Molhados

Por: Redação -
28/10/2015

“Estamos completamente molhados a bordo”. Como se não bastasse o desgaste físico por fazer uma travessia de 10 mil quilômetros em dupla, os brasileiros Eduardo Penido e Renato Araújo sofrem com as condições de mar e temperatura na disputa da Transat Jacques Vabre. A equipe do barco Zetra, que ocupava a oitava posição na atualização de placar desta quarta-feira (28) da categoria Class40, atravessa um dos piores trechos da prova: o Golfo de Biscaia. Os ventos com velocidade de quase 90 km/h e ondas enormes dificultam os trabalhos dos velejadores, que dificilmente ficam secos com tanta água entrando. “Tem muita, mas muita água vindo por cima do barco. A noite anterior não foi tão tranquila como a primeira com vento soprando muito forte. A gente já esperava por essa condições no Golfo de Biscaia. As últimas horas foram muito duras pra gente, mas o barco segue respondendo bem. Em tese, o pior já passou!”, contou o velejador Renato Araújo.

Os velejadores indicaram que o barco tem um pequeno problema elétrico, mas que não afeta o desempenho deles. Outro detalhe que mostra a dificuldade da prova é a alimentação, como explicou Renato Araújo. “A alimentação está mais complicada. Tá difícil comer tudo desidratado. Recorremos às barras de chocolate e às maçãs”.

O Zetra – primeiro barco brasileiro na história dessa regata – está no meio da flotilha dos Class40 e já começa a descer rumo à costa portuguesa. A diferença para o líder provisório, o Le Conservateur (Yannick Bestaven/Pierre Brasseur) é de 120 quilômetros. Em 72 horas, os brasileiros percorreram 950 quilômetros na Transat Jacques Vabre. A largada ocorreu no domingo (25), em Le Havre, na França. A chegada dos barcos será em Itajaí, em Santa Catarina.

Nas outras classes, os líderes da maior travessia oceânica do mundo são: Ciela Village (Multi50), Queguiner – Leucemie Espoir (IMOCA) e Sodebo (Ultime).

Seis desistências em 72 horas

A Transat Jacques Vabre é uma das regatas mais desafiadoras do mundo e é organizada sempre nos últimos meses do ano, quando as condições de mar e vento são mais duras na passagem pelo Canal da Mancha e pelo Golfo de Biscaia. A força dos ventos e o tamanho das ondas, além de outros fatores como um contêiner na água, causaram seis abandonos.

Os barcos da classe IMOCA Edmond de Rothschild, Safran e Maître CoQ tiveram problemas estruturais e decidiram deixar a disputa, assim como o Class40 Team Consice. O La French Tech Rennes Saint-Malo colidiu em um contêiner na tarde desta terça-feira (27) e não terá condições de prosseguir na regata entre a França e o Brasil. A dupla Gilles Lamiré e Yvan Bourgnon estava no piloto automático e a batida no bloco destruiu um dos cascos do Multi50. “Nós estávamos navegando com velocidade de 15 nós para o Sul no piloto automático com vento de través. Tudo estava indo bem quando o barco parou. Vi um pedaço do casco na água”, disse Gilles Lamiré.

Os velejadores do barco Maxi80 Prince de Bretagne foram resgatados em segurança após o multicasco capotar na disputa da Transat Jacques Vabre. Na terça-feira (27), eles acionaram o sinal de emergência a bordo do trimarã e foram salvos por um helicóptero do centro de coordenação de salvamento marítimo da Espanha (MRCC). O comandante Lionel Lemonchois estava visivelmente chateado com o acidente e a consequente desistência da regata. “O céu caiu em minha cabeça”, disse o francês. O multicasco navegava na região do Cabo Finesterra velejando a 17 nós de vento, bem menos do que pegaram horas antes. “Todo trabalho que fizemos para preparar o Maxi80 Prince de Bretagne para a regata acabou em dois segundos”.

A tripulação estava segura no barco e esperava sua equipe de terra chegar para fazer o resgate. Porém, a previsão para os próximos dias indicava a piora do tempo e ventos superiores a 40 nós na região. A dupla então chamou socorro. “Não valia a pena colocar as nossas vidas em perigo. O helicóptero da MRCC Madrid chegou super rápido. A ação até nos surpreendeu, pois não esperávamos que ocorresse tão rapidamente”.

Foto: Divulgação

Assine a revista NÁUTICA: www.shoppingwww.nautica.com.br

Náutica Responde

Faça uma pergunta para a Náutica

    Relacionadas

    Linda e precária: ilha no Caribe Colombiano é a mais densamente povoada do mundo

    Com 10 mil m² de área, Santa Cruz del Islote tem apenas 825 habitantes e sofre com turismo predatório

    Ilhabela deve ganhar 1ª usina de dessalinização de água de São Paulo em 2026

    Projeto prevê aumento de 22% no volume de água tratada no município, atendendo mais de 8 mil pessoas

    Descanso sobre as águas: hospedagem em barcos atracados é opção de lazer no litoral brasileiro

    Ideia dispensa a necessidade de carteira náutica e traz valores acessíveis para uma experiência pra lá de diferente

    Falkirk Wheel: conheça o elevador gigante para barcos que virou ponto turístico

    Construção na Escócia foi feita para driblar desnivelamento maior que um prédio de dez andares

    Ações de despoluição na Baía de Guanabara fazem vida marinha voltar às águas

    Expedições comandadas pelo Instituto Mar Urbano observaram mais animais na região e melhor qualidade da água