Um mergulho na fotografia: veja quais foram as vencedoras do concurso de fotos subaquáticas

Por: Redação -
17/02/2021

Não é novidade que a pandemia afetou ao mundo inteiro, principalmente em relação às viagens. E se fotografar embaixo d’água já não é uma tarefa fácil, depois das limitações impostas pelo Covid-19, os adeptos à essa atividade precisaram usar a criatividade para encarar os desafios. No entanto, a paixão pela arte falou mais alto, e o concurso de fotografias subaquáticas — o Underwater Photographer of the Year 2021 —, que acontece no Reino Unido, seguiu intacto. Nesse ano, em específico, teve somente uma diferença: a criação da categoria “My Backyard” (Meu Quintal).

Inscreva-se no canal de NÁUTICA no YouTube e ATIVE as notificações

O Underwater Photographer of the Year 2021 (UPY) não distribuiu prêmios em dinheiro aos participantes. Ainda assim, fotógrafos do mundo inteiro participaram do concurso pela oportunidade de reconhecimento dos seus trabalhos. Para que o evento pudesse se manter de forma justa, os idealizadores criaram a nova categoria, My Backyard, pensando justamente na imparcialidade da execução. Assim, aqueles que seguiram às orientações de prevenção de Covid-19 e realmente não saíram de casa, também puderam participar, sem nenhuma desvantagem.

O UPY acontece desde 2014 e foi criado pelos fotógrafos Alex Mustard, Dan Bolt e Peter Rowlands. Na edição do ano de 2019, o concurso teve recorde de participação: 5 500 trabalhos, de 500 fotógrafos subaquáticos de todo o mundo. Na edição de 2020, por conta do corona vírus, o número de inscrições diminuiu. Felizmente, não é o caso das verdadeiras obras-primas enviadas à disputa, que não deixaram a desejar. Confira.

Leia também

» Estaleiro polonês firma parceria com ex-campeão de F1 para lançar iates sustentáveis e promover corridas 

» Submarino japonês colide com navio comercial ao emergir no Oceano Pacífico

» Venice Boat Show confirma data para maio de 2021, em parceria com a e-Regatta

Imagem Vencedora 

A grande vencedora (e primeira mulher a vencer esse prêmio) foi a estadunidense Renee Capozzola. Na categoria Grande Angular, a imagem Sharks’s Skylight foi registrada na Polinésia Francesa, em agosto, através de uma Canon, 5D Mark III, Nauticam, Canon 11-24 mm f/4, iso 400, f20, 1/200, Dual Sea & Sea YS-D2’s.

“Esta imagem foi tirada na Polinésia Francesa, que por acaso é um dos meus lugares favoritos para fotografar tubarões. Aqui, existem fortes proteções para tubarões, permitindo-lhes prosperar e ajudar a equilibrar o ecossistema marinho. Durante esta visita a Moorea, Polinésia Francesa, eu passei várias noites no raso ao pôr do sol, na esperança de capturar algo único. Ao invés de focar em imagens de nível dividido, como sempre gosto de fazer, decidi tentar algo diferente. Eu tinha como objetivo capturar os tubarões debaixo d’água com o pôr do sol visto pela janela de Snell. Precisei de muitas tentativas, mas nesta noite em particular, a água estava calma, o pôr do sol estava vibrante e eu tive muita sorte com a composição também. Muitas espécies de tubarões estão ameaçadas de extinção em todo o mundo, a minha esperança é que as imagens desses belos animais ajudarão a promover sua conservação. Moorea, Polinésia Francesa.”

Categoria Up & Coming 

A fotógrafa por trás da imagem vencedora da categoria Up & Coming é SJ Alice Bennett, do México. A foto foi batizada com o nome “Amarrando”. O cenário é um Cenote Mayan Blue, Sistema Ox Bel Ha, Tulum, México (MBY). A câmera é uma Sony, a7S II, Nauticam NA-A7II, Sony FE 24-70mm, f/2.8 GM, iso 2500, f/2.8, 1/125, Big Blue Video Luzes, 30k, 2 x 15k, 2 x 4k lúmen.

