle do ar-condicionado na cabeceira, divã num dos bordos, tv com tela móvel e banheiro completo e com acabamento digno de hotel cinco estrelas.

 

Por sua vez, a suíte VIP, na proa, tem janelas laterais com dois metros de comprimento, com vigias de ventilação integradas.

Entre a porta de entrada e a grande cama, há um hall de acesso, permitindo que as pessoas adentrem o espaço com conforto.

 

O pé-direito de 2 metros se repete no banheiro, outro cômodo de acabamento impecável. Mas falta uma vigia de ventilação.

 

O posto de comando inferior, no salão, é central. Tem duas confortáveis poltronas, com regulagem elétrica, que permitem pilotar em pé ou sentado, com ótima visão através do para-brisa, de folha grande e única, ladeado por outras duas folhas menores.

No painel digital, há dois eletrônicos Raymarine Axiom, de 19 polegadas, além das telas dos motores e radar incorporado à carta náutica, entre outros recursos. Tudo personalizado.

 

A direção é elétrica, com sistema de comando por meio de uma rede CAN, que envia um sinal para a unidade hidráulica na casa de máquinas, que controla os lemes. Inteligentes, os lemes se alinham, ficando na posição zero, a partir do momento em que o piloto liga a direção.

 

Além disso, para garantir tranquilidade a bordo, o barco vem com sistema Seakeeper 16 de estabilização giroscópica, além de sistema de estabilização por aletas, ou pás externas fixadas ao casco, para ajudar ainda mais na navegação.

Estavam instalados ainda os flapes de interceptação (barras no espalho de popa), que garantem a estabilidade longitudinal (ou seja, no sentido proa-popa) durante a navegação, com sistema de curva coordenada.

 

Isso significa que a Intermarine 24M é capaz de fazer curvas sem inclinar. Quem está a bordo não sai tropeçando nem derruba o vinho do copo.

default

Outras inovações tecnológicas são o Yacht Controller, um sistema de comando para manobras por controle remoto sem fio que integra (em uma única peça portátil) o comando os motores, os guinchos da âncora, o bowthruster (hélice auxiliar de manobra da proa) e o sternthruster (hélice auxiliar de manobra da popa), facilitando a aproximação e a atracação em qualquer píer; e o sistema inteligente de gerenciamento de energia de cais, que permite dar partida ou interromper cada grupo gerador de acordo com a necessidade, otimizando o consumo de combustível.

 

Na área de tripulação, o iate tem uma cabine de marinheiros com dois camarotes, três camas, banheiro e cozinha exclusiva completa. A altura na entrada é de 1,98 metro.

 

 

O acesso à casa de máquinas é independente. São dois motores MAN V12, de 1800, 1900 ou 2000 hp cada, dois geradores de 29 kva cada e um boiler de 200 litros, além de sistema anti-incêndio e dois tanques de combustível de 3 mil litros cada, certificados, que oferecem uma autonomia de cerca de 10 horas de navegação.

 

Definitivamente, não é um barco que a gente vê todo dia por aí, mas tudo indica que vai começar a ver muito mais.

Navegação da Intermarine 24M

Luxo e acabamento de alta qualidade, com o uso de matérias nobres, a gente sabe que o iate Intermarine 24M tem de sobra. Mas, será que esse iate navega bem?

 

Para tirar a prova dos nove, navegamos com ele nas águas da paradisíaca Angra dos Reis. Estava equipado com dois motores MAN V12 de 1900 hp cada, com propulsão de eixo e pé-de-galinha, com semitúnel.

 

A bordo, oito pessoas. Foram duas saídas. Na primeira, o iate estava com 100% da capacidade de diesel, que é de 6.000 litros, e 100% dos tanques de água, de 2.000 litros.

 

Mesmo assim, alcançou a marca de 24,3 nós, e isso com os motores girando 100 rpm menos do que poderiam girar.

 

Já na segunda saída, com os tanques aliviados a 48% da capacidade total de fluidos, a velocidade máxima passou dos 27 nós, sem qualquer ajuste ou trim.

