Ilha de Elba

Por: Redação -
15/07/2015

A ilha de Elba – por onde Napoleão passou, reinou e se exilou durante um breve período –, raramente tem o seu nome associado à região da Toscana, à qual pertence. No entanto, de todo o Parque Nacional do Arquipélago Toscano, ela é a maior, com 224 quilômetros quadrados. Esta discreta ilha, que costuma passar despercebida até mesmo aos olhos de viajantes calejados, é delineada por uma costa bordada de praias de areia, baías abrigadas, marinas charmosas e um mar translúcido. Localizada a meros 10 quilômetros do continente e facilmente acessível graças a um eficiente sistema de ferries, tornou-se um dos destinos favoritos dos europeus durante o verão, e acolhe nesta época cerca de 1 milhão de turistas.

Felizmente, graças ao clima ameno – nunca passa dos 28º C, mesmo no auge do calor e raramente desce a menos de 9º C durante os meses de inverno –, é possível aproveitar todas as atrações e a beleza de Elba o ano inteiro, sem se acotovelar com as multidões que invadem a ilha em julho e agosto. Até outubro, a temperatura fica em torno de 23ºC, o que ainda permite deliciosos mergulhos. Aliás, falando em mar, o snorkel é uma das atividades mais procuradas pelos turistas, pois a transparência da água e a riqueza da vida marinha são verdadeiros chamarizes. Evite apenas os meses de novembro a fevereiro, quando Elba fica praticamente deserta, e a maioria dos estabelecimentos hoteleiros e muitos restaurantes fecham as suas portas.

A diversidade de Elba surpreende: pitorescos vilarejos encravados no meio das rochas, outros à beira do mar e em todos eles vestígios de séculos de civilizações mescladas. Tem atividades para todos os gostos, desde o dolce farniente na beira da praia, degustando um gelato ou explorando os portos e vilarejos, até cênicas caminhadas em trilhas que serpenteiam através da região montanhosa. Aliás, falando em altura, é do pico mais alto da ilha, o Monte Capanne, com 1019 metros, que o “Corso” conseguia mirar de longe a sua terra natal nos dias em que o céu estava completamente despojado.

Se por um lado Elba peca pela falta de uma sofisticada rede hoteleira (as estrelas ficam mesmo por conta do firmamento), por outro é compensado pela gastronomia, que preenche os requisitos para agradar paladares mais exigentes. Boas safras de vinhos regionais e produtos da terra são oferecidos em enotecas e nos melhores restaurantes e, convenhamos, já que o turista fica o dia inteirinho passeando, é o sol que passa a ser o item mais luxuoso durante a sua estadia – e ainda vem de graça!

Inspire-se com algumas fotos:

A jornalista e fotógrafa carioca Antonella Kann é uma travel expert em viagens que combinam atividades esportivas com quesitos de luxo 

Náutica Responde

Faça uma pergunta para a Náutica

    Relacionadas

    Semana de Vela de Ilhabela: na BRA-RGS, vencedor cruzou linha de chegada após 12h de regata

    Percurso de Alcatrazes por Boreste Marinha do Brasil, de 55 milhas náuticas, foi marcado pela variação de vento; confira resultados gerais

    Lago Paranoá, palco do Brasília Boat Show, tem vila submersa e pequenas ilhas; conheça

    Fruto de um projeto arquitetônico, lago possui uma rica história e é ponto de lazer, pesca e esportes na região

    Marine Center atracará no Brasília Boat Show com produtos de primeira linha para barcos

    Considerada um dos maiores atacados náuticos do Brasil, empresa estará no salão que acontece de 14 a 18 de agosto no Lago Paranoá

    Raríssimas imagens flagram baleia azul amamentando filhote; assista

    Cenas também mostram cetáceos em outros momentos íntimos, que envolvem desde reprodução até ‘ida ao banheiro’

    Growdeck levará deques náuticos e acessórios à primeira edição do Brasília Boat Show

    Considerada uma das principais marcas de pisos náuticos no Brasil, empresa atracará no Lago Paranoá de 14 a 18 de agosto