Vela no Sul

Por: Redação -
08/09/2016

O 38º Campeonato Sul-brasileiro da classe Optimist teve encerramento nesta quarta-feira, 7, no Veleiros do Sul, em Porto Alegre. O ciclone extratropical que atingiu o estado não permitiu a realização de regatas nos dois últimos dias por excesso de vento, que chegou aos 42 nós de intensidade nas rajadas. Mas a série de cinco regatas disputadas no domingo e na segunda-feira, no Guaíba, validou a competição.

O título do Sul-brasileiro ficou com Lucas Stolf, do Veleiros do Sul, na classe Veteranos, e Luíza Moré, do Clube dos Jangadeiros, no feminino. Depois de competir no Europeu de Optimist, em julho na Itália, Lucas 14 anos, voltou à raia para o Sul-brasileiro. “O campeonato foi de nível alto e teve reforço dos velejadores argentinos e uruguaios. Como ganhei peso, o vento de intensidade mais forte na segunda-feira me favoreceu e consegui andar com mais velocidade”, disse Stolf.  Máximo Videla, do Yacht Clube Argentino, foi o vencedor geral, e Ricardo Coutinho, do Iate Clube da Bahia, o campeão nacional.

O timoneiro argentino não venceu nenhuma das cinco regatas realizadas, mas devido a excelente média de resultados vinha liderando a classificação. “Muita boa competição, mas uma lástima que não teve mais regatas”, comentou Videla, de 12 anos. Já o baiano Ricardo, destacou a participação das flotilhas de países vizinhos. “Acho legal a integração do Veleiros do Sul com os clubes da Argentina e Uruguai. Agradeço o VDS pela organização e excelente campeonato”.  A gaúcha Luiza Moré teve seu primeiro título em campeonato de maior porte. “O nível estava difícil porque havia muitos bons velejadores”.

Na classe Estreante Mário Carvalho, da Escola de Vela de Ilhabela (SP) ficou com o título Sul-brasileiro e Nacional e Clara M. Cardoso, do Iate Clube de Santa Catarina no feminino. Bicampeão paulista na OP Estreante, Mário, 13 anos, considerou “um campeonato muito disputado” e por ser de peso leve o vento fraco no primeiro dia estava dentro da sua condição. A catarinense Clara, 10 nos, foi campeão geral e Mirim na feminina e comemorou a vitória. “Foi um campeonato legal e consegui velejar muito bem”.

O Veleiros do Sul ganhou o seu quarto título consecutivo do Sul-brasileiro: Gabriel Lopes (2013), Tiago Quevedo (2014 e 2015) e Lucas Stolf (2016). O VDS também conquistou o melhor troféu de melhor flotilha e o Rio Grande do Sul (VDS e CDJ) o troféu de melhor estado. O Campeonato Sul-brasileiro da classe Optimist teve a participação de 139 velejadores – 82 veteranos e 57 Estreantes de cinco estados: RS, SC, PR, SP, RJ e BA, e da Argentina e Uruguai.

Foto: Divulgação

Assine a revista NÁUTICA: www.shoppingnautica.com.br

Náutica Responde

Faça uma pergunta para a Náutica

    Relacionadas

    Poluição sonora no mar pode ser catastrófica para as baleias

    Barulhos provenientes da navegação de barcos, extração de recursos e outras atividades marítimas afetam a circulação dos animais que se comunicação pelo som

    Confira a melhor forma de chegar ao Rio Boat Show 2024

    Evento náutico mais charmoso da América Latina contará com transfer todos os dias e estacionamento 24h; saiba mais

    NÁUTICA Talks: Izabel Pimentel e Marcelo Osanai contam acontecimentos inesperados na navegação

    Dois navegadores que já passaram por apuros em alto-mar relatam suas incríveis histórias no Rio Boat Show 2024

    Yamaha vai ao Rio Boat Show 2024 com cinco motores e dois jets

    Entre os equipamentos, estão cinco modelos de popa; evento acontece de 28 de abril a 5 de maio

    Memória Náutica: relembre como foi o Rio Boat Show 2019

    Evento chegou a sua última edição antes da pandemia consolidado como o mais importante salão náutico outdoor da América Latina