“Como esta foto foi tirada durante o treinamento em caverna, tínhamos um plano bastante complexo em vigor, que não é geralmente como eu executo ensaios em cavernas. O plano falhou miseravelmente, e o estudante, Max, teve várias falhas de equipamento antes mesmo de passar pela zona da caverna. Essas são situações em que você precisa se adaptar rapidamente, e depois de consertar todos os problemas na superfície, repensamos em toda uma estratégia de acordo com o nosso (agora bastante esgotado) suprimentos de gás. Ainda assim, descemos novamente. Eu nadei na frente e Max esperou um pouco além do início do linha principal. Eu assistia a equipe nadar em minha direção, seguido de perto pela iluminação, e os assistentes iam criando esses belos efeitos de halo. De repente, tudo ficou perfeitamente alinhado, e eu
apertei o obturador assim que Max virou para amarrar a linha principal.”

Categoria British Waters Wide Angle — My Backyard (Meu Quintal)

“Enquanto você dorme” é a fotografia registrada por Mark Kirkland, do Reino Unido, e foi a vencedora desta categoria. O local da imagem é Malls Mire, Glasgow, Escócia. O equipamento por trás desta obra de arte é uma câmera Olympus, OMD Em5 MKii, Olympus PT-EP13, Panasonic 8mm Fisheye, iso 1000, f16, 20s, 2x Mar e mar YS-110a.

“Malls Mire é uma pequena floresta em Glasgow, entre um conjunto habitacional, supermercado e fábrica: um refúgio improvável para a vida selvagem. Como degelo de inverno, por algumas noites a cada ano, uma de suas pequenas lagoas lamacentas ganha vida com rãs comuns. Eu as fotografei pela primeira vez em 2018, e, desde aquele dia, eu tive esta imagem na minha cabeça. Levei mais dois anos para capturar as pequenas maravilhas que se movem as noites frias enquanto a cidade dorme. Usando um obturador remoto temperamental ao combinar
longa exposição, luz de fundo, foco amplo amplo ângulo e fotografia dividida, eu tive que abandonar quaisquer frustrações para acertar somente na centésima tentativa. Esta é a foto final após 25 horas em 4 noites deitado na escuridão, coberto de lama, esperando elementos imprevisíveis da natureza para alinhar. Tempo bem gasto? Absolutamente.”

Categoria Conservação Marinha

A responsável por esse take é Karim Iliya, a segunda estadunidense da lista. “Vista aérea de uma ilha movimentada em Guna Yala” venceu no quesito “Conservação Marinha” e precisou de um drone DJI Phantom 4 Pro, DJI Phantom 4 Pro, 20,7 mm, iso 100, f/2.8, 1/500. O local é Guna Yala, no Panamá.

“Uma vila habitada perto da costa do Panamá, na região de Guna Yala, serve como um lembrete de como os humanos estão consumindo terra e espaço em uma taxa rápida. A maioria das pessoas em Guna vive nessas ilhas densamente povoadas, sobrevivendo através da pesca e do cultivo de cocos nas ilhas próximas. A importância da relação humana com a natureza e a necessidade de protegê-la torna-se muito aparente quando você olha para nossa espécie de uma perspectiva aérea, e vê quanto espaço ocupamos. Eu vim para a região do Panamá para fotografar a arte da fabricação da roupa tradicional utilizada pelas pessoas de Guna. Enquanto esperava em um barco, eu voei com meu drone sobre esta ilha para obter uma perspectiva maior e dar mais impacto à imagem
do que eu poderia ao nível do mar ou debaixo d’água.”

Categoria Macro

A imagem vencedora na categoria Macro foi a “Pontohi pigmy seahorse”, registrada por Galice Hoarau, da Noruega. Foi tirada em Siladen, Indonésia, através de uma câmera Olympus, E-M1 II, Nauticam, macro 60 mm, iso 200, f22, 1/160, mini-flash retroespalhado + snoot.

“O cavalo-marinho pigmeu Pontohi é um dos menores e mais recentemente cavalos-marinhos descobertos. Eles geralmente vivem em recifes e são difíceis de encontrar. Encontramos dois durante o mergulho da manhã, então decidi dedicar a tarde para tirar uma foto com luz de fundo. Tivemos sorte de encontrar este enforcamento individual em particular para fora da parede, permitindo o uso de um snoot para iluminá-lo com a ajuda de Rando, meu guia de mergulho. Depois de configurar a câmera e o estroboscópio, tivemos que esperar ele se acostumar com a gente e, finalmente, voltar para a câmera por um breve momento.”

