Americano compra navio e descobre que já foi cenário de 007

Por: Redação -
09/05/2022

O ano era 2008. Christopher Wilson lia os classificados quando um anúncio capturou sua atenção. Tratava-se da venda de um cruzeiro alemão de 1955 com 89 metros de comprimento.

A curiosidade o levou a visitar a embarcação, que encontrava-se em um estado deplorável, com lixo por todos os lados. A despeito disso, foi amor à primeira vista, e Christopher imediatamente comprou o navio, que batizou de MV Aurora. Desde então, o ex-programador vem dedicando seu tempo e energia à sua restauração.

Com o passar dos anos, Chris foi descobrindo novas informações sobre o Aurora e completando o quebra-cabeça de sua fascinante história. Originalmente com o nome de Wappen von Hamburg, o navio foi fabricado pelo estaleiro Blohm and Voss e compôs a primeira linha de cruzeiros alemães após a Segunda Guerra Mundial.

Parte do casco do Aurora antes do início das reformas.

As décadas seguintes presenciaram sua ascensão ao showbiz. Nos anos 70 e 80, serviu de inspiração para a série “O Barco do Amor”. Porém, mais importante foi sua participação no universo do espião mais famoso do mundo. Ele mesmo, James Bond, o 007. A embarcação serviu de quartel-general para a organização Spectre no filme “Moscou contra 007”, de 1963. Na época, Sean Connery encarnava o papel do agente.

Chris inicialmente pretendia usar o Aurora como um iate particular, mas, ao saber de seu passado, decidiu abri-lo ao público. “Eu gostaria de transformá-lo em um museu e deixar as pessoas fazerem tours“, afirmou.

Essa tarefa, no entanto, não tem sido nada fácil. Vários portos abrigaram o cruzeiro nos últimos 14 anos, e houve uma época em que Chris levava até três horas para chegar ao seu destino. Isso eventualmente plantou uma semente em sua cabeça: por que não morar no Aurora? Foi então que ele, ao lado da companheira Jin Li, deixou sua casa em Santa Cruz e estabeleceu-se na residência flutuante.

“Quando me mudei para o navio, muitos dos meus amigos e familiares ficaram incrédulos. Era uma grande mudança de estilo de vida. Mas eu vejo mais como um upgrade, apesar de estarmos meio fora do mapa e usando geradores e placas de energia solar”, confessou.

Casco após as reformas.

O custo da reforma pode chegar à casa dos 3 milhões de dólares, ou R$ 15 milhões de reais. “A escala do projeto é enorme. É como refazer 15 casas sozinho”. Hoje, além de Jin Li, Chris conta com a ajuda de voluntários para tornar este sonho uma realidade.

A fim de divulgar a reforma, ele criou o “Aurora Restoration Project”, um canal no YouTube onde mostra seus avanços. A conta tem sido um sucesso: além de conquistar 77 mil inscritos, atraiu centenas de voluntários para o projeto.

Entre os destaques do Aurora estão suas 85 cabines, piscina, teatro, lounge com deck privado e cozinha espaçosa. “Restauramos um pequeno número de cabines, mas temos muitas mais pela frente. Logo vamos oferecer ao público a oportunidade de patrocinar a restauração de uma cabine”, declarou Willson.

Por enquanto, não há previsão para a conclusão do projeto, mas Chris espera terminar a cozinha e a área de jantar até o final de 2022.

Por Gabriel Caldini, sob supervisão da jornalista Maristella Pereira.

Náutica Responde

Faça uma pergunta para a Náutica

    Relacionadas

    Primeiro catamarã a hidrogênio dos EUA está pronto para servir como balsa

    Guarda Costeira norte-americana autorizou o início do serviço, que transportará até 75 pedestres por vez pela Baía de São Francisco

    Governo do Rio de Janeiro reduz imposto para fabricantes de embarcações

    Vitória para o setor, incentivo fiscal para o setor náutico reduz de 27% para 7% a alíquota do ICMS para venda de barcos

    Teste Real 40 Cabriolet: lancha se destaca pelo conforto no cockpit, cabine e posto de comando

    Testada nas águas de Ilhabela, no litoral norte de São Paulo, modelo ainda chama atenção pela pilotagem a céu aberto

    Cruzeiro nudista pelo Caribe é aposta de empresa dos Estados Unidos; conheça

    Com previsão de lançamento em 2025, viagem sem roupa pelos mares custa a partir de R$ 10 mil, mas tem regras rígidas de convivência

    Robert Scheidt será o embaixador da 51ª Semana Internacional de Vela de Ilhabela

    Maior medalhista da história olímpica do Brasil estará no evento patrocinado pela Mitsubishi de 20 a 27 de julho