Conheça o robô que coleta lixo da superfície da água

Do tamanho aproximado de uma mala, Jellyfishbot consegue entrar em cantos e espaços de difícil acesso

Por: Redação -
01/11/2022

Depois de perceber, sempre que passava momentos de lazer no mar, quanto lixo balançava na água nas marinas, Nicolas Carlesi teve a ideia de criar um robô capaz de limpar a água.

Marinheiro e mergulhador, Carlesi é CEO da Interactive Autonomous DYnamic Systems (IADYS),  uma startup francesa comprometida com a proteção do meio ambiente marinho, que projeta e desenvolve inovações em inteligência artificial e robótica.

 

Ao mergulhar no mar Mediterrâneo, percebi que não tinha escolha a não ser acordar para a urgência da situação. Decidi dar início a um projeto que coloca as minhas competências robóticas a serviço do meio marinho – Nicolas Carlesi.

Assim nasceu o Jellyfishbot, uma solução multifuncional para a coleta de resíduos e hidrocarbonetos na superfície da água.

Elétrico, ele limpa a superfície de qualquer corpo d’água por conta própria, por meio da inteligência artificial, ou pode ser acionado por controle remoto, e suga o lixo para uma rede.

 

Com o tamanho aproximado de uma mala e várias hélices que permitem que ande para frente, para trás e vire para os lados, o Jellyfishbot pode entrar nos cantos e espaços estreitos, de difícil acesso, onde o lixo tende a se acumular. “Ele pode ir a qualquer lugar”, afirmou o criador, que é PhD em robótica submarina.

 

A rede retém o lixo coletado até que seja esvaziado manualmente. A bateria do robô dura até oito horas quando opera automaticamente e sua rede pode conter até 20 galões de resíduos. Isso significa que o Jellyfishbot pode operar convenientemente durante a noite, enquanto os oceanos estão menos povoados.

Útil em portos, marinas, estruturas de lazer e esportes, hotéis, estaleiros e também institutos de pesquisa, o Jellyfishbot está em operação em cerca de 15 marinas francesas, em Cannes, Marselha, Mônaco e Saint-Tropez, entre outras. Também já foi exportado para países como Singapura, Japão e Noruega.

 

Equipado com redes específicas e sondas, o Jellyfishbot pode ser utilizado para amostragem, análise de água, coleta e caracterização de microplásticos e microrganismos e também coleta de organismos.

 

Associado a um sonar, pode realizar levantamentos de batimetria, até 10 m de profundidade, e também pode ser equipado com uma sonda para medir a qualidade da água (pH, turbidez, nível de cianobactérias).

 

Náutica Responde

Faça uma pergunta para a Náutica

    Relacionadas

    Fotos inéditas do Titanic prometem revelar detalhes nunca vistos dos destroços

    Expedição ao naufrágio conta com dois robôs ultra tecnológicos, que farão imagens e mapeamentos 3D no fundo do oceano

    Brasília Boat Show terá presença da NX Boats com lancha de luxo assinada pela Pininfarina

    Modelo estará nas águas do Lago Paranoá de 14 a 18 de agosto; ingressos para o salão já estão disponíveis

    Lancha resistente a fuzil é o novo reforço da Polícia Militar do Paraná; conheça o barco

    Embarcação militar Aruanã 29-CM-P atuará junto à Patrulha Costeira no combate à criminalidade e segurança de 39 comunidades

    Rei e cerveja: conheça a pequena ilha que tem ‘monarca’ próprio e pub centenário

    Pertencente à Inglaterra, Ilha de Piel é habitada há pelo menos 3 mil anos e conta com um antigo castelo

    Olimpíadas de Paris: você sabia que o surfe não será disputado na França?

    Em decisão polêmica, Comite Olímpico escolheu outro país para sediar todas as baterias do esporte; entenda