Mundial de 470

Por: Redação -
29/02/2016

As velejadoras Fernanda Oliveira e Ana Luiza Barbachan ficaram muito próximas de conquistar uma medalha no Mundial de 470, disputado em San Isidro, na Argentina. Neste sábado, dia 27, elas competiram na regata da medalha e encerraram a competição na quarta posição na classificação geral, apenas quatro pontos atrás das austríacas bicampeãs mundiais Lara Vadlau e Jolanta Ogar, que ficaram com o bronze. O resultado expressivo dá moral para as brasileiras rumo aos Jogos Olímpicos Rio 2016.

“Ficamos muito felizes com o resultado. Estivemos sempre no grupo da frente nas regatas, numa flotilha com 40 barcos. Isso mostra nosso potencial. Ainda temos uma margem de melhora em alguns aspectos táticos e de desenvolvimento de velocidade. O que nos deixa animadas para seguir trabalhando até os Jogos. Nossa caminhada está indo bem e os próximos eventos vão completar nossa preparação”, afirmou Fernanda, medalha de bronze nos Jogos de Pequim-2008 na classe 470.

As brasileiras terminaram a regata da medalha na quarta posição, somando 66 pontos perdidos no geral. Vadlau e Ogar ficaram com 62. A medalha de prata foi para as neozelandesas atuais campeãs olímpicas Jo Aleh e Polly Powrie, com 57, enquanto o ouro ficou com as francesas Camille Lecointre e Helene Defrance, com 54. A outra dupla brasileira na competição, Renata Decnop e Larissa Juk, terminou em 28º, com 185 pontos perdidos.

Entre os homens, Geison Mendes e Gustavo Thiesen ficaram em 19º, com 161 pontos perdidos; Alexandre Muto e Felipe Brito terminaram em 40º, com 334; e Eduardo Chapchap e Alberto Chapchap foram 42º, com 363. A medalha de ouro foi para os croatas Sime Fantela e Igor Marenic; a prata para os neozelandeses Paul Snow-Hansen e Daniel Willcox; e o bronze para os franceses Sofian Bouvet e Jeremie Mion.

Classificados para os Jogos Olímpicos Rio 2016, Henrique Haddad e Bruno Bethlem optaram por ficar no Rio treinando com outros velejadores estrangeiros, pois a competição na Argentina era em água doce e em condições muito diferentes das que são encontradas na Baía de Guanabara.

Foto: Divulgação

Assine a revista NÁUTICA: www.shoppingnautica.com.br

Náutica Responde

Faça uma pergunta para a Náutica

    Relacionadas

    Poluição sonora no mar pode ser catastrófica para as baleias

    Barulhos provenientes da navegação de barcos, extração de recursos e outras atividades marítimas afetam a circulação dos animais que se comunicação pelo som

    Confira a melhor forma de chegar ao Rio Boat Show 2024

    Evento náutico mais charmoso da América Latina contará com transfer todos os dias e estacionamento 24h; saiba mais

    NÁUTICA Talks: Izabel Pimentel e Marcelo Osanai contam acontecimentos inesperados na navegação

    Dois navegadores que já passaram por apuros em alto-mar relatam suas incríveis histórias no Rio Boat Show 2024

    Yamaha vai ao Rio Boat Show 2024 com cinco motores e dois jets

    Entre os equipamentos, estão cinco modelos de popa; evento acontece de 28 de abril a 5 de maio

    Memória Náutica: relembre como foi o Rio Boat Show 2019

    Evento chegou a sua última edição antes da pandemia consolidado como o mais importante salão náutico outdoor da América Latina