Marinheiro inglês se prepara para quebrar o recorde mundial de navegação solo

Por: Redação -
11/01/2021
Imagem: reprodução/ The Guardian

27 mil milhas náuticas, sozinho, sem interrupções e com a necessidade de cumprir essa missão em menos de 122 dias para fomentar o novo recorde mundial de navegação solo à Oeste. Parece complicado, não? Esse é o roteiro que Chris Stanmore-Major precisa cumprir para concluir seu objetivo.

Inscreva-se no canal de NÁUTICA no YouTube e ATIVE as notificações

Nascido na cidade de Lancaster, no norte da Inglaterra, Chris vive na província da Nova Escócia, no Canadá, há sete anos. Lá, o inglês se apaixonou pelo país e, sobretudo, pela cultura náutica do lugar. Fora o desejo e a gana de Chris de ser o mais rápido a concluir a volta ao mundo à Oeste, tal travessia tem um significado simbólico para região.

Náutica e a Nova Escócia

Em março de 1921, o Bluenose, lendário navio de corrida e pesca, foi lançado e tornou-se um ícone provinciano para a Nova Escócia e um importante símbolo canadense na década de 1930. À título de curiosidade, essa embarcação é tão famosa que é retratada na moeda canadense de 10 centavos.

Bluenose, lendário navio canadense

Portanto, a travessia de Chris é, também, uma maneira de homenagear o centenário do navio e a província que, segundo ele, o acolheu tão bem. Além disso, um dos maiores marinheiros de todos os tempos, Joshua Slocum, também é nascido na província, algo que reafirma o quão náutica é a região.

“A viagem impossível”

Imagem: reprodução/ Spartanoceanracing

Esse é o apelido da rota que Chris fará. Virando a popa de seu veleiro de 60 pés para a Nova Escócia, ele atravessará o Atlântico para iniciar a jornada do Canal da Macha. De lá, o Inglês segue rumo Oeste e “desce” até o Cabo Horn, no Chile.

Quando cruzar o oceano Pacífico, Chris segue até o Cabo Leeuwin, na Austrália. Quando chegar ao oceano Índico, resta “apenas” contornar o Cabo da Boa esperança e regressar ao canal da mancha.

É sabido que navegar para o Leste envolve navegar com os ventos e correntes predominantes do planeta. No entanto, a rota de Chris é para Oeste, dificultando e aumentado o tempo total da viagem. Nessa rota, apenas 5 marinheiros completaram com sucesso este desafio.

Entendendo o “Orgulho da Nova Escócia”

A bordo do “Pride of New Scotia”, veleiro projetado especificamente para ser navegado por apenas uma pessoa e otimizado para navegar contra o vento, Chris pretende concluir o percurso em menos de 122 dias. O recorde atual, estabelecido em 2004 pelo francês Jean Luc Van Den Heede, é de 122 dias e 14 horas, com uma distância total de 26 900 milhas náuticas.

Imagem: reprodução/ Spartanoceanracing

Inspirado pelo Bluenose, mas um tanto mais moderno, o veleiro que Chris usará é capaz de atingir 38 nós (70 km/h). O mastro do Pride of Nova Scotia é da mesma altura acima da água que o mastro de proa do Bluenose: 100 pés (30 metros). Além disso, o histórico barco canadense era construído de pinho e carvalho. Agora, cem anos depois, a construção é toda em fibra de carbono.

Leia mais:

>> Velejando sozinho e sem gps, canadense dá volta ao mundo em jornada épica

>> Organização holandesa anuncia parceria para limpar os rios mais poluídos do mundo. Entenda

>> Novas marinas e incentivo ao turismo náutico: conversamos com Fausto Franco, secretário de Turismo da Bahia

Imagem: reprodução/ Spartanoceanracing

A ideia inicial era partir em novembro de 2020, mas a arrecadação de fundos para tornar a viagem viável demorou para acontecer. Se zarpasse agora, Chris não chegaria no Cabo Horn a tempo de pegar um bom clima para travessia. Portanto, a viagem teve que ser adiada em um ano.

Para Chris, é de extrema importância o clima ser respeitado. Segundo ele, houve uma frustração pelo adiamento, mas o sonho de ser o mais rápido do mundo nessa travessia e a oportunidade de representar a Nova Escócia são maiores que qualquer turbulência. Daqui dez meses, a tendência é que Chris já esteja em alto mar.

Por Gustavo Baldassare sob supervisão da jornalista Maristella Pereira

Gostou desse artigo? Clique aqui para assinar o nosso serviço de envio de notícias por WhatsApp e receba mais conteúdos.

Náutica Responde

Faça uma pergunta para a Náutica

    Relacionadas

    Linda e precária: ilha no Caribe Colombiano é a mais densamente povoada do mundo

    Com 10 mil m² de área, Santa Cruz del Islote tem apenas 825 habitantes e sofre com turismo predatório

    Ilhabela deve ganhar 1ª usina de dessalinização de água de São Paulo em 2026

    Projeto prevê aumento de 22% no volume de água tratada no município, atendendo mais de 8 mil pessoas

    Descanso sobre as águas: hospedagem em barcos atracados é opção de lazer no litoral brasileiro

    Ideia dispensa a necessidade de carteira náutica e traz valores acessíveis para uma experiência pra lá de diferente

    Falkirk Wheel: conheça o elevador gigante para barcos que virou ponto turístico

    Construção na Escócia foi feita para driblar desnivelamento maior que um prédio de dez andares

    Ações de despoluição na Baía de Guanabara fazem vida marinha voltar às águas

    Expedições comandadas pelo Instituto Mar Urbano observaram mais animais na região e melhor qualidade da água