Tempo de navegar

Por: Redação -
16/06/2014

Artigos inspirados em publicações estrangeiras, geralmente colocam em pauta uma matéria que aconselha as pessoas a docarem seus barcos nesta época, realizando reparos e outras atividades que mantem o barco e seus navegadores longe do mar.

Meu ponto de vista é contrário a eles. Prego que o Inverno é uma das melhores épocas para se navegar, pois com um número menor de barcos, veleiros e barcos de cruzeiro a motor, é possível navegar em paz, sem ter de enfrentar marolas causadas por lanchas rápidas e mal-educadas, ou a bagunça causada por gente fundeada nas proximidades com o som nas alturas, além de outros exageros de que somos vítimas durante a época mais “quente” do ano, em todos os sentidos.

Podem dizer que o tempo piora, e isto é verdade até certo ponto, pois as frentes frias são bem previsíveis nos bons mapas meteorológicos, e podemos nos preparar antecipadamente, procurando um bom abrigo e realizando um cuidadoso e bem seguro fundeio. Quando a frontal chegar, você vai estar deitado com um livro no colo e um chocolate na caneca, e não vai ter de enfrentar uma tempestade de verão em um fim de tarde, que chega sem aviso e sem noção, com fortes rajadas ciclônicas, que jogam o barco num círculo de vento, que te arrasta em qualquer direção.

No inverno, o sol é mais amigo, e o barco não fica tão quente. As noites são frias, e os cobertores ganham a vez de trazer aconchego, pois no verão nem o ar condicionado resolve, como o verão de 2014, que foi dos mais rigorosos da história. Antes dele, usávamos a expressão “rigor”, apenas para o inverno, mas este ano a coisa foi alucinante.

Porém, se não fazemos os reparos agora, quando iremos colocar o barco em ordem? Eu aconselho que o faça na Primavera, uma estação bonita no nome e que lembra abelhas voando de flor em flor, mas no mar a coisa fica realmente confusa. As frentes que no Inverno obedecem a uma ordem natural e previsível, na Primavera surgem aleatórias e seguidamente de qualquer ponto do litoral Sul, ganhando velocidades ciclônicas, e lançando ressacas imensas sobre nossa costa, tornando o ato de navegar em um, quase, sofrimento.

Dizer que todo o nosso litoral é bom no inverno não é correto, pois nossa costa Nordeste sofre com fortes ventos e chuvas; ressacas inacreditáveis invadem a Baía de Todos os Santos e ventos como o Pampeiro, o Minuano e o perigoso Carpinteiro, atazanam com a vida dos gaúchos e catarinenses — os pobres pescadores profissionais que o digam. Porém, na região da Baía da Ilha Grande, você tem como aproveitar, sem grande estresse, os excelentes abrigos encontrados em locais como Paraty-Mirim, Saco do Céu e Sitio Forte, além de outras enseadas menos cotadas, porém muito protegidas não só pelo abrigo do vento, mas pela qualidade da tensa (fundo do mar) que é muitas vezes de lama, e segura a âncora como num grude salvador.

Nesta época, além das vantagens já mencionadas, encontramos vagas nas excelentes marinas da região, com o fim do defeso do camarão rosa o cardápio recebe um reforço muito bem-vindo e o clima, se não pede uma calefação, certamente acata bem uma sopinha e uma garrafa de um bom vinho.

Faz quase trinta anos que navego profissionalmente, e poucos lugares dentre os que eu conheço se aproximam ou se assemelham a Baía da Ilha Grande, quer seja como beleza natural, quer seja como o excelente recorte do litoral ou mesmo a profundidade média e qualidade da água ou da já comentada tensa.

Se for navegar em Angra dos Reis, esteja certo de que se estiver chovendo, o azar será todo da chuva!

Navegue por prazer,

Navegue com prazer,

Navegue o ano todo!

 

Alvaro Otranto é navegador de longas travessias, um dos mais antigos colaboradores da revista Náutica e criador da Moana Livros, primeira livraria na internet especializada em temas de mar e aventura.

Náutica Responde

Faça uma pergunta para a Náutica

    Relacionadas

    Catamarã elétrico de startup vence concurso e fará parte da autoridade marítima de Singapura

    Embarcação participa do projeto singapurense que pretende acabar com emissões portuárias até 2050

    Casas flutuantes em alta: conheça as mais luxuosas do mundo

    Inspire-se com cinco modelos das moradias sobre as águas que estão fazendo a cabeça dos milionários

    Com dois barcos de 19 pés, Ross Mariner mostra lançamento no Rio Boat Show 2024

    Boas opções de entrada, embarcações estarão no salão, de 28 de abril a 5 de maio, na Marina da Glória

    NÁUTICA Talks recebe Marina Bidoia, mais jovem velejadora a concluir a Refeno

    Velejadora realizou o trajeto Recife-Fernando de Noronha aos 24 anos, e vai levar experiência ao Rio Boat Show 2024

    Posto flutuante da rede Golfinho estará no Rio Boat Show 2024

    Loja de conveniência batizada de WayPoint também será apresentada de 28 de abril a 5 de maio, na Marina da Glória