Hall da Fama

Por: Redação -
16/11/2015

Dono de cinco medalhas olímpicas, sendo duas de ouro, uma de prata e duas de bronze, Torben Grael é o primeiro velejador brasileiro a ser indicado para o Hall da Fama, criado em 2007 para comemorar o centenário da Federação Internacional de Vela (ISAF). O anúncio foi feito durante reunião do Comitê Executivo da entidade na Conferência Anual, em Sanya, na China. Além de Torben, foram selecionados os americanos Dennis Conner, Buddy Melges e Harold Vanderbilt (1884-1970), a italiana Alessandra Sensini, o neozelandês Sir Peter Blake (1948-2001) e o ucraniano Valentin Mankin (1938-2014).

“Fiquei muito orgulhoso e lisonjeado. Não é todo dia que um atleta entra para o Hall da Fama do seu esporte. Existem muitos velejadores no Brasil e no mundo que podem receber essa homenagem e que estarão em indicações futuras. Ser incluído logo na segunda indicação é fantástico. Não esperava”, afirmou Torben, atualmente coordenador técnico da Confederação Brasileira de Vela (CBVela).

Ao anunciar o brasileiro como integrante do Hall da Fama, a ISAF ressaltou os grandes resultados do velejador. Torben compõe a pequena lista de atletas a ganhar cinco medalhas olímpicas na vela. Além dele, apenas o compatriota Robert Scheidt e o britânico Sir Ben Ainslie conquistaram a façanha. Em seis participações olímpicas, Torben foi ouro em Atlanta-1996 e Atenas-2004, as duas na classe Star, prata em Los Angeles-1984, na Soling, e bronze em Seul-1988 e Sydney-2000, novamente na Star.

Em Mundiais, Torben é dono de seis títulos. O mais conhecido é o de Star, conquistado em Cleveland, nos Estados Unidos, em 1990, ao lado do eterno parceiro Marcelo Ferreira. Nos Jogos Pan-Americanos, ele foi ouro em Caracas-1983 e bronze em Indianápolis-1987 na classe Soling sempre acompanhado de Daniel Adler e Ronaldo Senfft.

Mas Torben também tem destaque nas classes de oceano. Na Volvo Ocean Race, a famosa regata de volta ao mundo, levou o Brasil ao terceiro lugar na edição 2005-2006 com o barco Brasil 1. Na competição seguinte, em 2008-2009, foi o comandante do veleiro campeão, o sueco Ericsson 4. O brasileiro também foi campeão da Louis Vuitton Cup, em 2000, como tático do barco italiano Luna Rossa.

Em reconhecimento por seus resultados, Torben já havia recebido da ISAF o prêmio de Melhor Velejador do Ano em 2009. A próxima indicação para o Hall da Fama será em 2019.

Foto: Wander Roberto/Inovafoto

Assine a revista NÁUTICA: www.shoppingnautica.com.br

Náutica Responde

Faça uma pergunta para a Náutica

    Relacionadas

    Linda e precária: ilha no Caribe Colombiano é a mais densamente povoada do mundo

    Com 10 mil m² de área, Santa Cruz del Islote tem apenas 825 habitantes e sofre com turismo predatório

    Ilhabela deve ganhar 1ª usina de dessalinização de água de São Paulo em 2026

    Projeto prevê aumento de 22% no volume de água tratada no município, atendendo mais de 8 mil pessoas

    Descanso sobre as águas: hospedagem em barcos atracados é opção de lazer no litoral brasileiro

    Ideia dispensa a necessidade de carteira náutica e traz valores acessíveis para uma experiência pra lá de diferente

    Falkirk Wheel: conheça o elevador gigante para barcos que virou ponto turístico

    Construção na Escócia foi feita para driblar desnivelamento maior que um prédio de dez andares

    Ações de despoluição na Baía de Guanabara fazem vida marinha voltar às águas

    Expedições comandadas pelo Instituto Mar Urbano observaram mais animais na região e melhor qualidade da água