Marulho levou produtos feitos de rede de pesca ao Rio Boat Show 2023

Com trabalho socioambiental, iniciativa atua na transformação de material descartado

09/05/2023

Redes de pesca já sem utilidade ganharam novo destino com a Marulho, expositora que mostrou o resultado da sua iniciativa durante o Rio Boat Show 2023. Além do trabalho ambiental, a marca atua socialmente, uma vez que os produtos são produzidos por pescadores locais já sem condições de trabalhar na área.

Consideradas um resíduo sólido, as redes utilizadas pela Marulho seriam simplesmente descartadas, uma vez que no Brasil não existe tratamento nem reciclagem para isso.

 

Essa falta leva a um problema ambiental muito grande, conhecido como pesca fantasma — que é quando apetrechos de pesca (sejam redes, anzóis ou linhas) vão parar no mar, sem que sua localidade seja encontrada. Daí o nome “fantasma”.

Quando a rede segue nessa situação, ela continua fazendo o que foi feita para fazer: pescando peixes, tartarugas, golfinhos e muitos outros animais marinhos. Um super problema ambiental e também para os pescadores, que acabam ficando sem a proteína do pescado.

 

É aí que o trabalho da Marulho entra para fazer total diferença. Os pescadores que já não têm mais idade para sair para a pesca — ou que não conseguiram se aposentar — e detêm o conhecimento da costura artesanal, são escalados para fazer os produtos fornecidos pela marca.

 

Costurando manualmente com o conhecimento caiçara, os pescadores produzem diversos produtos que são vendidos para o cliente final. Ou seja: um trabalho socioambiental.

Alguns dos itens produzidos pela Marulho são inspirados em barcos — e pensados para eles –, como o esfregão multiuso (para limpar o fundo do casco, o costado, deque etc) e a fruteira suspensa, ideal para embarcações, que geralmente precisam explorar o espaço aéreo.

 

Ao todo, a marca já coletou por volta de 3 toneladas de redes. Entretanto, 40% desse total não é próprio para a confecção dos produtos pelo desgaste da rede, que, muitas vezes, está no mar há muito tempo. Neste caso, a rede é separada, assim como os retalhos da própria produção.

 

A partir da conquista de uma trituradora no ano passado, o material que não serve mais para costura agora é triturado, podendo assim voltar à cadeia produtiva. Uma das ideias da Marulho é com isso produzir óculos, hastes, chaveiros etc.


Com a participação no Rio Boat Show 2023, a empresa espera ganhar reconhecimento no setor náutico e também do público adepto às causas ambientais, para difundir a marca que pode ganhar parcerias ou produtos à bordo de novas embarcações.

 

Náutica Responde

Faça uma pergunta para a Náutica

    Relacionadas

    Megaiate apreendido vira "batata-quente" para os Estados Unidos; entenda o caso

    Governo norte-americano quer vender embarcação e alega não ter condições de pagar manutenção

    Reveladas imagens inéditas de navio que afundou com seu capitão há 84 anos

    O graneleiro Arlington foi encontrado nos EUA e traz, além de imagens, a história do capitão que não quis se salvar

    Novo estudo mostra que baleia-azul está acasalando com baleias-comuns mais do que deveria; entenda

    Número até então desconhecido de animais com DNA híbrido colocou pesquisadores em alerta

    Conheça o Volitan, barco voador que está próximo de se tornar realidade na Amazônia

    Criado pela startup AeroRiver, embarcação deve chegar para o transporte de cargas e pessoas na região em 2026

    Conheça a história do "Titanic dos Alpes", navio a vapor que será resgatado 90 anos após naufragar

    Embarcação foi afundada propositalmente em 1933, no Lago Constança, na Europa