Endurance: um dos maiores naufrágios do mundo é encontrado 107 anos depois de afundar

Por: Redação -
09/03/2022

O Endurance, o navio perdido do explorador antártico Sir Ernest Shackleton, foi encontrado no fim de semana no fundo do Mar de Weddell.

 

O navio foi esmagado pelo gelo do mar e afundou em 1915, forçando Shackleton e seus homens a fazer uma fuga surpreendente a pé e em pequenos barcos.

Imagens do naufrágio mostram que o Endurance está em condições notáveis.

 

Mesmo estando a 3 km (10 000 pés) de água há mais de um século, parece exatamente como no dia de novembro em que caiu.

 

Suas madeiras, embora quebradas, ainda estão muito juntas, e o nome – Endurance – é claramente visível na popa.

 

“Sem nenhum exagero, este é o melhor naufrágio de madeira que eu já vi – de longe”, disse o arqueólogo marinho Mensun Bound, que está na expedição de descoberta e agora cumpriu uma ambição de sonho em sua carreira de quase 50 anos.

“É vertical, muito orgulhoso do fundo do mar, intacto e em um estado de preservação brilhante”, disse ele à BBC News.

 

O projeto para encontrar o navio perdido foi montado pelo Falklands Maritime Heritage Trust (FMHT), usando um quebra-gelo sul-africano, Agulhas II, e equipado com submersíveis operados remotamente.

O líder da missão, o veterano geógrafo polar Dr. John Shears, descreveu o momento em que as câmeras pousaram no nome do navio como “de cair o queixo”.

 

“A descoberta do naufrágio é uma conquista incrível”, acrescentou.

 

“Concluímos com sucesso a busca de naufrágios mais difícil do mundo, lutando contra o gelo marinho em constante mudança, nevascas e temperaturas caindo para -18°C. Conseguimos o que muitas pessoas diziam ser impossível.”

Onde o navio foi encontrado?

O Endurance foi avistado no Mar de Weddell a uma profundidade de 3.008 metros.

 

Por mais de duas semanas, os submarinos vasculharam uma área de busca predefinida, investigando vários alvos interessantes, antes de finalmente descobrir o local do naufrágio no sábado – o 100º aniversário do funeral de Shackleton. Os dias desde a descoberta foram gastos fazendo um registro fotográfico detalhado das madeiras e do campo de detritos ao redor.

O naufrágio em si é um monumento designado sob o Tratado Internacional da Antártida e não deve ser perturbado de forma alguma. Nenhum artefato físico foi, portanto, trazido à superfície.

O que os submarinos podiam ver?

O navio tem a mesma aparência de quando fotografado pela última vez pelo cineasta de Shackleton, Frank Hurley, em 1915. Os mastros estão abaixados, o cordame está emaranhado, mas o casco é bastante coerente. Alguns danos são evidentes na proa, presumivelmente onde o navio em queda atingiu o fundo do mar. As âncoras estão presentes. Os submarinos até espiaram algumas botas e louças.

 

“Você pode até ver o nome do navio – ENDURANCE – arqueado em sua popa diretamente abaixo do taffrail (um corrimão perto da popa). E abaixo, tão ousado quanto latão, está Polaris, a estrela de cinco pontas, após a qual o navio foi originalmente chamado”, disse Mensun Bound.

“Eu lhe digo, você teria que ser feito de pedra para não se sentir um pouco mole ao ver aquela estrela e o nome acima”, acrescentou.

 

“Você pode ver uma vigia que é a cabana de Shackleton. Nesse momento, você realmente sente a respiração do grande homem na nuca.”

Que vida tinha anexada ao navio?

Curiosamente, o naufrágio foi colonizado por uma abundância de vida – mas não do tipo que o consumiria.

 

“Parece que há pouca deterioração da madeira, deduzindo que os animais que comem madeira encontrados em outras áreas do nosso oceano não são, talvez sem surpresa, não na região antártica livre de florestas”, comentou a bióloga polar do fundo do mar, Michelle Taylor, da Universidade de Essex.

 

“O Endurance, parecendo um navio fantasma, é salpicado com uma impressionante diversidade de vida marinha do fundo do mar – ascídias, anêmonas, esponjas de várias formas, estrelas quebradiças e crinóides (relacionados a ouriços e estrelas do mar), todos filtradores nutrição das águas frias e profundas do Mar de Weddell.”

Por que este navio foi tão valorizado?

Duas razões. A primeira é a história da Expedição Transantártica Imperial de Shackleton. Ele partiu para fazer a primeira travessia terrestre da Antártida, mas teve que abandonar a missão quando o navio da expedição, o Endurance, ficou preso e depois furado pelo gelo marinho. A partir de então, tudo foi sobre sobrevivência. Shackleton de alguma forma conseguiu colocar seus homens em segurança, uma fuga que viu o próprio explorador anglo-irlandês pegar um pequeno bote salva-vidas por mares ferozes para obter ajuda.

 

O outro motivo foi o próprio desafio de encontrar o navio. O mar de Weddell está praticamente permanentemente coberto de gelo marinho espesso, o mesmo gelo marinho que rompeu o casco do Endurance. Chegar perto do suposto local do naufrágio já é difícil o suficiente, não importa poder realizar uma busca. Mas aqui também está parte do sucesso do projeto FMHT. No mês passado, houve a menor extensão de gelo marinho da Antártida já registrada durante a era dos satélites, que remonta à década de 1970. As condições eram inesperadamente favoráveis.

 

O Agulhas encerrou o levantamento do naufrágio e partiu do local de busca na terça-feira. O quebra-gelo está indo para seu porto de origem na Cidade do Cabo. Mas a intenção é chamar o Território Ultramarino Britânico da Geórgia do Sul, onde Shackleton está enterrado.

“Vamos prestar nossos respeitos a ‘The Boss'”, disse Shears, usando o apelido que a equipe do Endurance tinha para seu líder.

 

Náutica Responde

Faça uma pergunta para a Náutica

    Relacionadas

    Homem recupera Apple Watch que estava perdido no mar do Caribe há mais de um ano

    Aparelho foi encontrado ainda funcionando graças à ferramenta de localização do dispositivo

    Fluvimar mostrará sua linha de pontoons e barcos de pesca no Brasília Boat Show

    Estaleiro paranaense tem 30 anos de mercado e quase 13 mil barcos na água; salão acontece de 14 a 18 de agosto

    Maior barco da Fibrafort, lancha F420 Gran Coupé será destaque no Brasília Boat Show

    De 14 a 18 de agosto, público do evento náutico poderá conferir de perto os detalhes dessa e de outras duas embarcações do estaleiro

    Doutor Bruno: atleta olímpico dividiu rotina do kitesurf com medicina e mira ouro em Paris

    Entre plantões médicos e velejadas, Bruno Lobo superou lesões e falta de apoio para estrear nas Olimpíadas de 2024

    Fotos inéditas do Titanic prometem revelar detalhes nunca vistos dos destroços

    Expedição ao naufrágio conta com dois robôs ultra tecnológicos, que farão imagens e mapeamentos 3D no fundo do oceano