Tudo integrado

Por: Redação -
29/07/2015

Na coluna anterior, começamos a demonstrar as tecnologias disponíveis para a sua escolha e, agora, entraremos na parte mais excitante dos novos sistemas: as integrações entre o programas de navegação e os vários recursos externos. Nos sistemas atuais, além da integração de radar, GPS cartográfico e sonda, é possível integrar uma infinidade de recursos.

A primeira integração disponível é a inserção de um maior número de telas – é possível instalar 4, 5 ou mais telas a bordo. Imaginando um layout de 4 telas, o comandante pode escolher utilizar radar e GPS em umas delas, motores e câmeras nas outras. Isto, no comando principal e no flybridge. O mais interessante é que as funções são totalmente personalizáveis e o comandante pode escolher quais serão exibidas, quais devem ter prioridade de exibição nas mais variadas situações, além do tamanho das janelas.

Além disto, os equipamentos podem dispor, ainda, de wi-fi para comunicação com tablets e smartphones. No caso dos displays da Raymarine, é possível visualizar todas as funções como cartografia, radar e sonda, desenhar uma rota de navegação, alterar o alcance do radar, visualizar as câmeras de monitoramento e as informações dos motores, operar a sonda gráfica e até movimentar a câmera térmica. Tudo ao alcance das suas mãos, em qualquer lugar da embarcação e sem fio!

Outra novidade muito recente é a integração dos motores ao sistema de navegação, que permite a visualização dos mais variados dados dos motores, como rotação, pressão de turbo e de óleo, temperatura e muito mais.  Só vale lembrar que para esta comunicação, os motores precisam ter a opção de comunicação digital através dos protocolos J1939 ou NMEA2000.

E para os aficionados por pescaria, a parte de integração revela ótimas surpresas. Hoje, é possível agregar diferentes tipos de sondas gráficas para funcionamento simultâneo, como por exemplo, o sistema da Raymarine que permite unir sonda digital Downvision – que exibe imagens parecidas com fotos -, sonda lateral com cobertura de até 120 graus e sonda digital CHIRP de grande alcance. Todas elas operando simultaneamente e com suas imagens disponíveis em todos os displays de bordo.

O AIS (Automatic Identification System), uma espécie de transponder para identificar as embarcações e alertar sobre a possibilidade de colisão, pode ser incorporado ao sistema e todas as suas informações exibidas nas telas de GPS cartográfico e radar em tempo real.

E para complementar, ainda é possível a instalação de câmeras IP com visualização e gravação de imagens nos displays Raymarine. Resumidamente, um novo mundo de facilidades e tecnologias se abriu para os navegadores, onde praticamente tudo é possível. Basta escolher os equipamentos e funções ideias para cada tipo de embarcação e de navegação.

Foto: Arquivo NÁUTICA

 

Marcelo Viana é engenheiro especialista em equipamentos e sistemas de navegação

Náutica Responde

Faça uma pergunta para a Náutica

    Relacionadas

    Professor larga tudo para dar volta ao mundo em veleiro de 8 metros

    Pelas redes sociais, Luke Hartley compartilha suas aventuras a bordo de uma 27 pés de 1976

    Mestra Boats exibirá grandes sucessos de 29 a 35 pés no Brasília Boat Show

    Estaleiro disponibilizará aos visitantes do evento náutico a Mestra 352 HT, seu maior modelo, e outros dois barcos bem resolvidos; confira

    No século 17, maior navio do mundo foi construído no Brasil e batizou o Aeroporto do Galeão

    Embarcação de guerra foi construída a pedido da coroa portuguesa, que buscava recuperar terras perdidas para a Espanha

    Ventura atracará com lanchas, pontoons e jets na estreia do Brasília Boat Show

    Conhecido pela variedade de produtos, estaleiro mineiro estará nas águas do Lago Paranoá de 14 a 18 de agosto

    6 ótimos motivos para você visitar o Brasília Boat Show

    O maior evento náutico do Centro-Oeste acontecerá de 14 a 18 de agosto, no Lago Paranoá