Saiba como agir ao encontrar grupos de botos-cinza durante a navegação

Por: Redação -
26/10/2020

Siga nosso TWITTER e veja a série Dicas Náuticas diariamente.

O cuidado com animais marinhos que vivem na área dos portos de Paranaguá e Antonina é o tema de uma nova campanha da Portos do Paraná. A empresa pública, em conjunto com a Cia Ambiental, desenvolveu uma cartilha para orientar embarcações sobre como agir ao encontrar grupos de botos-cinza durante a navegação.

A ação inclui conversas e web reuniões para alertar sobre o tema. “Identificamos a necessidade de falar e sensibilizar os donos de embarcações menores, como lanchas, iates, voadeiras, entre outros. Isso porque, nas atividades de monitoramento que realizamos de forma regular, nossos biólogos identificaram animais com pequenas cicatrizes de hélices no dorso, nas costas”, explica João Paulo Santana, diretor de Meio Ambiente da Portos do Paraná.

Segundo ele, as marcas indicam que os ferimentos foram causados por pequenas hélices, não compatíveis com as hélices de navios. “Temos um grande trânsito de embarcações nas baía de Paranaguá e Antonina. São voadeiras, bateiras, canoas caiçaras, lanchas de finais de semana, barcos que dão apoio aos navios e também os barcos da praticagem”, diz.

“Diante disso, resolvemos fazer uma grande campanha de conscientização, dialogar com todas as marinas da região de Paranaguá, com os práticos, com as comunidades de pescadores, para que quando avistarem grupos de botos diminuam a velocidade das embarcações”.

Leia também 

>> Projeto de embarcação futurista de mais de 100 metros conta com hidrofólios
>> Ousado e polêmico, o novo jet WaveFlyer usa motor elétrico e hidrofólios para “voar” na água
>> Revolução náutica: conheça a lancha que une motor elétrico e hidrofólios para “voar” na água

A iniciativa foi bem aceita por quem já foi contatado, como o coordenador-geral da Lunamar Transportes Marítimos, Renato Rocha. “É um trabalho muito importante para o turismo na cidade. Os barcos hoje param para ver os botos, o que não acontecia antes, pois não víamos famílias inteiras de botos. Hoje eles estão em grande quantidade e, muitas vezes, pertinho da costa. Então, é preciso preservar”, diz.

Para o gestor da empresa Oceânica, Adaury Silva Demétrio, o cuidado deve ser de todos. “Apesar de haver uma conscientização de defesa dos animais, principalmente os que vêm procriar na baía, as vezes os marinheiros desconhecem a importância da preservação. Esse trabalho ajuda eles a entenderem.”, afirma.

“Sabemos que temos que preservar o boto, a natureza em si. Aqui na marina, vamos distribuir o fôlder explicativo dos cuidados que temos que ter com a espécie, para todos os nossos clientes, para que colaborem na proteção do boto-cinza, que habita o litoral paranaense,” reforça Iranor Norberto Jamnik Filho, da Porto Marina Oceania.

O material também foi distribuído na Praticagem, no Iate Clube de Paranaguá, na Palangana Serviços Marítimos e nas marinas Marlim Azul, Velho Marujo, Paranaguá e Azul.

COMO AGIR

  • Embarcações devem manter distância mínima de 300 metros dos animais;

  • Quando a distância for menor que 300 metros, o motor deve ser colocado em neutro ou velocidade mínima;

  • Ao encontrar o boto-cinza deve-se navegar apenas em velocidade inferior a 5 nós (cerca de 10km/h);

  • Evitar mudanças bruscas de direção;

  • Não acompanhar a bordo de embarcações os botos por mais de 30 minutos;

  • Em caso de fêmea com filhotes, não exceder 15 minutos;

O boto-cinza (Sotalia guianensis) é listado pelo Ministério do Meio Ambiente como espécie ameaçada e tem status de espécie vulnerável na Lista da Fauna Brasileira de Espécies Ameaçadas e Extinção (Portaria MMA nº 444 de 17/12/2014).

O mamífero pode viver entre 30 e 35 anos e atingir 2,2 metros e 90 quilos. O dorso é cinza, com duas bandas laterais mais claras.

Gostou desse artigo? Clique aqui para assinar o nosso serviço de envio de notícias por WhatsApp e receba mais conteúdos.

Náutica Responde

Faça uma pergunta para a Náutica

    Relacionadas

    Tanzanite: megaiate de 120 metros será um dos maiores já feitos na Holanda

    Novo carro-chefe do estaleiro Amels, embarcação de luxo será uma das maiores já feitas na Holanda

    Adegas rifam vinho de R$ 5 mil, envelhecido no fundo do mar, para ajudar RS

    Empresas já arrecadaram mais de R$ 100 mil com bilhetes vendidos a R$ 10 cada

    Temporada de baleias: confira regras e onde avistar o animal no Brasil

    De junho a novembro, cetáceos saem da Antártica em busca das águas brasileiras para se reproduzirem

    Cidade perdida no meio do Pacífico tem localização remota e mistério sobre sua construção

    Localizada sobre um recife de corais, a cidade perdida de Nan Madol tem fama de "amaldiçoada" e intriga cientistas

    Registro raro: lula de mar profundo ataca câmera com tentáculos “acesos”; assista

    Filmagem mostra animal sendo atraído por isca presa a uma câmera a mais de mil metros de profundidade no Pacífico Sul