 

Após a tomada oficial de desempenho de NÁUTICA, fizemos ajustes e a máxima atingiu 28,2 nós em sua melhor passagem, uma marca excelente.

Em ambos os testes, o mar estava calmo, com ondas de meio metro de altura. Para um iate desse porte, que segundo o estaleiro desloca 73 toneladas quando carregado, não é qualquer mar que põe seu casco à prova.

 

Para enfrentar condições mais duras, cruzamos uma série de cinco marolas altas produzidas por outra lancha de 70 pés e confrontamos várias vezes as ondulações geradas pela própria 24M. Também navegamos contra o vento, com rajadas de 7 a 8 nós.

 

Resultado: o iate praticamente ignorou todas as oscilações, não só pelo seu casco robusto, mas também com o funcionamento do sistema de estabilização Seakeeper e de aletas externas.

 

Em outro momento, fizemos curvas fechadas e o casco com V equilibrado na popa, de 13,7 graus, praticamente não adernou, com todo leme em uso.

Mérito também do sistema Humphrey eletrônico de controle dos flapes, que ajustou o barco perfeitamente, de forma automática, assim como os estabilizadores, que, como já mencionado, mantiveram a estabilidade da navegação a todo momento.

 

Em velocidade de cruzeiro econômico, com os motores a 2000 rpm, o consumo do iate Intermarine 24M ficou na casa dos 537 litros/hora, com autonomia de cerca de 230 milhas náuticas, uma marca de acordo com a relação peso/potência do conjunto casco/motores.

 

Resumindo: um iate navegador para quem sonha com longas travessias ao longo de nossa costa.

Saiba tudo sobre a Intermarine 24M

Pontos Altos

  • Alto nível de personalização interna e externa
  • Navegação absolutamente firme e robusta
  • Enorme lista de itens tecnológicos para navegação e conforto

Pontos Baixos

  • Consumo acima do esperado em cruzeiro
  • Rádio vhf no flybridge mal posicionado
  • Nem todos os banheiros têm ventilação natural

Características técnicas

Comprimento máximo: 24,80 m (81,36’)
Boca máxima: 6,00 m
Calado máximo: 1,80 m
Ângulo do V na popa: 13,75°
Deslocamento vazio: 61.000 kg
Deslocamento carregado: 73.000 kg
Combustível: 6.000 litros
Água: 2.000 litros
Capacidade (dia): 26 pessoas
Capacidade (noite): 10 pessoas
Motorização: eixo com pé-de-galinha
Potência: 2 x MAN de 1800, 1900 ou 2000 hp cada

Para saber mais sobre o modelo testado, acesse o site oficial da Intermarine.

 

Reportagem: Guilherme Kodja
Edição de texto: Gilberto Ungaretti
Edição de vídeo: Luiz Becherini
Fotos: Victor Oliveira e Divulgação

 

Náutica Responde

Faça uma pergunta para a Náutica

    Relacionadas

    E-combustíveis para o setor marítimo podem gerar 4 milhões de empregos, diz pesquisa

    Estudo foi encomendado pelo Fórum Marítimo Global e indica que as vagas serão abertas até 2050

    Futurista e feita de titânio: conheça a lancha de 55 pés que parece uma nave espacial

    Com estilo contemporâneo, será a primeira embarcação lançada pelo estaleiro Mirrari, dos Emirados Árabes Unidos

    Litoral de São Paulo e do Rio pode ter ondas de até 3 metros neste sábado (18)

    Alerta da Marinha do Brasil vale para as cidades de Santos e Campos dos Goytacazes; confira dicas de segurança em caso de ressaca marítima

    Projeto na Croácia quer criar cinco vilas ecológicas de luxo à beira mar com direito a barcos elétricos

    Ideia da eD-TEC visa redefinir o conceito de vida de luxo, oferecendo energia solar às moradias durante os 365 dias do ano

    Criança de 11 anos encontra fóssil de ictiossauro pré-histórico, o maior réptil marinho que já existiu

    Com a companhia do pai e pesquisadores, garota ajudou a desvendar a vida marinha de 200 milhões de anos atrás