Boatlux democratiza mercado náutico com compartilhamento de lanchas e jets e multipropriedade

Por: Redação -
06/06/2022

Comprar uma lancha envolve algumas minúcias, como custo de aquisição, manutenção, cuidados, segurança, entre outras. Pensando nisso, a Boatlux entrou no mercado náutico oferecendo um sistema de compartilhamento de embarcações, time share ou multipropriedade, que visa reduzir todos os custos à uma fração e amplia as possibilidades de uso, unindo lazer ao bom custo x benefício e atraindo ainda mais pessoas para o setor.

 

Através dos seus sócios diretores, Monique Barreiros, Carlos Jr, Jorge Miguel e Rafael Constermani, a empresa atua, desde 2012, no mercado náutico com a proposta de entregar momentos únicos a bordo para milhares de pessoas no país, através do modo de compartilhamento de lanchas e moto aquáticas (jets).

 

Neste sistema, o cotista não precisa se preocupar com nada relacionado à sua embarcação, pois a Boatlux cuida desde o local mais adequado para guardar sua embarcação, marinheiro de confiança, além de lidar com as burocracias necessárias, entre outros.

 

“Poderíamos enumerar aqui as preocupações para o proprietário de uma lancha, como conserto, guarda, revisões, limpeza e manutenção. Muitas vezes, o tempo que o proprietário passa cuidando da lancha é igual ou maior ao que aproveita navegando”, diz Carlos Jr.

 

O compartilhamento, além de viabilizar financeiramente a possibilidade de aquisição de uma embarcação, proporciona tranquilidade para o proprietário em relação aos problemas de manutenção, guarda da embarcação, contratação e supervisão de mecânicos, marinheiros e demais prestadores de serviços necessários.

 

Com o sistema de compartilhamento, o valor é dividido entre cotistas, deixando o custo de aquisição e manutenção acessíveis. O sonho se torna realidade e cabe no bolso tanto de quem está entrando na náutica como de quem deseja ter uma embarcação maior.

 

“Atualmente, para uso imediato, no Rio de Janeiro, oferecemos embarcações em Cabo Frio, Angra dos Reis, Paraty, Niterói, Marina da Glória, Itacuruçá e Barra da Tijuca. Nossa pergunta é: dinheiro traz felicidade? Não sabemos, mas garantimos que com pouco dinheiro se compra cota náutica. Nunca vimos ninguém triste andando de lancha ou jet”, ressalta Rafael Constermani.

 

Atualmente, já são mais de 2 mil cotas gerenciadas, 270 embarcações em mais de 50 unidades no país. No primeiro semestre de 2022, deu-se início ao processo de expansão em franquias para todo o país e também para alguns países na América do Sul, trazendo o conceito do GNU, Grupo Nacional de Utilização, para todos os clientes do continente, passando a ser GMU, Grupo Mercosul de Utilização. Já pensou em poder usar embarcações onde quer que tenha unidades Boatlux? Agora é possível, mas este benefício é apenas para cotistas da empresa.

 

Náutica Responde

Faça uma pergunta para a Náutica

    Relacionadas

    Primeiro catamarã a hidrogênio dos EUA está pronto para servir como balsa

    Guarda Costeira norte-americana autorizou o início do serviço, que transportará até 75 pedestres por vez pela Baía de São Francisco

    Governo do Rio de Janeiro reduz imposto para fabricantes de embarcações

    Vitória para o setor, incentivo fiscal para o setor náutico reduz de 27% para 7% a alíquota do ICMS para venda de barcos

    Teste Real 40 Cabriolet: lancha se destaca pelo conforto no cockpit, cabine e posto de comando

    Testada nas águas de Ilhabela, no litoral norte de São Paulo, modelo ainda chama atenção pela pilotagem a céu aberto

    Cruzeiro nudista pelo Caribe é aposta de empresa dos Estados Unidos; conheça

    Com previsão de lançamento em 2025, viagem sem roupa pelos mares custa a partir de R$ 10 mil, mas tem regras rígidas de convivência

    Robert Scheidt será o embaixador da 51ª Semana Internacional de Vela de Ilhabela

    Maior medalhista da história olímpica do Brasil estará no evento patrocinado pela Mitsubishi de 20 a 27 de julho