Bruno Fontes anuncia, no Rio Boat Show, que estará nas Olimpíadas de Paris

Em entrevista no salão náutico, velejador patrocinado pela Schaefer Yachts ainda falou sobre sua trajetória de 35 anos no esporte; confira

Por: Redação -
05/05/2024
Foto: Erik Barros Pinto/ Revista Náutica

A vela é o esporte olímpico que mais trouxe medalhas para o Brasil, com 19 pódios — sendo oito medalhas de ouro. Um dos principais nomes da modalidade no país, Bruno Fontes — atleta patrocinado pela Schaefer Yachts — foi anunciado recentemente como integrante da seleção brasileira, e vai representar o Brasil nos Jogos Olímpicos de Paris deste ano.

Em visita no estande da Schaefer — que anunciou o patrocínio ao atleta em agosto de 2023 — na tarde do último sábado (4), no Rio Boat Show 2024, Bruno Fontes falou um pouco sobre sua trajetória de 35 anos dedicados ao esporte, expectativas para as Olímpiadas e até uma “gafe” olímpica. Confira, a seguir, o papo com o velejador.

Foto: Erik Barros Pinto/ Revista Náutica

Entrevista com Bruno Fontes

São 35 anos dedicados à vela e muitos títulos. Você pode, por favor, nos contar as principais conquistas?

Bruno: Sou velejador olímpico e tive o prazer de participar de muitas competições durante esse período, conquistei medalha de prata nos Jogos Pan-Americanos em 2019, em Lima, e conquistei ao todo quatro títulos da competição. Além de outros sete títulos nacionais.

Foto: Erik Barros Pinto/ Revista Náutica

Representei o Brasil nas Olimpíadas de Pequim e Londres e também tive uma carreira como treinador na China. Agora, mais uma vez, estou classificado para representar o meu país nas Olimpíadas de Paris este ano. Minha vida sempre foi marcada por ciclos olímpicos e eu já conquistei quase tudo.

Quais são as suas expectativas para os jogos deste ano?

Bruno: A expectativa é enorme. Eu sou um cara bastante experiente na plenitude dos meus 44 anos. Eu estou muito motivado e tenho a parte física como ponto forte na carreira, por isso, essa longevidade. Sei que não sou o favorito, mas sou um dos favoritos, então sonho com a única medalha que falta na minha carreira, a medalha olímpica.

Foto: Erik Barros Pinto/ Revista Náutica

Já conquistei diversos títulos internacionais e mundiais, então sonhar com essa medalha em Paris seria um encerramento de um ciclo, de uma carreira vitoriosa.

Quais são  os desafios de um velejador no Brasil?

Bruno: Acredito que o maior desafio para todo atleta do país é o mesmo que para todo cidadão brasileiro. Nosso maior desafio é vencer na vida. Mas em relação ao velejador, posso dizer com propriedade que ele precisa entender a necessidade de empreender em sua carreira.

Foto: Erik Barros Pinto/ Revista Náutica

Não basta apenas praticar um esporte tão complexo quanto a velejada, onde é necessário entender sobre meteorologia, preparação física e desenvolvimento de material. Tem que entender também que o atleta precisa de apoiadores que acreditam no seu trabalho e no seu projeto.  É difícil, mas é possível. Sou uma prova disso, tenho uma carreira longa graças ao apoio de grandes empresas, como a Schaefer Yachts.

Durante sua trajetória, você com certeza colecionou momentos engraçados e marcantes. Como estamos em período olímpico, conta para nós uma história que foi inesquecível.

Bruno: Ah, essa é realmente engraçada. Na minha primeira Olimpíada, em Pequim (2008), eu queria tirar fotos com grandes atletas da competição. Estávamos eu e o Robert Scheidt e queríamos tirar uma foto com o Roger Federer, mas não conseguimos chegar nele para pedir.

 

Encontramos o Rafael Nadal e conseguimos parar para tirar algumas fotos, mas eu não reparei que a minha câmera estava em vídeo. Na hora, eu abracei o Nadal e ficamos uns três segundos olhando para câmera quando notei que estava filmando. E foi aí que eu disse:  “Está em vídeo, desculpa, Federer”.

Foto: Erik Barros Pinto/ Revista Náutica

Eu chamei o Nadal de Federer, porque eu estava com esse nome na cabeça. Ele era muito rabugento no começo da carreira e me olhou com uma cara espantada e eu só consegui pegar meu telefone, agradecer e sair. (risos)

Pode nos contar como é a parceria com a Schaefer Yachts e há quanto tempo ela existe?