Categoria Wrecks (Naufrágios)

A vencedora da categoria Naufrágio é a Bowlander, do alemão Tobias Friedrich, durante a viagem à Nassau, nas ilhas Bahamas. Foi registrada através de uma câmera Canon, EOS 1DX Mark II, SEACAM Silver, Canon Fisheye 8-15 mm, iso 200, 7.1, 1/160, SEACAM Seaflash 150D.

 “Devido ao mau tempo em Tiger Beach e em Bimini, tivemos que procurar abrigo perto de Nassau, nas Bahamas, e fazer alguns mergulhos regularmente. Este naufrágio era totalmente novo para mim e foi uma grande surpresa quando vimos como a proa está pairando quase completamente sobre a areia.”

Categoria Behaviour (Comportamento)

Essa é a segunda foto de Karim Iliya, dos Estados Unidos, a aparecer na lista. “Um marlin listrado caçando em alta velocidade no México” venceu a categoria Behaviour (ou, em português, Comportamento). O espetáculo aconteceu em San Carlos, Baja Califórnia, no México. O equipamento responsável pelo registro foi uma Canon, 1D X Mark II, Nauticam, 16-35 mm f2.8L, iso 1250, f/5, 1/800.

“Esta é uma cena assustadora para os pequenos peixes, fugindo da caça do marlin listrado. O menor erro significa vida ou morte. Eles enfrentam tanto a caça dos pássaros acima do mar quanto uma dúzia de outros marlins atacando de todos os lados. Marlin é um dos peixes mais rápidos do mar, um predador terrível para um pequeno peixe no grande deserto azul. Eu fui para o México para documentar esse frenesi de alimentação mas não esperava uma caçada tão rápida, quase demais para meu cérebro processar. Em um breve momento, esta cena se desenrolou diante de mim e tive que confiar em todos os meus instintos e prática subaquático para tirar esta foto. Eu usei o modo natural leve e permaneci na periferia da bola de isca, de modo a tentar minimizar a perturbação. Assistir à caça de animais selvagens é um dos maiores espetáculos na natureza.”

Categoria Portraits (Retratos)

O japonês Ryohei Ito foi o responsável pela foto vencedora na categoria Portraits (Retratos). Ela recebeu o nome de “Guardião das sete chaves” e precisou de uma Canon, 5D Mark4, SEA & SEA MDX-5D MARK 4, EF8-15mm F4L fisheye USM, iso 200, f22, 1/200, retra flash pro x2 para ser retratada com tanta precisão. O flash aconteceu em Tateyama, Prefeitura de Chiba, Japão.

“Conforme o bodião asiático envelhece, ele muda o sexo de feminino para masculino e ao mesmo tempo, desenvolve um grande caroço em sua cabeça. Eu pensei  na iluminação e na composição para que tanto a imagem da saliência quanto o rosto poderoso pudessem ser transmitidos. Ele mora em um santuário debaixo d’água e se parece com uma divindade guardiã. Eu gostaria de agradecer ao meu professor, Keigo Kawamura, por me ensinar como tirar fotos subaquáticas, e a Hiroyuki Arakawa, que me guiou.”

Categoria Black & White (Preto e Branco)

Diana Fernie, da Austrália, recebeu inúmeros elogios por essa fotografia. E, não à toa, “The Cut” foi a vencedora dessa categoria. O local registrado é Leru Cut, nas Ilhas Salomão e foi tirada com uma Nikon, D850, Isotta D850, Nikkor 8-15 mm, iso
1250, f/4.5, 1/125, Inon Z330 X 2.

 

“Eu tive a sorte de ganhar uma viagem de 10 dias para Leru Cut, e estava muito animada pela oportunidade de visitar este lugar novamente. Eu já havia mergulhado nessas águas em duas ocasiões, então já sabia o que esperar. No entanto, eu precisava de um modelo elegante como um elemento essencial para esta composição e meus companheiros imediatos não poderiam ser classificados como elegantes… Felizmente, havia outro fotógrafo no meu grupo, cuja esposa costumava posar e se tornou a modelo perfeita. Um pouco atrevidamente eu conseguiu capturar algumas fotos dela enquanto posava para o marido.”

Categoria Compacts

Diretamente de Nova Caledônia, um território francês, Jack Berthomier foi o fotógrafo que ganhou a categoria Compacts. “Doule perto da superfície” foi retratada no Rio Ouenghi, com uma Sony, RX100, ISOTA, grande angular INON UW-H100, iso 200, 5.6, 1/800 e flash interno.

