Bem-sucedido programa de despoluição do Novo Rio Pinheiros é extraordinário instrumento de transformação social

Por: Redação -
29/12/2022

A vida voltou às águas do Rio Pinheiros. Agora, com as suas margens revitalizadas e o meio ambiente preservado o rio integra-se novamente à cidade. Mas a transformação mais evidente, e talvez a mais importante, se deu nas áreas de maior vulnerabilidade social, onde a chegada do saneamento levou mais saúde e qualidade de vida para cerca de 3 milhões de famílias.

 

A pergunta que se faz é: o que foi feito de diferente agora para que o Rio Pinheiros passasse a ter vida novamente?

Como se sabe, a partir do trabalho de despoluição, que começou em 2019, peixes começaram a ser vistos nadando no Rio Pinheiros. Imagens gravadas pela população surpreenderam as redes sociais. Segundo especialistas, a presença dos animais é um indicativo de recomeço de vida no local. Sinal de que encontraram no rio que cruza a zona sul de São Paulo oxigenação suficiente para continuar vivos.

 

Junto com o Governo do Estado de São Paulo (e de outros órgãos, como a Prefeitura de São Paulo), a Sabesp, responsável pelo fornecimento de água, coleta e tratamento de esgotos de 375 municípios paulistas, liderou a frente de saneamento do mais bem-sucedido programa de despoluição de sua história.

A meta inicial da Sabesp no Programa Novo Rio Pinheiros era fazer a conexão, até o fim de 2022, de 530 mil novos imóveis à rede de esgoto da cidade de São Paulo.

 

A empresa não apenas cumpriu a meta como avançou 30% acima do objetivo, conectando mais de 650 mil imóveis à rede de esgoto! “Isso só foi possível porque conseguimos a adesão das pessoas ao Programa de despoluição”, conta Fernandes Hayashi, engenheiro da Sabesp.

Fernandes Hayashi, engenheiro da Sabesp: meta cumprida 30% acima do objetivo – Foto: Divulgação/Governo do Estado de SP

Desde o planejamento do Programa, ficou definido pela Companhia que o engajamento da população, sobretudo com a mobilização das comunidades, seria essencial. E a população reagiu positivamente, sensibilizada pela proposta de resgate da dignidade, da saúde, da esperança e da consciência.

 

“Quando os dois lados se entendem, começa a nascer uma relação de confiança. As comunidades confiaram que estávamos lá para levar um benefício. Isso foi importante porque gerou sinergia”, acredita Hayashi.

 

O foco do trabalho foi na recuperação dos afluentes do Rio Pinheiros. “Concentramos os esforços junto às comunidades que vivem no entorno do rio e dos córregos, com construção da rede de esgoto, de coletores e de troncos. Justamente para pegar esse esgoto e levar até a estação de tratamento”, explica Alexandre de Oliveira, engenheiro ambiental da Sabesp.

O engenheiro ambiental Alexandre Oliveira, funcionário da Sabesp há 35 anos, conheceu o rio quando ainda era estudante. Hoje, já observa vida às margens do rio Pinheiros – Foto: Divulgação/Governo do Estado de SP

Também foram criadas pela Sabesp as chamadas Unidades de Recuperação de Qualidade da Água. São estações de tratamento que recuperam a qualidade dos córregos, melhorando sua qualidade e trazendo benefícios para o meio ambiente, para a sociedade e, no fim da ponta, contribuindo para a despoluição do Pinheiros.

 

Cada Unidade de Recuperação capta a água de um córrego afluente e a devolve em seguida ao curso natural sem cheiros e com maior capacidade de abrigar vida aquática. Uma solução criativa que colabora na recuperação das águas de córregos como Jaguaré, Pirajussara, Cachoeira, Antonico e Água Espraiada.

 

Dessa forma, as águas do Pinheiros foram gradativamente melhorando de qualidade, permitindo a redução do odor e o retorno da vida aquáticas nos cursos d’água.

Em 2013, o rio Pinheiros foi declarado morto. 80% do rio era esgoto. Em 2019, a Sabesp e o Governo de São Paulo encararam um desafio que parecia impossível: trazer a vida de volta ao rio Pinheiros — Foto: Divulgação/Governo do Estado de SP

Como um efeito positivo puxa outro, a população está voltando a ocupar as suas margens (como fazia até a década de 1960) e a desfrutar de novas opções de lazer, como o Parque Bruno Covas (com pista de caminhada, quadras esportivas, estações de ginásticas, quiosques e playground) e a Ciclovia Franco Montoro. Isso se chama qualidade de vida. “Antes, eu só passava por aqui de carro mesmo. Era só lixo, um cheiro horrível. Agora, mudou a chavinha. Dá até para a gente comer um lanche às margens do rio”, testemunha a ciclista Kátia Cristina, que passou a ser assídua frequentadora do lugar.

