Você sabia que o oceano tem papel crucial para nossa sobrevivência nesse planeta?

NÁUTICA entrevistou Francesca Santoro, coordenadora do programa de cultura oceânica da Comissão Oceanográfica Intergovernamental (COI) da UNESCO

Por: Redação -
30/12/2022

A italiana Francesca Santoro, coordenadora do programa de cultura oceânica da Comissão Oceanográfica Intergovernamental (COI) da UNESCO, órgão da ONU encarregado de liderar a implementação da Década do Oceano, deu entrevista à NÁUTICA.

NÁUTICA: O principal objetivo do programa de alfabetização da Comissão Oceanográfica Intergovernamental da Unesco é educar e engajar as crianças que serão adultos conscientes, mas a solução é mais urgente, não é?

 

Francesca Santoro: Sim, não temos muito tempo para agir. Estamos numa emergência oceânica, como disse o secretário geral das Nações Unidas, António Guterres. Por essa razão, nosso programa não é direcionado apenas para crianças.

 

O Ocean Literacy começou como uma ferramenta para “apenas” introduzir mais conteúdo de ciências oceânicas nas escolas, mas se tornou um tópico e um objetivo para toda a sociedade. Organizamos regularmente cursos de treinamento para jornalistas, formuladores de políticas e para o setor financeiro porque queremos garantir que todos possam ter as ferramentas certas para transformar o conhecimento oceânico em ação.

 

NÁUTICA: Existe uma ação fundamental para salvar os oceanos, como extinguir o plástico, por exemplo?

 

FS: Como disse a famosa oceanógrafa Sylvia Earle, a maior ameaça ao oceano e, portanto, a nós mesmos, é a ignorância. Muitas pessoas não estão cientes do papel crucial do oceano para nossa sobrevivência nesse planeta.

 

O oceano produz entre 50 e 80% do oxigênio do planeta e é nosso melhor aliado contra a crise climática, pois absorve cerca de 25% do dióxido de carbono emitido.

 

Portanto, eu acredito que a ação fundamental para salvar nosso oceano é se informar melhor e investir em ciência e pesquisa oceânica. Só assim entenderemos melhor as questões em jogo e poderemos trazer as soluções certas para a mesa.

 


NÁUTICA: Qual é a importância de empresas, como a Panerai, apoiarem projetos da Unesco para a Década dos Oceanos?

 

FS: É absolutamente fundamental. Empresas como a Panerai podem, antes de tudo, dar o exemplo para outras empresas e incentivá-las a se tornarem mais sustentáveis.

 

Ao mostrar que é possível ser sustentável e ainda lucrar, você afasta as desculpas de quem não está disposto a agir. Além disso, a Panerai pode apoiar a Unesco no sentido de aumentar nossa visibilidade e nos ajudar a atingir um público que não é o habitual que acompanha nossas iniciativas.

 


NÁUTICA: Você tem observado mudanças relevantes nos países em prol dos oceanos?

 

FS: Sim, definitivamente. Portugal e Quênia acabam de acolher a segunda Conferência dos Oceanos da ONU em Lisboa. Mais de 6 mil delegados estiveram presentes e 24 chefes de estado participaram do evento.

 

Há uma onda de comprometimento dos países e muitos deles estão dispostos a investir mais na ciência oceânica, na conservação, criando novas áreas marinhas protegidas, e também desenvolvendo novas políticas para promover o combate à poluição e às mudanças climáticas.

 

É importante promover a colaboração internacional entre os países para proteger o oceano. Nenhum país sozinho é capaz de fazer isso.

 

NÁUTICA: Qual país está mais comprometido com essa causa?

 

FS: Não há um único país que seja o mais comprometido, eu diria. Mais e mais países estão fazendo a sua parte para salvar coletivamente nosso oceano.

 

Náutica Responde

Faça uma pergunta para a Náutica

    Relacionadas

    Saiba como seu barco pode ajudar moradores do Rio Grande do Sul

    Grupo Náutica uniu forças com a CUFA para apoiar o estado atingido por enchentes; instituição busca pequenos barcos para o transporte de doações

    Sem deixar feridos, incêndio na Croácia atinge mais de 20 barcos

    Incidente ocorreu em marina na cidade de Medulin, no noroeste do país, no último dia 15

    Nova lancha da Azimut promete reduzir em até 40% as emissões de CO₂

    Batizada de Seadeck 6, embarcação foi apresentada em piscina no maior evento de design do mundo, na Itália

    EUA enviam ao Rio de Janeiro porta-aviões gigante de 333 metros; entenda

    USS George Washington atracou no Brasil como parte da operação Southern Seas, que visa incentivar a cooperação entre os países

    Em fase final de testes, Aquabus de Ilhabela transportaram 1,5 mil pessoas no fim de semana

    Novo sistema de transporte aquaviário contará com três catamarãs e capacidade para 60 pessoas em cada viagem; data de inauguração ainda não foi divulgada