A praga das cracas

Por: Redação -
06/05/2016

Cracas, você bem sabe, são eternas dores de cabeça na vida de quem tem um barco no mar. Se o casco não for limpo e bem protegido, com tinta anti-incrustante especial, de tempos em tempos, essas pequenas criaturas grudam no fundo e criam estragos, especialmente na performance. O barco fica
mais pesado e com mais arrasto hidrodinâmico, o que leva à queda brutal no rendimento e ao maior consumo de combustível. E os problemas não se restringem à parte submersa do casco — as cracas também se fixam nos hélices, nos eixos, no leme e até no sistema de refrigeração do motor, que, com isso, pode superaquecer. Para não correr todos esses riscos por conta de algo aparentemente tão simples, a única saída é a velha e boa prevenção — trocando em miúdos, raspar o casco a cada seis meses, em média, e repintá-lo de ano em ano, com tinta anti-incrustante.

Como reparar um casco contaminado em 10 passos:

1 – Raspe as cracas logo após o barco ser retirado da água. Quando úmidas, elas saem com mais facilidade.

2 – Com uma espátula ou um raspador de cantos arredondados (para não danificar o casco) remova todas as cracas abaixo da linha d’ água.

3 – Na sequência, com uma mangueira de água doce, dê um banho no casco, para tirar os últimos resíduos e facilitar o lixamento.

4 – Demarque a área a ser lixada e pintada. Cole a fita adesiva um pouco acima da linha d’ água real, que, com o balanço do barco, pode variar.

5 – Esfregue toda a superfície com lixa 60-120, própria para remoção de restos de tinta. Só pare de lixar quando o gelcoat da fibra de vidro aparecer.

6 – Com o casco já lixado, pegue um rolo de pelos médios e aplique o primer, produto que aumenta a aderência do antiincrustante, que virá a seguir.

7 – Três horas após a secagem, com um novo rolo, aplique a tinta anti-incrustante. Observe na embalagem o intervalo de tempo entre as demãos.

8 – Não altere a composição química da tinta com solventes ou pó de cobre, que deixam a tinta mais
pesada e fácil de soltar.

9 – Durante a aplicação, use luvas e proteja os braços e pernas, pois a tinta pode causar irritação na pele.
Use também protetor para os olhos.

10 – Por fim, espere 48 horas para colocar o barco novamente na água. É o tempo exato para um acabamento de sucesso.

Assine a revista NÁUTICA: www.shoppingnautica.com.br

Náutica Responde

Faça uma pergunta para a Náutica

    Relacionadas

    Nova lancha da Azimut promete reduzir em até 40% as emissões de CO₂

    Batizada de Seadeck 6, embarcação foi apresentada em piscina no maior evento de design do mundo, na Itália

    EUA enviam ao Rio de Janeiro porta-aviões gigante de 333 metros; entenda

    USS George Washington atracou no Brasil como parte da operação Southern Seas, que visa incentivar a cooperação entre os países

    Em fase final de testes, Aquabus de Ilhabela transportaram 1,5 mil pessoas no fim de semana

    Novo sistema de transporte aquaviário contará com três catamarãs e capacidade para 60 pessoas em cada viagem; data de inauguração ainda não foi divulgada

    Italiana Rossinavi lança catamarã híbrido-elétrico de 43 metros

    Modelo nasce como “projeto mais inovador” do estaleiro, com tecnologias sustentáveis e até uso de Inteligência Artificial

    Schaefer Yachts anuncia barco que não afunda, ideal para resgates em alto-mar

    Com o nome de Interceptor 48 Pilot, novidade é fruto de parceria com a empresa irlandesa Safehaven Marine