I Expedição Científica Bioacústica à Vela

Por: Redação -
13/09/2016

O veleiro Lucky Lady, de 30 pés, partiu da Bahia Marina com cinco tripulantes e o objetivo de realizar pesquisa de mapeamento acústico das baleias jubarte na costa da Bahia. Seu destino foi o Parque Nacional Marinho de Abrolhos, para realizar a I Expedição Científica Bioacústica à Vela.

Através do monitoramento sonoro com hidrofone e gravador digital, foi captado o canto das baleias jubarte, espécie-bandeira migratória, que frequenta o litoral baiano entre julho e novembro, período reprodutivo desta espécie. Este é um trabalho inédito no país e tem o objetivo de contribuir com a preservação marinha.

Esta pesquisa é realizada pela Bemfica Expedições e financiada pela Cetacean Society International, Bahia Marina e Belov Engenharia. Em Abrolhos, a equipe contou com o apoio da Marinha do Brasil e Instituto Baleia Jubarte (IBJ) base Caravelas.

Segundo os pesquisadores da Expedição, uma das principais características desta espécie é o canto realizado pelos machos com função de reprodução. Esses sons serão utilizados para fornecer estimativas de quantos “cantores” habitam a rota entre Salvador e Abrolhos e onde eles se concentram.

As gravações dos sons das baleias foram realizadas a cada três horas, por cinco a dez minutos. Neste percurso, foram avistados 23 grupos de baleias jubarte, totalizando 54 indivíduos e 43 pontos de gravação. Em todos os pontos de gravação foram detectados o canto da jubarte, confirmando que toda a região é intensamente frequentada como área reprodutiva.

A Expedição totalizou 750 milhas náuticas navegadas em 130 horas, sendo 100 horas apenas à vela. Esta foi uma preocupação sustentável em todas as esferas da pesquisa, tanto para o consumo de combustível – apenas 100 litros de diesel foram consumidos durante todo o percurso, quanto para o consumo de água e produção de energia.

Esta pesquisa está sendo coordenada pelo professor doutor Marcos Rossi-Santos, do Laboratório de Ecologia Acústica e Comportamento Animal, da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB), que também atua junto ao Programa de Pós Graduação em Ecologia e Biomonitoramento da Universidade Federal da Bahia (UFBA).

A estudante de mestrado do programa e aluna do veleiro escola Fraternidade, de Aleixo Belov, Tais Bemfica, compõe a tripulação, juntamente com o capitão e biólogo, Daniel Lewis, a estudante de graduação em biologia Clara Resende e a marinheira Sophie Bemfica Lewis, de apenas dois anos de idade.

Para a diretora da Bahia Marina, Leilane Loureiro, oferecer apoio para a pesquisa acadêmica é essencial para o progresso. “E se tratando de um estudo inédito, com dados únicos, as informações se transformam em uma ferramenta de conservação e de monitoramento marinho”, destaca.

Foto: Divulgação

Assine a revista NÁUTICA: www.shoppingnautica.com.br

Náutica Responde

Faça uma pergunta para a Náutica

    Relacionadas

    Catamarã elétrico de startup vence concurso e fará parte da autoridade marítima de Singapura

    Embarcação participa do projeto singapurense que pretende acabar com emissões portuárias até 2050

    Casas flutuantes em alta: conheça as mais luxuosas do mundo

    Inspire-se com cinco modelos das moradias sobre as águas que estão fazendo a cabeça dos milionários

    Com dois barcos de 19 pés, Ross Mariner mostra lançamento no Rio Boat Show 2024

    Boas opções de entrada, embarcações estarão no salão, de 28 de abril a 5 de maio, na Marina da Glória

    NÁUTICA Talks recebe Marina Bidoia, mais jovem velejadora a concluir a Refeno

    Velejadora realizou o trajeto Recife-Fernando de Noronha aos 24 anos, e vai levar experiência ao Rio Boat Show 2024

    Posto flutuante da rede Golfinho estará no Rio Boat Show 2024

    Loja de conveniência batizada de WayPoint também será apresentada de 28 de abril a 5 de maio, na Marina da Glória