Bruno: É engraçado comentar sobre isso, porque o Márcio Schaefer foi um dos primeiros mentores na minha carreira. Velejei quando era criança com ele, em um dos primeiros projetos que ele fez de veleiro. Eu voltei a competir logo depois desse meu período como treinador e foi aí que entrei em contato com o Márcio, ele se prontificou para me apoiar com a Schaefer Yachts.

 

Nossa parceria já existe há pouco mais de um ano e eu estou muito contente em tê-lo comigo,  uma vez que nossa história começou lá atrás. A Schaefer cresceu, fez a sua história e eu fiz a minha. E agora aqui estamos celebrando esse momento com a Olimpíada de Paris 2024.


O que você achou do Rio Boat Show?

Bruno: Esse é um evento único. Para quem é do meio náutico, não só pelos veleiros, mas também pelos iates e todos os outros modelos, é muito importante ver esse crescimento do segmento. A nossa costa é imensa, cheia de oportunidades, e um evento como esse fomenta o nosso setor náutico.

 

Além de ver todos os estandes que se destacam com uma grande diversidade de produtos e é impossível não falar da beleza que é estar aos pés do Cristo Redentor e do Pão de Açúcar.

Para encerrarmos, que conselho você daria para quem está começando no mundo da vela?

Bruno: O esporte ensina na construção de valores, desde derrotas, vitórias, respeito ao próximo, crescimento, frustrações entre tantas outras coisas. E a vela, ensina ainda a lidar com a natureza e o inesperado. A importância de se respeitar a natureza, ler o vento, as nuvens e a corrente. Então é um aprendizado para a formação de caráter das crianças e jovens, sendo também um meio sadio de vida.

Rio Boat Show 2024

O evento náutico mais charmoso do Brasil já está acontecendo nas águas da Baía de Guanabara, na Marina da Glória, recheado do que de melhor esse lifestyle pode oferecer. No Rio Boat Show 2024, o público confere os principais lançamentos e destaques do mercado, com barcos na água e test-drive de embarcações.

Foto: Victor Santos/Revista Náutica

O repertório é grande: lanchas, veleiros, iates, jets, motores, equipamentos, acessórios, decoração e serviços náuticos estão reunidos em um só lugar, ao lado de especialistas do setor, preparados para auxiliar todos os visitantes. Além disso, o Rio Boat Show exibe destinos náuticos, artigos de luxo e quadriciclos.

Com cerca de 70 embarcações sobre as águas da Baía de Guanabara, a expectativa é que o evento náutico reúna 30 mil visitantes entre os dias 28 de abril e 5 de maio.

Anote aí!

RIO BOAT SHOW 2024
Quando: De 28 de abril a 5 de maio;
Horário: De segunda à sexta-feira, das 15h às 22h | sábado e domingo, das 13h às 22h;
Onde: Marina da Glória (Av. Infante Dom Henrique, S/N, Glória);

Ingressos: site oficial de vendas
Mais informações: rioboatshow.com.br.

 

Náutica Responde

Faça uma pergunta para a Náutica

    Tags

    Relacionadas

    EUA enviam ao Rio de Janeiro porta-aviões gigante de 333 metros; entenda

    USS George Washington atracou no Brasil como parte da operação Southern Seas, que visa incentivar a cooperação entre os países

    Em fase final de testes, Aquabus de Ilhabela transportaram 1,5 mil pessoas no fim de semana

    Novo sistema de transporte aquaviário contará com três catamarãs e capacidade para 60 pessoas em cada viagem; data de inauguração ainda não foi divulgada

    Italiana Rossinavi lança catamarã híbrido-elétrico de 43 metros

    Modelo nasce como “projeto mais inovador” do estaleiro, com tecnologias sustentáveis e até uso de Inteligência Artificial

    Schaefer Yachts anuncia barco que não afunda, ideal para resgates em alto-mar

    Com o nome de Interceptor 48 Pilot, novidade é fruto de parceria com a empresa irlandesa Safehaven Marine

    Criatura de 18 metros está impactando a cadeia alimentar da vida marinha; entenda

    Gelatinoso e transparente, os "picles do mares" causam perturbações no ecossistema durante as ondas de calor oceânicas e preocupam cientistas