Projeto de conservação marinha visa combater as mudanças climáticas

Por: Redação -
09/06/2021

A Water Revolution Foundation, uma organização dedicada a acelerar a sustentabilidade na indústria de iates, lançou, nesta terça-feira (8), um projeto de conservação do oceano.

O objetivo do novo empreendimento é ajudar a criar importantes áreas de proteção à mamíferos marinhos (IMMAs), ou seja, espaços no mar onde as baleias e outros mamíferos marinhos possam prosperar.

A mudança é uma tentativa de proteger os ecossistemas marinhos e combater os efeitos negativos das mudanças climáticas.

Inscreva-se no canal de NÁUTICA no YouTube e ATIVE as notificações

O projeto começa por partes. De início, é importante entender que, ao contrário do que se imagina, as florestas não são as maiores filtradoras atmosféricas existentes. Os fitoplânctons são seres microscópicos, que vivem no mar, e absorvem tanto gás carbônico (assim como liberam oxigênio) quanto todas as florestas e pastagens combinadas.

fitoplancton
Fitoplânctons

fitoplancton

Os fitoplânctons são uma subdivisão dos plânctons, e representam organismos semelhantes a plantas, principalmente por serem autotróficos — ou seja, eles produzem o próprio alimento, através da fotossíntese. Por isso, eles são conhecidos por eliminarem mais de um quarto de todo o gás carbônico (CO2) criado no mundo.

E, para proteger os fitoplânctons, o caminho começa pelas baleias. Elas são responsáveis por misturar e fertilizar as águas, e, consequentemente, desenvolver habitats saudáveis ​​para os microrganismos. O resultado é um maior número de fitoplânctons, absorvendo maiores quantidades de carbono — uma solução baseada na natureza para um planeta mais saudável. Isso significa que, para proteger um, deve-se proteger o outro.

baleia

Leia também

» Baleia Jubarte emalhada em rede de pesca é resgatada com sucesso no litoral norte

» Cidade turca lidera número de praias com Bandeira Azul no mundo

» Marinha do Brasil alerta para ventos de mais de 80 km/h entre o Rio Grande do Sul e o Espírito Santo

Mas como funciona o programa? De início, os IMMAs são identificados com base em quatro critérios científicos principais: a vulnerabilidade de espécies ou população, distribuição e abundância, principais atividades do ciclo de vida e atributos especiais.

Assim, no esquema montado pela organização, o primeiro passo é identificar as áreas como IMMAs e, em seguida, incluí-las em um banco de dados pesquisável, acessível por governos e outros órgãos reguladores.

Depois de reconhecer a localização exata dessas áreas, a Water Revolution Foundation segue todo um cronograma de implementação da proteção dos locais, planejamento do espaço marinho e medidas de zoneamento para seguir com o projeto, além de fornecer diretrizes concretas para os navios sobre como se comportar ao navegar por IMMAs.

water revolution
Em português: “Treinamento de sustentabilidade para a indústria de superiates. “

A Water Revolution Foundation tem financiado alguns programas operacionais específicos para superiates, naturalmente, por conta dessas medidas. Para incentivar outras doações dessa indústria, a organização ainda estrutura uma doação coletiva.

O Diretor Executivo da instituição, Robert Van Tol, também explica: “A navegação tem tudo a ver com apreciar a beleza do oceano e a florescente vida marinha. Sendo o oceano um recurso natural tão crítico, é lógico cuidar dele e considerá-lo como uma das principais partes interessadas do nosso negócio e crucial para um negócio sustentável para o futuro. Portanto, a conservação dos oceanos em iates não é filantropia, é investimento — e com retorno real. O WRF quer ajudar a comunidade de iates a tomar decisões eficazes no apoio a projetos de conservação do oceano”.

Por Naíza Ximenes, sob supervisão da jornalista Maristella Pereira.

Não perca nada! Clique aqui para receber notícias do mundo náutico no seu WhatsApp.

Náutica Responde

Faça uma pergunta para a Náutica

    Relacionadas

    Especialista em pisos e tapetes náuticos, Kapazi estará na estreia do Brasília Boat Show

    Revestimentos e acessórios da Kapazi atracarão no Brasília Boat Show, no Lago Paranoá, de 14 a 18 de agosto. Confira!

    SIVI: vento fraco desafiou equipes na Regata Mitsubishi Eduardo Souza Ramos

    Os 100 barcos das classes ORC, BRA-RGS, Clássicos, RGS Cruiser e C-30 enfrentaram instabilidade do vento e da correnteza na última terça-feira (23)

    Referência em revestimentos náuticos, Agroquímica levará oito opções ao Brasília Boat Show

    Empresa apresentará diversidade de cores, texturas e aplicações com produtos da marca Kelson’s

    Mais de 3 mil anos atrás: conheça 5 dos naufrágios mais antigos da história

    Através das descobertas, pesquisadores conseguem decifrar hábitos, comércio e até tecnologias de época

    Veleiro feito de sucata leva restos de construção, madeira e até placas de rua

    Ainda no plano das ideias, catamarã terá casco forte para navegar pelo mundo e jardim que garantirá alimentos para os passageiros