Conheça Luana Tironi, a jovem que comanda como poucas a operação de uma marina em Piçarras

28/09/2020

Siga nosso TWITTER e veja a série Dicas Náuticas diariamente.

Definitivamente, não existe mais essa história de profissão de homem e profissão de mulher. Que o diga Luana Albino Tironi, de 24 anos. Há quase três anos, a jovem catarinense fez a opção na hora de escolher o emprego: ser operadora de trator, na Marina Rockfeller, pertencente a seu pai, Paulo José Albino, em Piçarras, Santa Catarina. E, olha, ela manda muito bem.

“Sou filha do proprietário da marina, então partiu de mim mesma a iniciativa de começar a manobrar essa máquina, da vontade de aprender a fazer as coisas”, conta Luana, fiel ao princípio de que toda pessoa na empresa tem de saber todas as tarefas envolvidas no negócio, inclusive pegar no pesado em uma atividade reservada quase que exclusivamente aos homens, em qualquer lugar do mundo.

Sua tarefa consiste em colocar na água ou, ao contrário, transportar do mar para uma vaga seca, num galpão, lanchas de até 30 pés. Tarefa, por sinal, nada fácil e de grande responsabilidade, pois implica passar com o trator e com os barcos por espaços apertados, o que exige do operador muita habilidade, calma e bastante atenção, é claro. Um errinho pode causar prejuízos de milhares de reais, em se tratando de uma carga tão preciosa.

LEIA MAIS:

>> A bordo de ultraleves anfíbios, um grupo de amigos explorou a região do rio Araguaia

>> Velejador de 73 anos chega a seu destino após 9 meses e 10 mil milhas a bordo de antigo veleiro

>> Seguindo os passos do pai, velejadora Tamara Klink encara sua primeira travessia solitária

Mesmo habilitada, ela diz que aprendeu mesmo os segredos da profissão na prática. E não precisou de muito tempo para se fazer uma operadora respeitada. Todo mundo elogia o jeito suave e a delicadeza com que toca aquela máquina pesada. “Parece até que está brincando de carrinho”, define Cleide Lana, empresária do mercado náutico e que está acostumada a vê-la no comando do trator.

Mas, será que houve preconceito por parte dos colegas de profissão, por ser mulher e operar máquinas pesadas? “Pelo contrário, eles incentivam muito e ajudam muito nas manobras”, garante Luana. “Para quem tem vontade e determinação, não há dificuldades. Lugar de mulher é onde ela quiser e tiver competência para estar. Inclusive numa profissão tão improvável”, completa.

Gostou desse artigo? Clique aqui para receber o nosso serviço de envio de notícias por WhatsApp e leia mais conteúdos.

Náutica Responde

Faça uma pergunta para a Náutica

    Relacionadas

    Fotos inéditas do Titanic prometem revelar detalhes nunca vistos dos destroços

    Expedição ao naufrágio conta com dois robôs ultra tecnológicos, que farão imagens e mapeamentos 3D no fundo do oceano

    Brasília Boat Show terá presença da NX Boats com lancha de luxo assinada pela Pininfarina

    Modelo estará nas águas do Lago Paranoá de 14 a 18 de agosto; ingressos para o salão já estão disponíveis

    Lancha resistente a fuzil é o novo reforço da Polícia Militar do Paraná; conheça o barco

    Embarcação militar Aruanã 29-CM-P atuará junto à Patrulha Costeira no combate à criminalidade e segurança de 39 comunidades

    Rei e cerveja: conheça a pequena ilha que tem ‘monarca’ próprio e pub centenário

    Pertencente à Inglaterra, Ilha de Piel é habitada há pelo menos 3 mil anos e conta com um antigo castelo

    Olimpíadas de Paris: você sabia que o surfe não será disputado na França?

    Em decisão polêmica, Comite Olímpico escolheu outro país para sediar todas as baterias do esporte; entenda