“Eu costumava pescar no rio para tirar algumas fotos, sempre alguns dias depois de grandes chuvas, para aproveitar o leito mais alto do rio. Essa altura provoca grandes inundações, e, consequentemente, uma corrente forte, mas ainda praticável para mergulho livre com plantas, folhas e galhos. Elas trazem muitas cores que mostram esta simples carpa da Nova Caledônia (Kuhlia Rupestris), que são comuns em nossos rios.”

Categoria British Waters Macro

Tirada por Malcolm Nimmo, do Reino Unido, “Retrato de um blenny variável” foi a vencedora desta categoria. Foi tirada em Plymouth Sound, no Reino Unido, com uma câmera Nikon, D7200, Nauticam, Nikon 60mm, iso 200, f/13, 1/80, estroboscópio Inon 240 com flip snoot pro.

“A variável blenny (Parablennius pilicornis) é uma chegada relativamente nova à costa do Reino Unido, com suas origens mais ao sul. A espécie foi encontrada em todo o Mar Mediterrâneo e pode aparecer em uma série de formas e cores diferentes. Este blenny em particular foi destacando-se orgulhosamente em uma borda de recife. A imagem foi capturada usando iluminação snooted para enfatizar apenas o rosto do blenny, com a luz snooted sendo posicionado acima da cabeça, realçando o características faciais.”

Categoria British Waters Living Together

Representando a última categoria, financiada pela família real no Reino Unido, a imagem vencedora é a “SS Hispania”, de Kirsty Andrews, também do Reino Unido. O local da foto é o Sound of Mull, na Escócia, Reino Unido. O equipamento utilizado foi uma câmera Nikon, D500, Nauticam NA D500, Tokina 10-17mm, iso 800, f11, 1/80, Sea & Sea YS-110a x 2.

“O Reino Unido, na minha opinião, tem alguns dos melhores cenários de mergulho em naufrágios no mundo, e o SS Hispania, no Sound of Mull, é um dos meus favoritos. Este naufrágio realmente se tornou um recife artificial: ele atrai a vida selvagem assim como os destroços e a vida selvagem atraem os mergulhadores. Cada centímetro de metal é coberto por anêmonas, algas marinhas ou esponjas, laranja e brancas. Meu amigo investigava a superestrutura acima de uma fileira de vigias e eu recuei, fotografando tão longe quanto eu pude, para dar uma sensação de escala dentro esta cena colorida.”

Essas são apenas as fotos vencedoras de cada categoria. Ainda existe uma variedade de repartições em que cada foto se adequa melhor aos requisitos. É possível conferir todas as fotos vencedoras ao baixar o arquivo em PDF do anuário, no site do Underwater Photographer of the Year 2021, clicando aqui.

Por Naíza Ximenes, sob supervisão da jornalista Maristella Pereira

Gostou desse artigo? Clique aqui para receber o nosso serviço de envio de notícias por WhatsApp e leia mais conteúdos.

Náutica Responde

Faça uma pergunta para a Náutica

    Relacionadas

    Primeiro catamarã a hidrogênio dos EUA está pronto para servir como balsa

    Guarda Costeira norte-americana autorizou o início do serviço, que transportará até 75 pedestres por vez pela Baía de São Francisco

    Governo do Rio de Janeiro reduz imposto para fabricantes de embarcações

    Vitória para o setor, incentivo fiscal para o setor náutico reduz de 27% para 7% a alíquota do ICMS para venda de barcos

    Teste Real 40 Cabriolet: lancha se destaca pelo conforto no cockpit, cabine e posto de comando

    Testada nas águas de Ilhabela, no litoral norte de São Paulo, modelo ainda chama atenção pela pilotagem a céu aberto

    Cruzeiro nudista pelo Caribe é aposta de empresa dos Estados Unidos; conheça

    Com previsão de lançamento em 2025, viagem sem roupa pelos mares custa a partir de R$ 10 mil, mas tem regras rígidas de convivência

    Robert Scheidt será o embaixador da 51ª Semana Internacional de Vela de Ilhabela

    Maior medalhista da história olímpica do Brasil estará no evento patrocinado pela Mitsubishi de 20 a 27 de julho