Neto de Jacques Cousteau está construindo o maior centro de pesquisas subaquáticas do mundo

O objetivo é disseminar conhecimento para beneficiar o futuro do planeta

Por: Redação -
21/12/2022

Para Fabien Cousteau, neto de Jacques-Yves Cousteau, a água tem sido um meio de vida. Como aquanauta e conservacionista do oceano, ele seguiu os passos do avô a fim de desvendar os mistérios da vida subaquática. Agora, ele está focado em um novo objetivo: criar o maior laboratório de pesquisa subaquática do mundo.

Batizado em homenagem ao deus marinho mitológico, Proteus foi concebido como a versão subaquática da Estação Espacial Internacional. Será uma plataforma habitável de 370 metros quadrados, capaz de acomodar até 12 pessoas, para pesquisa científica e oceânica.

 

Com base no legado das bases subaquáticas em que Jacques Cousteau foi pioneiro na década de 1960, Proteus dá um passo à frente. Equipado com laboratórios de última geração, permitirá que os pesquisadores processem suas amostras em tempo real.

 

 

Proteus não só fornecerá acesso sem precedentes ao oceano para os aquanautas e cientistas a bordo, mas também para o mundo – Fabien Cousteau

“Haverá um laboratório de produção de última geração no local, que permitirá a transmissão ao vivo das palestras, conexão às redes sociais e a realização de entrevistas com a imprensa. Ter esse tipo de acesso ao oceano é necessário para que quaisquer mudanças sejam feitas — já que, como disse meu avô, ‘As pessoas protegem o que amam, amam o que entendem e entendem o que lhes é ensinado’. Sem o conhecimento do oceano sendo explorado e compartilhado, como podemos começar a criar qualquer mudança significativa?”

Ligado ao fundo do oceano por pernas projetadas para se adaptar ao terreno variável, o projeto é assinado por Yves Béhar, do Fuse Project, que apresentou soluções para os desafios enfrentados por Fabien quando passou um mês a bordo do Aquarius, em 2014.

 

Uma série de cápsulas modulares são fixadas ao corpo principal e acomodam uma variedade de usos, como laboratórios, dormitórios, banheiros, compartimentos médicos e sistemas de armazenamento.

 

A cápsula maior contém um local para a ancoragem de submersíveis. Essas cápsulas podem ser anexadas ou desconectadas para se adaptar às necessidades específicas dos usuários ao longo do tempo.

 

 

O projeto de Yves Béhar não inclui apenas a adição de laboratórios no local, mas um layout que maximiza a qualidade de vida debaixo d’água. Os dois andares do Proteus são conectados por uma rampa em espiral para estimular a atividade física e o movimento dos habitantes.

 

O espaço social central é cercado por cápsulas que abrigam salas de estar, laboratórios, instalações médicas, área para refeições, cozinha e banheiros, projetados para serem acolhedores e confortáveis.

 

A base de pesquisa também terá a primeira estufa subaquática para que os residentes possam cultivar alimentos vegetais frescos, para resolver o desafio de não poder cozinhar.

 


Além disso, o Proteus incluirá uma instalação de produção de vídeo, capaz de transmitir a partir do oceano, em resolução de 16K. Fabien espera que seja uma versão moderna dos especiais de TV dos quais seu avô foi pioneiro e que inspirou gerações de exploradores marinhos a partirem para a pesquisa de campo.

 

Vigias e claraboias ajudam a trazer o máximo de luz natural possível, enquanto as luzes de espectro total garantirão que os cientistas recebam a quantidade mínima de exposição aos raios ultravioleta necessária a cada dia.

 

A criação do Proteus foi inspirada pela Mission-31, uma experiência realizada em 2014, onde Fabien Cousteau viveu 31 dias a bordo do habitat submarino Aquarius, acompanhado por uma equipe de 5 aquanautas.

O habitat foi desenvolvido pela Administração Nacional Oceânica e Atmosférica dos Estados Unidos (NOAA) em 1986 e, em 2013, a Universidade Internacional da Florida assumiu o seu comando.

 

Um dos empolgantes benefícios do Proteus é que ele permitirá um estudo mais extenso da vida no fundo do mar. “Viver debaixo d’água dá a dádiva do tempo e a incrível perspectiva de ser um residente no recife. Você não é mais apenas um visitante”, diz Sylvia Earle, bióloga marinha, exploradora e Embaixadora do Oceano do Fabien Cousteau Ocean Learning Center.

 

Os dados capturados pelo Proteus podem ampliar a compreensão dos cientistas sobre a salinidade, acidez, variações de temperatura e poluição e, assim, elaborar previsões mais assertivas de tempestades e fornecer uma imagem mais completa do aquecimento dos oceanos. Além disso, amostras de algas, corais e peixes podem levar empresas farmacêuticas a encontrar novas curas para doenças humanas.

 


 

A equipe do Fabien Cousteau Ocean Learning Center espera ter o projeto pronto em três anos. Por meio dele, Fabien espera aumentar a conscientização sobre a necessidade de avançar na pesquisa oceânica. “Embora Proteus possa parecer uma ideia maluca, todos os envolvidos na concretização do projeto são apaixonados, conhecedores e ousados”, afirma Cousteau.

 

“O entusiasmo com esse desafio contagia ainda mais pessoas — e ilustra como a exploração subaquática é tão inspiradora quanto a exploração espacial. E se não for tão importante, é mais importante. Embora eu seja um grande defensor da exploração espacial — e um dia espero explorar as águas de Marte –, por que ir a centenas de milhares de quilômetros de distância quando você pode mergulhar debaixo d’água em nosso próprio planeta Terra?”

 

A ideia é que o habitat de pesquisa subaquática fique localizado na costa de Curaçao, no Caribe, a 18 metros de profundidade, como plataforma para a colaboração global entre os principais pesquisadores, acadêmicos, agências governamentais e corporações do mundo para promover o avanço da ciência, a fim de beneficiar o futuro do planeta.

 

Além do Proteus, Fabien Cousteau ambiciona construir mais um habitat, o Triton, a mais de 182 metros de profundidade. E tem planos de usar robôs submarinos autônomos para explorar o oceano a uma profundidade de mais de 609 metros.

 

Náutica Responde

Faça uma pergunta para a Náutica

    Relacionadas

    Saiba como seu barco pode ajudar moradores do Rio Grande do Sul

    Grupo Náutica uniu forças com a CUFA para apoiar o estado atingido por enchentes; instituição busca pequenos barcos para o transporte de doações

    Sem deixar feridos, incêndio na Croácia atinge mais de 20 barcos

    Incidente ocorreu em marina na cidade de Medulin, no noroeste do país, no último dia 15

    Nova lancha da Azimut promete reduzir em até 40% as emissões de CO₂

    Batizada de Seadeck 6, embarcação foi apresentada em piscina no maior evento de design do mundo, na Itália

    EUA enviam ao Rio de Janeiro porta-aviões gigante de 333 metros; entenda

    USS George Washington atracou no Brasil como parte da operação Southern Seas, que visa incentivar a cooperação entre os países

    Em fase final de testes, Aquabus de Ilhabela transportaram 1,5 mil pessoas no fim de semana

    Novo sistema de transporte aquaviário contará com três catamarãs e capacidade para 60 pessoas em cada viagem; data de inauguração ainda não foi divulgada