Vela brasileira comemora os 50 anos da primeira medalha olímpica

Por: Redação -
31/10/2018
Foto: Reprodução

Naquele dia 21 de outubro de 1968, Reinaldo Conrad e Burkhard Cordes não sabiam, mas estavam inaugurando o que viria a ser uma longa história de vitórias. Os dois conquistaram naquela data a primeira medalha olímpica da vela brasileira. Foi na classe Flying Dutchman, nos Jogos da Cidade do México. Uma conquista pioneira, que abriu caminho para as muitas glórias dos velejadores do país.

“O tempo passa. Já faz 50 anos. Mas parece que foi importante, porque até hoje a turma lembra. Foi muito bacana. A gente se esforçou para chegar lá”, lembra Burkhard Cordes, hoje com 79 anos.

“São coisas que a gente não esquece. O esporte era amador na época. Não havia tanta cerimônia. Patrocínio era proibido. A medalha foi a coroação de um esforço. O Burkhard e eu treinamos sozinhos na Represa de Guarapiranga durante anos”, diz Reinaldo Conrad, que hoje mora nas Bahamas, aos 77 anos.

A disputa da classe Flying Dutchman nos Jogos Olímpicos do México teve sete regatas. Os britânicos Rodney Pattisson e Lain MacDonald dominaram a competição, ganhando cinco provas e ficando com o ouro (3 pontos perdidos). Porém, a última regata foi vencida pela dupla brasileira, que assim selou a conquista do bronze, com 48,4 pontos perdidos. A medalha de prata acabou com os alemães Ullrich Libor e Peter Naumann (43,7 p.p.).

LEIA TAMBÉM

>>Titanic II fará mesma rota programada para a embarcação original
>>Projeto de megaiate turco promete modernidade, luxo e conforto em 77 metros
>>Feadship revela novo projeto de embarcação de 93 metros

“Lembro bem daquela última regata. Para que a gente tivesse chance de medalha, era fundamental ganhar a última prova. A gente conseguiu uma largada a sotavento excepcional e velejou o tempo inteiro na frente. Optamos pelo caminho certo e, com isso, conseguimos ganhar”, afirma Reinaldo Conrad.

A Flying Dutchman já não faz mais parte dos programa dos Jogos Olímpicos. Mas o resultado de Reinaldo Conrad e Burkhard Cordes abriu caminho para outros 18 pódios olímpicos da vela brasileira. É a modalidade que mais ouros olímpicos conquistou para o Brasil: sete.

“O grande show da vela brasileira começou em Moscou, nos Jogos de 1980, com Marcos Soares, Alex Welter e outros velejadores. Depois, houve uma evolução excepcional com a geração do Torben Grael, Lars Grael, Robert Scheidt. Em 1968, a gente não tinha ideia de que dali fosse nascer uma competitividade brasileira tão grande em Jogos Olímpicos”, diz Reinaldo.

Quer conferir mais conteúdo de NÁUTICA?
A edição deste mês já está disponível nas bancas, no nosso app
e também na Loja Virtual. Baixe agora!
App Revista Náutica
Loja Virtual
Disponível para tablets e smartphones

Náutica Responde

Faça uma pergunta para a Náutica

    Relacionadas

    Brasileira faz "dobradinha" em premiação da ONU de fotos marinhas

    A fotógrafa Andrea Marandino conquistou a 1ª e 2ª colocação em concurso mundial

    Robô submarino encontra lula com ovos gigantes no fundo do mar

    Cientistas acreditam tratar-se de nova espécie do animal, capaz de botar ovos com o dobro do tamanho comum

    Grand Ocean Boats leva lancha de 37 pés ao Marina Itajaí Boat Show 2024

    Estaleiro exibirá o modelo Grand Ocean 37 na segunda edição do evento náutico, que vai de 4 a 7 de julho

    De 4º maior lago do mundo a deserto: o que aconteceu com o Mar de Aral

    Má gestão de recursos naturais tornou o Mar de Aral um dos maiores desastres ambientais do mundo

    Destroços do último navio de Ernest Shackleton são encontrados no Canadá

    Quest, explorador polar de uma das figuras mais conhecidas da navegação, está no mar de Labrador, a cerca de 390 m de profundidade