Movido a velas que parecem asas de avião, navio atravessará o Atlântico com 7 mil carros a bordo

14/09/2020

Siga nosso TWITTER e veja a série Dicas Náuticas diariamente.

Programado para ir ao mar em 2025, um navio cargueiro movido apenas pela força do vento é a mais recente aposta da Suécia no combate às mudanças climáticas e ao aquecimento global. Batizada de Oceanbird, a embarcação terá um conjunto de cinco velas verticais de aço de 80 metros de altura cada — o dobro da altura dos mastros dos maiores veleiros convencionais existentes no mar. O mais característico é o formato dessas velas, que se parecem com as asas de um avião.

Quando içadas, essas “asas” alcançarão uma altura de 105 metros acima do nível do mar, dimensão suficiente para o gigante de 200 metros de comprimento cruzar todo um oceano movido a maior parte do tempo pelo vento, levando a bordo uma carga 7 mil automóveis. O motor diesel servirá apenas para operar nos portos e para apoiar a navegação quando o vento estiver muito fraco.

Será uma variante futurística dos velozes clippers, que dominaram os oceanos durante o século 19. O objetivo é revolucionar a tecnologia, acabando com a era dos navios de carga movidos a combustíveis fósseis.

Leia também

» Conheça o mini barco da Marinha dos EUA que possui o tamanho de um carro

» Tour virtual: como será o São Paulo Boat Show 2020?

» Porto do Recife será “casa” de novo laboratório flutuante nos próximos cinco anos

A organização marítima internacional IMO estabeleceu uma meta de reduzir as emissões de dióxido de carbono do transporte marítimo internacional em 40% até 2030. O Oceanbird contribuirá para mudar, atualizar e remodelar toda a indústria. “Reduziremos as emissões em 90%”, garante Urban Lishajko, chefe de design, construção e inovação do estaleiro Wallenius Marine, que está à frente do projeto. “Quando a primeira unidade fizer a viagem inaugural, será um momento histórico para o transporte marítimo”.

Por sua vez, Per Tunell, diretor de Operações da Wallenius Marine, afirma que a travessia do Atlântico Norte levará cerca de 12 dias, a uma velocidade de 10 nós, contra os atuais 8 nós feitos dos navios convencionais.

Gostou desse artigo? Clique aqui para receber o nosso serviço de envio de notícias por WhatsApp e leia mais conteúdos.

Náutica Responde

Faça uma pergunta para a Náutica

    Relacionadas

    Mestre em Mecânica, Ricardo Paragon ensina a evitar panes no mar no NÁUTICA Talks

    Empresário e técnico premiado compartilhará dicas importantes durante o Rio Boat Show 2024

    Marinha anuncia regras para barcos durante show da Madonna, no Rio

    Área delimitada para o evento só aceitará embarcações identificadas, vistoriadas previamente e que respeitem os limites de lotação

    Hélio Magalhães divide décadas de experiência como velejador no NÁUTICA Talks

    Com 45 anos de mar e mais de 200 milhas náuticas navegadas, palestrante compartilhará ensinamentos no Rio Boat Show 2024

    Na Holanda, live permite acionar "campainha de peixes" para liberar passagem de animais por eclusa

    Transmissão ao vivo mostra quando um peixe aguarda passagem; espectadores avisam operadores ao "tocar campainha"

    Renault apresenta veleiro desmontável, jet elétrico e prancha motorizada

    Marca francesa propõe novas soluções de mobilidade e mostrou inovações durante lançamento de carro elétrico