Desafio

Por: Redação -
28/06/2016

O médico José Guilherme Caldas terá um desafio a mais na Semana de Vela de Ilhabela 2016. O experiente velejador – que já cruzou o Oceano Atlântico por sete vezes – comandará dois barcos no evento, que ocorre de 1º a 9 de julho. O Team Angola Cables – Mussulo III e o Team Angola Cables – Mussulo 40. O veleiro de 40 pés será usado apenas na Regata Alcatrazes, que abre o calendário de provas no dia 3 de julho e tem 55 milhas de distância. José Guilherme terá ajuda apenas do baiano Leonardo Chicourel, pois será um treino para a Cape Town Rio de 2017. Já no decorrer da semana, o médico assume o Mussulo III, que disputará o título da classe RGS.

”Temos um barco para correr a Semana de Vela que tem uma tripulação de 11 pessoas, com uma logística bastante complicada de fazer, mas é o nosso habitual. Ao mesmo tempo estou preparando uma disputa da Cape Town Rio 2017 com um barco muito adaptado às regatas de downwind – vento de popa, e como essa regata é. Agora que trouxemos o barco para o Brasil, teremos além de um novo jogo de velas fornecido pela North Sails, um programa de treinos com instrutores profissionais reconhecidos internacionalmente e faz parte desse treino a Regata de Alcatrazes, única na Semana de Vela que se adapta a este barco”.

José Guilherme Caldas é médico – neuroradiologista intervencionista – que é um neurocirurgião que “navega” com catéteres no interior das artérias e veias para tratar doenças vasculares do cérebro e da medula, como aneurismas, acidentes vasculares cerebrais (derrames), tumores, porém sem abrir a cabeça. ”A vela é um hobby desde a infância quando aprendi a velejar em Angola, de onde sou, numa ilha chamada Mussulo. Vem daí o nome dos meus barcos”.

Perguntado sobre como consegue dar conta de uma agenda cheia nos principais hospitais de São Paulo e a carreira de velejador, José Guilherme deu uma explicação interessante. ”Descobri que você não é o único a fazer as coisas, então se você conseguir pensar assim vai ter tempo pra fazer suas coisas, que no meu caso é velejar. A primeira vez que fiz isso – uma travessia para Angola – levei 55 dias, nessa época e ainda hoje trabalhava 16 horas por dia, 365 dias por ano, então ninguém podia acreditar que eu podia parar 50 dias, quando parei e voltei aquilo estava tudo igual do mesmo jeito.Então cheguei a conclusão que é possível você fazer isso, é apenas você decidir fazer”.

A tripulação do Mussulo III já está definida e inclui alguns experientes velejadores da Ilhabela como Carlos Eduardo Maia, Marcos Lobo, Luiz Bolina, Junior Gentil, Emerson Passos, Marcelo Surf e os baianos Rafael Martins e o Alberto Vita.

Foto: Divulgação

Assine a revista NÁUTICA: www.shoppingwww.nautica.com.br

Náutica Responde

Faça uma pergunta para a Náutica

    Relacionadas

    Sem deixar feridos, incêndio na Croácia atinge mais de 20 barcos

    Incidente ocorreu em marina na cidade de Medulin, no noroeste do país, no último dia 15

    Nova lancha da Azimut promete reduzir em até 40% as emissões de CO₂

    Batizada de Seadeck 6, embarcação foi apresentada em piscina no maior evento de design do mundo, na Itália

    EUA enviam ao Rio de Janeiro porta-aviões gigante de 333 metros; entenda

    USS George Washington atracou no Brasil como parte da operação Southern Seas, que visa incentivar a cooperação entre os países

    Em fase final de testes, Aquabus de Ilhabela transportaram 1,5 mil pessoas no fim de semana

    Novo sistema de transporte aquaviário contará com três catamarãs e capacidade para 60 pessoas em cada viagem; data de inauguração ainda não foi divulgada

    Italiana Rossinavi lança catamarã híbrido-elétrico de 43 metros

    Modelo nasce como “projeto mais inovador” do estaleiro, com tecnologias sustentáveis e até uso de Inteligência Artificial