Conheça o robô que coleta lixo da superfície da água

Do tamanho aproximado de uma mala, Jellyfishbot consegue entrar em cantos e espaços de difícil acesso

Por: Redação -
01/11/2022

Depois de perceber, sempre que passava momentos de lazer no mar, quanto lixo balançava na água nas marinas, Nicolas Carlesi teve a ideia de criar um robô capaz de limpar a água.

Marinheiro e mergulhador, Carlesi é CEO da Interactive Autonomous DYnamic Systems (IADYS),  uma startup francesa comprometida com a proteção do meio ambiente marinho, que projeta e desenvolve inovações em inteligência artificial e robótica.

 

Ao mergulhar no mar Mediterrâneo, percebi que não tinha escolha a não ser acordar para a urgência da situação. Decidi dar início a um projeto que coloca as minhas competências robóticas a serviço do meio marinho – Nicolas Carlesi.

Assim nasceu o Jellyfishbot, uma solução multifuncional para a coleta de resíduos e hidrocarbonetos na superfície da água.

Elétrico, ele limpa a superfície de qualquer corpo d’água por conta própria, por meio da inteligência artificial, ou pode ser acionado por controle remoto, e suga o lixo para uma rede.

 

Com o tamanho aproximado de uma mala e várias hélices que permitem que ande para frente, para trás e vire para os lados, o Jellyfishbot pode entrar nos cantos e espaços estreitos, de difícil acesso, onde o lixo tende a se acumular. “Ele pode ir a qualquer lugar”, afirmou o criador, que é PhD em robótica submarina.

 

A rede retém o lixo coletado até que seja esvaziado manualmente. A bateria do robô dura até oito horas quando opera automaticamente e sua rede pode conter até 20 galões de resíduos. Isso significa que o Jellyfishbot pode operar convenientemente durante a noite, enquanto os oceanos estão menos povoados.

Útil em portos, marinas, estruturas de lazer e esportes, hotéis, estaleiros e também institutos de pesquisa, o Jellyfishbot está em operação em cerca de 15 marinas francesas, em Cannes, Marselha, Mônaco e Saint-Tropez, entre outras. Também já foi exportado para países como Singapura, Japão e Noruega.

 

Equipado com redes específicas e sondas, o Jellyfishbot pode ser utilizado para amostragem, análise de água, coleta e caracterização de microplásticos e microrganismos e também coleta de organismos.

 

Associado a um sonar, pode realizar levantamentos de batimetria, até 10 m de profundidade, e também pode ser equipado com uma sonda para medir a qualidade da água (pH, turbidez, nível de cianobactérias).

 

Náutica Responde

Faça uma pergunta para a Náutica

    Relacionadas

    Público do Rio Boat Show 2024 tem desconto exclusivo em hotel oficial

    Bem localizado, Novotel Leme oferece condições especiais para visitantes do salão náutico mais charmoso da América Latina

    Visita de mergulhador a restos de baleia vence concurso de fotos subaquáticas do mundo; veja imagens

    Competição de fotos de dentro do mar acontece anualmente e conta com diversas categorias

    Filmagem de primeiras ondas de tsunami na Tailândia viraliza 20 anos após desastre

    De férias no local, homem filmou, sem saber, o início do fenômeno de 2004; assista ao vídeo

    Memória Náutica: relembre como foi o Rio Boat Show do ano 2000

    Terceira edição do evento teve de lancha sendo construída ao vivo a tanque de mergulho de 5 m de profundidade

    Com propulsão eólica, Airbus terá frotas marítimas contra emissões de dióxido de carbono

    Gigante da indústria aeroespacial terá velas rotativas e motores biocombustíveis; entenda