Mais de 650 mil imóveis foram conectados à rede de coleta e tratamento de esgoto, levando dignidade e qualidade de vida para os paulistas

Trata-se de diretriz institucional. A aproximação com a população faz parte do firme compromisso da Sabesp com a sustentabilidade e as melhores práticas de responsabilidade social e ambiental. “O que a gente faz aqui tem um impacto muito positivo para o meio ambiente”, defende o biólogo Fábio Akiyama, que atua na estação de tratamento de esgoto da Sabesp em Barueri, na Grande São Paulo.

O biólogo Fábio Akiyama: as ações têm impacto no meio ambiente

Com suas grandes obras em São Paulo, a Companhia revela também um grande cuidado e respeito pelas pessoas, sob a forma de garantia da segurança hídrica, da qualidade da água, da coleta e tratamento do esgoto. Conquistas que se refletem em melhoria da saúde e da qualidade de vida e, em mais alto grau, na renovação da esperança e da dignidade.

 

A tese é que o acesso ao saneamento básico deve ser encarado como um instrumento de transformação social tão poderoso quanto os que são aplicados em áreas como saúde, educação e cultura, contribuindo para subverter a desigualdade social.

 

O acesso às redes de água e de esgoto é um direito do cidadão, uma das formas mais legítimas de combate à desigualdade. Melhora a qualidade de vida, aumenta a produtividade, promove dignidade e devolve a esperança.

 

“Eu tinha vergonha de trazer minha família para cá, por causa do córrego e do mau cheiro. Tinha rato, tinha barata, essas coisas. Mas agora, graças a Deus, depois que vieram os tubos, que cimentaram tudo direitinho, agora eu posso chamar minha família para almoçar em casa. Eu tenho a minha caixinha de água, tenho meu esgoto. Hoje a vila não é vila. Está parecendo um bairro”, diz Irene Angelo da Silva, moradora de Americanópolis, em um depoimento que, melhor que um tratado sociológico, revela a extensão do alcance do trabalho da Sabesp.

Irene tinha vergonha de receber a família em casa devido ao forte odor e a poluição onde mora. O saneamento mudou sua vida e a de todos os seus vizinhos — Foto: Divulgação/Governo do Estado de SP

“Para os resultados continuarem, nosso esforço agora é o de conscientizar cada um de nós sobre a importância de sermos zeladores desses córregos”, diz Danieli Lolito, técnica em sistema de saneamento da Sabesp.

 

Atitudes simples mudam o mundo, como o descarte correto de lixo para que estes não cheguem no rio e seus afluentes. Então, as pessoas precisam rever seus hábitos e só deixar ir para os cursos d’água somente aquilo que não altera sua composição natural e que, consequentemente, não vai poluí-los. O Novo Rio Pinheiros é uma conquista de todos nós. Vamos juntos cuidar.

A melhoria da qualidade de vida vem sendo o principal resultado da despoluição do Rio Pinheiros. A vida está voltando ao rio Pinheiros. E o Pinheiros está voltando à vida — Foto: Divulgação/Governo do Estado de SP

Para saber mais sobre o trabalho do Programa Novo Rio Pinheiros, confira a série especial em vídeo.

 

 

Náutica Responde

Faça uma pergunta para a Náutica

    Relacionadas

    Memória Náutica: relembre como foi o Rio Boat Show 99

    Evento se destacou por trazer inovações que foram além dos barcos para 51 mil visitantes

    Rio Boat Show 2024 será palco para estreia da Schaefer V44 em águas brasileiras

    Lançamento walk around da Schaefer Yachts estará nas águas da Marina da Glória, de 28 de abril a 5 de maio

    Megaiate apreendido vira "batata-quente" para os Estados Unidos; entenda o caso

    Governo norte-americano quer vender embarcação e alega não ter condições de pagar manutenção

    Reveladas imagens inéditas de navio que afundou com seu capitão há 84 anos

    O graneleiro Arlington foi encontrado nos EUA e traz, além de imagens, a história do capitão que não quis se salvar

    Novo estudo mostra que baleia-azul está acasalando com baleias-comuns mais do que deveria; entenda

    Número até então desconhecido de animais com DNA híbrido colocou pesquisadores em alerta