Tudo o que você precisa saber para enfrentar as ondas numa boa

Por: Redação -
21/06/2021

Ondas pela Proa

Normalmente, quando o mar engrossa, é natural navegar a favor das ondas, porém, em águas muito agitadas, é sempre melhor navegar com vento e mar pela proa (e não pela popa), porque ela é mais reforçada, mais alta e projetada para isso mesmo: cortar as ondas.

Encarar as ondas de proa (mas com certa diagonal em relação a elas) também diminui o adernamento (balanço lateral do casco), embora aumente o caturro (a “cavalgada” na água), o que, no entanto, pode ser amenizado diminuindo-se a velocidade.

Inscreva-se no canal de NÁUTICA no YouTube e ATIVE as notificações

ondas

Se não houver arrebentação forte à frente, mantenha o rumo em cerca de 45 graus em relação às ondas, para o barco recebê-las pelas bochechas do casco, na proa.

Baixar um pouco os flapes e o trim do motor também ajuda, desde que a proa não fique muito para baixo, o que pode ser perigoso. A aceleração deve ser constante, porém baixa, cuidando para o barco não embicar.

Se acelerar muito na subida, ele poderá “saltar”, como se a onda fosse uma rampa. A tática é subir e descer em baixa velocidade, deixando as ondas passarem pelo barco.

Ondas pela Popa

Quando o mar não estiver demasiadamente grosso, a opção mais confortável é navegar com as ondas vindo pela popa, o que deve ser feito também em baixa velocidade, para não embicar na onda avante, acelerando nas subidas e desacelerando nas descidas.

ondasSe erguer um pouco o trim do motor e tirar os flapes totalmente da água, será mais fácil subir nas ondas e evitará embicar na descida. Mas se o barco tiver motor de centro ou for um veleiro, evite receber as ondas diretamente pela popa, para não perder o controle do leme.

Neste caso, manobre para que as ondas venham pelas alhetas. Se o barco ameaçar ficar sem governo, use o acelerador rapidamente, para obter uma resposta rápida do leme. Navegar com ondas pela popa é bom, mas exige cuidados.

Entrada de Canais ou Águas Rasas

As ondas ficam mais altas e escarpadas à medida que a profundidade diminui, o que torna a navegação nas proximidades de praias e canais estreitos mais difícil e arriscada.ondas

Se tiver de encarar uma situação dessas, procure navegar em ziguezagues (já que não haverá espaço para avançar numa simples diagonal), mas evitando receber as ondas de través e mantendo distância mais que segura de tudo em volta.

Arrebentações de Praia

Se tiver de encarar ondas arrebentando de frente, aborde-as diretamente com a proa, em ângulo de 90 graus, para não correr o risco de capotar. Acelere até a crista, mas desacele na descida.

Já se a arrebentação vier pela popa, acelere apenas o suficiente para se manter logo atrás da onda da frente — e antes da crista dela. Mas o melhor mesmo é evitar todo tipo de arrebentação, porque barco não é prancha de surf.ondas

Aliás, evite também “surfar” nas ondulações maiores, porque você pode perder o controle do rumo e acabar atravessando o barco, recebendo as ondas pelo costado, o que é sempre muito perigoso.

Leia também

» Manutenção de barcos: tudo o que você precisa saber

» Como navegar à noite: confira algumas dicas para sair em segurança

» E se o nevoeiro te pegar? Confira algumas dicas de como agir nesse caso

ondas

As 5 Regras das Situações de Risco:

1. Feche gaiutas, vigias e registros:

Se o barco for atingido por uma onda maior, a água tende a entrar por todas as aberturas que houver — mesmo as mínimas. Como frestas nas tampas dos paióis e nas vigias e gaiutas da cabine. Feche tudo. E bem.

2. Só fique no mar se o barco permitir isso:

Se o seu barco não foi projetado para navegar em águas abertas, volte ou procure um refúgio assim que o tempo começar a virar. Já barcos de grande porte devem fazer exatamente o contrário: ficar longe da costa, porque o mau tempo diminui a visibilidade e aumenta o risco de acidentes nos obstáculos do litoral. Já se o barco for um veleiro, diminua as velas e decida se é melhor enfrentar o mar ou recuar.

3. Jamais pegue mar de través:

Se receber altas ondas pelo costado, ou seja, de través, seu barco poderá virar, porque nessa circunstância a área do casco exposta à força da água será bem maior do que de proa ou popa.

4. Mantenha a aceleração:

Nas tormentas, deixe o leme e o hélice sempre em contato com a água, para garantir a direção e propulsão do barco. Caso contrário, ele ficará sem controle e será levado pelas ondas.

Mantenha o motor ligado e siga avante, mas devagar, evitando que ele fique de través para as ondas. A aceleração correta é a que permite controlar o barco, sem que o casco fique batendo demais ou seja jogado pelas ondas.

Nos veleiros, o ideal é manter uma vela de tempestade na proa, para ter controle do rumo. Ancorar no meio do mar e deixar passar, nem pensar! Continuar navegando permite um certo controle da situação. Já parado, você ficará à mercê das ondas.

5. Não saia do barco:

Só pense em abandonar o barco se ele já estiver afundando mesmo. Do contrário, será sempre mais seguro ficar a bordo dele do que de qualquer bote de apoio.

Não perca nada! Clique aqui para receber notícias do mundo náutico no seu WhatsApp.

Náutica Responde

Faça uma pergunta para a Náutica

    Relacionadas

    Público do Rio Boat Show 2024 tem desconto exclusivo em hotel oficial

    Bem localizado, Novotel Leme oferece condições especiais para visitantes do salão náutico mais charmoso da América Latina

    Visita de mergulhador a restos de baleia vence concurso de fotos subaquáticas do mundo; veja imagens

    Competição de fotos de dentro do mar acontece anualmente e conta com diversas categorias

    Filmagem de primeiras ondas de tsunami na Tailândia viraliza 20 anos após desastre

    De férias no local, homem filmou, sem saber, o início do fenômeno de 2004; assista ao vídeo

    Memória Náutica: relembre como foi o Rio Boat Show do ano 2000

    Terceira edição do evento teve de lancha sendo construída ao vivo a tanque de mergulho de 5 m de profundidade

    Com propulsão eólica, Airbus terá frotas marítimas contra emissões de dióxido de carbono

    Gigante da indústria aeroespacial terá velas rotativas e motores biocombustíveis; entenda