Novas tecnologias

Por: Redação -
23/06/2015

O assunto de estreia desta coluna está em pauta entre praticamente todos os donos de barcos: como escolher os recursos do sistema eletrônico de navegação da embarcação?

De uns anos para cá, os sistemas eletrônicos para navegação oferecem muito mais do que apenas traçar rotas e exibir imagens de radar. Hoje, o comandante tem à disposição recursos como comando total por smartphones e tablets, integração com os motores da embarcação, visualização de câmeras térmicas e CCD, sondas gráficas de alta resolução entre outras muitas opções como veremos a seguir.

Também são muitas as opções de displays para os equipamentos. Atualmente, existe à disposição no mercado equipamentos com telas de LCD segmentado, LCD preto e branco, LCD colorido e LED. Os dois primeiros tipos se restringem a equipamentos de baixo custo. Os LCD coloridos são os mais usados e os displays LED estão nos equipamentos mais modernos e com o maior compromisso com qualidade de imagem.

Os displays LED possuem maior brilho, contraste e menor consumo. O brilho é fundamental para os equipamentos embarcados, pois quanto maior o brilho do display, maior a visibilidade sob a luz solar.

Outro item de fundamental importância é a arquitetura de processamento do equipamento. Basicamente o processador precisa gerenciar as informações recebidas de radar, gps, sonda e câmeras, processar todas as informações, gerar as imagens no display e, ainda, tratar da comunicação em rede. Na grande maioria, os equipamentos têm apenas um processador, responsável por tratar todos os processos. Já equipamentos mais recentes, possuem um processador central, muitas vezes com núcleo duplo, e um processador adicional dedicado para o tratamento de vídeo. Esta arquitetura é muito interessante, pois um processador fica encarregado da geração de imagem, que exige muito processamento, e outro das demais funções. Desta maneira, não há perda de desempenho do equipamento enquanto se utiliza todas as funções adicionando a função vídeo.

Em seguida, precisamos analisar as opções disponíveis de radar. Apenas como informação, o radar é amplamente utilizado na navegação aérea e marítima desde a descoberta do mesmo durante a Segunda Guerra Mundial. O radar funciona basicamente transmitindo ondas eletromagnéticas, que refletem nos objetos ou obstáculos. Ao refletir, as ondas retornam ao receptor do radar, que calcula tamanho e distância. Nas embarcações, são fundamentais para auxiliar a navegação com baixa visibilidade, apontando os obstáculos fixos e embarcações ao redor.

As embarcações eram tipicamente equipadas com radares analógicos. Estes são reflexos da tecnologia original, que possui bom resultado, porém longe do resultado obtido pelos radares digitais.

Os radares digitais possuem maior definição de imagem, menor consumo e tamanho. Existem opções de radares digitais de definição standard, definição HD e definição super HD. Os dois últimos introduziram o recurso de imagem multicolorida. Com a imagem multicolorida (com até 256 cores diferentes), é possível visualizar navios, canoas, chuva e terra com cores diferentes, facilitando a vida do comandante e aumentando a segurança da navegação.

Na próxima coluna continuaremos a falar dos recursos dos sistemas de navegação, onde as opções se multiplicam: as integrações entre o sistema de navegação e vários recursos externos como sondas, motores, câmeras, AIS e muito mais.

Até a próxima!

 

Marcelo Viana é engenheiro especialista em equipamentos e sistemas de navegação

Náutica Responde

Faça uma pergunta para a Náutica

    Relacionadas

    Com propulsão eólica, Airbus terá frotas marítimas contra emissões de dióxido de carbono

    Gigante da indústria aeroespacial terá velas rotativas e motores biocombustíveis; entenda

    Vila flutuante nas Maldivas promete ser o mais novo "point" dos milionários

    Projeto da rede de hotéis de luxo Soneva traz uma série de comodidades luxuosas com diárias a partir de R$ 25,6 mil

    São Paulo inaugura estruturas náuticas de uso público para alavancar turismo

    Municípios de Pereira Barreto, Três Fronteiras e Rubinéia deram início à primeira fase do Programa de Turismo Náutico

    Nada de bingo! Aos 81 anos, velejadora aposentada bate recordes navegando sozinha

    Mesmo aposentada, Jeanne Socrates já realizou voltas ao mundo num veleiro, e totalmente solitária

    Solara Boat House fará sua estreia nas águas durante o Rio Boat Show 2024

    Estaleiro terá ainda 3 lançamentos e outros 6 barcos no evento que acontece de 28 de abril a 5 de maio, na Marina da Glória