Vitória em Auckland

Por: Redação -
28/02/2015

O Mapfre conquistou de maneira emocionante a quarta etapa da Volvo Ocean Race, disputada entre a China e a Nova Zelândia. Na manhã deste sábado (28), o barco espanhol cruzou a linha de chegada em primeiro após quase 21 dias de navegação. A diferença para o segundo colocado, o Abu Dhabi, e para o terceiro, o Dongfeng, foi de apenas oito minutos, numa perna de 5 264 milhas náuticas ou 9 748 quilômetros.

O resultado marca a evolução da equipe do brasileiro André ‘Bochecha’ Fonseca na Volta ao Mundo, depois de amargar a última posição na primeira perna e dois quarto lugares nas seguintes.

“Foi fabuloso chegar a Auckland, uma das capitais mundiais da vela. Foi tudo perfeito. Um dia especial. Esperamos agora fazer igual no Brasil, na próxima etapa até Itajaí”, disse André ‘Bochecha’ Fonseca. No próximo dia 15 de marco, a flotilha parte da Oceania para Itajaí num percurso de 5 010 milhas ou 9 278 quilômetros. A etapa passará pelo Cabo Horn.

A quarta etapa foi marcada por trocas constantes de posições desde a saída de Sanya até a aproximação à Cidade das Velas, Auckland. Antes da entrada no Oceano Pacífico, duas equipes – Team SCA e Team Brunel – optaram por uma estratégia mais ao Norte. O Mapfre ficou mais ao Sul no bloco dos líderes, mas acabou perdendo contato em alguns momentos.

“As últimas milhas foram bastante cansativas, com os barcos próximos e rápidos. Mas nossa equipe fez um trabalho importante e saímos com a vitória. Foi demais”, falou o brasileiro.A equipe espanhola também teve um problema no aparelho que transmite os dados para a central. Eles ficaram quase quatro dias sem receber informações meteorológicas e sem abastecer fotos e vídeos, ou seja, velejando às cegas. Além desse problema, os ibéricos relataram furos no convés e seu tripulante Willy Altadill teve a mão quebrada.

“Estamos super felizes de estar aqui em Auckland. Foi uma perna muito difícil e disputada do começo ao fim. Tivemos um dia muito duro nos quilômetros finais”, disse o campeão olímpico Xabi Fernández, que comandou o barco no lugar do titular Iker Martínez. “Temos melhorado muito ao longo das últimas duas pernas. Nossa equipe é muito boa e espero que possamos agora mostrar ao mundo que podemos continuar assim”.

O Mapfre conseguiu chegar à frente definitivamente a menos de 24 horas antes do fim, graças ao bom trabalho de seu navegador Jean Luc Nélias. O velejador decidiu se separar da costa para chegar a Nova Zelândia. Isso permitiu o avanço barco na calmaria da entrada neozelandesa.

Classificação – Com o resultado, o Abu Dhabi Ocean Racing e o Dongfeng Race Team dividem a liderança com oito pontos perdidos. O Team Brunel ainda não chegou, mas deve terminar em quinto, o que o deixaria em terceiro com 14 pontos. O Mapfre é o quarto com 16. Mesma pontuação do Team Alvimedica, que foi o quarto nessa perna. O Team SCA está previsto para terminar em sexto e ocupará a mesma posição geral com 24 pontos. O Team Vestas Wind não largou mais uma vez.

Fotos: Divulgação

 

Curta a revista Náutica no Facebook e fique por dentro de tudo que acontece no mundo náutico.

Náutica Responde

Faça uma pergunta para a Náutica

    Relacionadas

    Sino de navio americano naufragado durante a Primeira Guerra Mundial é encontrado na Inglaterra

    Embarcação naufragou após ser atingida por submarino alemão; objeto será exposto no Museu da Marinha americana

    Com método inovador, jovem inventor quer acabar com plásticos no mar

    Irlandês criou equipamento para monitorar poluição aos 12 anos e foi premiado pelo Google aos 18; conheça

    Procurando um terreno? Ilha intocada na Patagônia Chilena está à venda

    Local tem cerca de 445 km², mais de 80 lagos, a Cordilheira dos Andes de fundo e custa aproximadamente R$ 173,6 milhões

    1ª embarcação capaz de produzir seu próprio hidrogênio está prestes a finalizar volta ao mundo

    Barco percorreu mais de 63 mil milhas náuticas só com energias renováveis

    Expedição realizada no Chile pode ter descoberto mais de 100 novas espécies marinhas

    Biólogos do Censo Marinho têm o objetivo de descobrir 100 mil novos seres do mar nos próximos 10 anos