Vapor do oceano pode virar água potável em larga escala, dizem cientistas

Projeto sustentável da Universidade de Illinois traz solução criativa para combater escassez de água

17/01/2023

Estudantes da Universidade de Illinois, nos Estados Unidos, publicaram recentemente um estudo para combater a escassez de água com uma solução criativa: transformar o vapor oceânico em água potável, com baixo impacto ambiental.

Cientistas fizeram a captura do ar saturado proveniente dos oceanos e que se perderia na atmosfera. Após passar por uma série de processos — entre eles: condensar, transportar e armazenar — foi possível fazer a dessalinização desse ar.

Temos de encontrar uma solução para termos mais água doce. Com os sistemas já existentes, não conseguiremos dar conta de responder as necessidades da sociedade – Praveen Kumar, professor da Universidade de Illinois

De acordo com a publicação, para a captura seria necessária a instalação, nos litorais, de superfícies verticais com 210 metros de largura por 100 metros de altura. Cada uma dessas estruturas seria capaz de extrair e “produzir” a quantidade de água potável necessária para abastecer cerca de 500 mil pessoas.

O professor Praveen Kumare a estudante Afeefa Rahman, autores do projeto. Foto: Fred Zwicky

As estruturas seriam movidas por placas solares construídas na parte terrestre ou por parques eólicos desenvolvidos em alto-mar.

Segundo estudos, as projeções climáticas mostram que, ao longo dos próximos anos, o vapor oceânico tende a aumentar. Dessa forma, mais água potável nós poderemos ter – Afeefa Rahman, coatura do estudo

O projeto sustentável pode ser uma ótima alternativa para garantir a segurança hídrica durante eventuais problemas com abastecimento de água, como poluição das águas e escassez de chuvas.

Os pesquisadores estimam que este sistema sustentável poderá fornecer cerca de 38 até 78 bilhões de litros de água por ano. Tanto Praveen quanto Afeefa acreditam que todo esse projeto será capaz de fornecer água fresca para as atuais e futuras gerações de forma economicamente viável.

 

Por Felipe Yamauchi, sob supervisão da jornalista Denise de Almeida

 

Náutica Responde

Faça uma pergunta para a Náutica

    Relacionadas

    Armatti Yachts vai exibir três lanchas no Marina Itajaí Boat Show 2024

    Modelos de 30, 37 e 42 pés marcarão presença no evento, que acontece de 4 a 7 de julho

    Por que a tocha olímpica não apaga debaixo d’água? Entenda

    Tradicional revezamento que antecede os Jogos contou com trecho submerso na França, a 20m de profundidade no Mediterrâneo

    Enorme submarino de guerra surge em Santos, no litoral de São Paulo

    Embarcação da Marinha, o Tikuna - S34 chamou a atenção ao atracar com tripulantes sobre o casco

    Quase 1.500 anos: cientistas identificam a planta marinha mais antiga do mundo

    Espécie de alga marinha surgiu no Mar Báltico no período das Invasões Bárbaras, de 375 d.C. a 700 d.C

    Copa Mitsubishi de Vela: 2ª etapa termina com premiação e domingo sem ventos

    Participantes disputaram regatas no sábado, mas premiação aconteceu no dia seguinte sem novas competições