Vokan e NX Boats selam parceria e oferecem seguros náuticos para clientes da marca

05/05/2022

A Vokan e o estaleiro pernambucano NX Boats selaram parceria para oferecer benefícios em seguros náuticos para os clientes da marca. De acordo com Luiz Eduardo Moreira, CEO da Vokan, a ideia é oferecer um atendimento de ponta, qualidade, com agilidade e um custo diferenciado. “Estamos na fase inicial desse projeto, desenvolvendo outras parcerias, outros desenhos para estarmos mais juntos nos eventos, criarmos outros benefícios e encantamentos para os nossos clientes em comum”, afirmou.

A parceria teve início pela vontade de entrada no mercado náutico com força total pela parte da Vokan. “Entendemos que a NX é uma marca muito parecida com a gente: uma galera jovem, inovadora, entrando no mercado de grande porte com muito sucesso. Então, selamos esta parceria para conseguir, também, prestar um serviço de qualidade na parte de seguros”.

A Vokan nasceu em 2013, criada por empreendedores apaixonados por aviação e com grande experiência no mercado segurador. Desde então, a empresa se tornou referência no setor e expandiu a área de atuação também para o corporativo, adentrando, há dois anos, no mercado dos seguros náuticos.

“A Vokan enxerga esta parceria com muito entusiasmo! Viemos do segmento aeronáutico, trazendo a expertise já em um setor premium. E, hoje, quase todos os proprietários de aeronaves têm uma embarcação, o que gera uma sinergia enorme com nosso público”.

A empresa oferece proteções sob medida contra incidentes e acidentes que possam ocorrer com sua embarcação, tripulação ou terceiros, além de contar com um time formado por especialistas em diversos ramos para oferecer um serviço consultivo e garantir a solução dos desafios de gestão de seguros dos clientes.

As principais coberturas disponíveis são casco (para cobrir a embarcação) e responsabilidade civil, ou seja, quaisquer danos eventualmente causados a terceiros. Dentre as coberturas adicionais, está a remoção de destroços no caso de acidente, processo que, sem um contrato de seguro, implica uma grande despesa ao proprietário da embarcação.

Para Moreira, o seguro ainda é muito pouco desenvolvido no Brasil, perto do tamanho do país e perto do que poderia ser. Muita gente ainda enxerga como custo, mas é um investimento, é a proteção de um patrimônio de alto valor agregado. “Eu acho que tem muita gente com a cultura de ter seguro, e quanto mais a gente fala de embarcações maiores, mais essa cultura existe. E acho que a gente ainda tem um grande oceano azul a desenvolver, principalmente nos barcos de menor porte. Os custos do seguro não são altos, então, é muito interessante para proteção do patrimônio, proteção do bem em si e proteção de terceiros, que é uma cobertura de responsabilidade civil que existe também, caso tenha algum dano a terceiro em algum acidente”, finaliza o executivo.

Náutica Responde

Faça uma pergunta para a Náutica

    Relacionadas

    Memória Náutica: relembre como foi o Rio Boat Show do ano 2000

    Terceira edição do evento teve de lancha sendo construída ao vivo a tanque de mergulho de 5 m de profundidade

    Com propulsão eólica, Airbus terá frotas marítimas contra emissões de dióxido de carbono

    Gigante da indústria aeroespacial terá velas rotativas e motores biocombustíveis; entenda

    Vila flutuante nas Maldivas promete ser o mais novo "point" dos milionários

    Projeto da rede de hotéis de luxo Soneva traz uma série de comodidades luxuosas com diárias a partir de R$ 25,6 mil

    São Paulo inaugura estruturas náuticas de uso público para alavancar turismo

    Municípios de Pereira Barreto, Três Fronteiras e Rubinéia deram início à primeira fase do Programa de Turismo Náutico

    Nada de bingo! Aos 81 anos, velejadora aposentada bate recordes navegando sozinha

    Mesmo aposentada, Jeanne Socrates já realizou voltas ao mundo num veleiro, e totalmente solitária