No Acre, artesão reproduz barcos que navegam pela Amazônia em miniatura

Aos 60 anos, artista carioca que mora em Rio Branco vê na profissão uma forma de terapia

24/01/2024
Foto: Instagram @carlosdias1409 / Divulgação

Carlos Alberto é carioca, mas morador de um outro Rio — o Rio Branco, capital do Acre. Desde criança, ele sabia de sua vocação para artesão. Acabou se tornando topógrafo, mas a profissão — que, aparentemente, nada tem a ver com arte — o levou para o caminho que ele via para si lá atrás. Atualmente, o “acriano carioca” produz barcos em miniatura, sob escala, idênticos às grandes embarcações que navegam pela Amazônia.

Essa história começou através, justamente, de outra criança: Felipe, filho de Carlos. Em 2008, quando Felipe tinha 10 anos, Carlos o levou para o porto onde (à época) era gerente, em Porto Velho, Rondônia. O que ele não esperava é que o menino se apaixonaria pelos barcos que lá viu, e nesse mesmo dia, surgiria sua primeira encomenda como artesão de barcos em miniatura.

Foto: Arquivo pessoal

A pedido de Felipe, Carlos construiu o barco que abriu as portas para todos os outros que ainda viriam. Segundo ele mesmo contou à reportagem de NÁUTICA, “ficou longe de ser perfeito, mas encantou as pessoas que por lá passavam.”

 

A partir daí, a topografia passou a ajudar Carlos de uma maneira diferente: a construir barcos em escala, ou seja, com dimensões iguais às originais, mas em formato miniatura.

Foto: Arquivo pessoal

Da planta ao projeto final: tudo passa por Carlos

Para que os barcos em miniatura sejam versões idênticas aos modelos originais, Carlos se baseia na planta original da própria embarcação, com o apoio de fotos que ele mesmo tira. Nos casos em que o cliente não possui a planta do barco, a experiência como topógrafo ajuda o artesão a medir toda a embarcação real e, assim, produzir uma planta.

Foto: Instagram @carlosdias1409 / Divulgação

Com todos os dados em mãos, chega a vez de fazer o pedido dos componentes eletrônicos que vão constituir a miniatura, que começa a ser produzida de baixo para cima no ateliê de Carlos. De acordo com ele, seu local de trabalho é “simples, mas bem funcional.”

Foto: Instagram @carlosdias1409 / Divulgação

Sua principal matéria-prima é o compensado de 4mm, presente em grande parte dos 30 barcos de 25 modelos diferentes já produzidos por ele.

 

Outros materiais bastante utilizados pelo artesão são o alumínio, plástico, madeira acetato e massa rápida, entre outros.

Foto: Arquivo pessoal

Se engana, porém, quem pensa que as miniaturas são feitas apenas para ficarem paradinhas em cima de algum móvel.

 

Em média, um modelo leva de 20 a 45 dias para ficar pronto e, na última etapa do processo, quando as embarcações já estão praticamente prontas, elas passam por testes na água!

 

 

Ver esta publicação no Instagram

 

Uma publicação partilhada por Carlos Dias (@carlosdias1409)


Para o artesão, inclusive, detalhes como esse são parte essencial de seus trabalhos. Por isso, iluminação, pequenos objetos, atenção às cores e a atenção minuciosa às medidas estão sempre presentes nas obras de Carlos.

Você pode ter caprichado em tudo, mas se não tiver detalhes (pequenos e sutis), fica sem vida– comenta o artesão

“Tem gente que paga para fazer terapia, eu recebo”

A frase acima, dita pelo próprio Carlos, está no coração daquilo que o destino escolheu para que fosse sua profissão. Apesar de ver o seu trabalho como “receber para fazer o que gosta”, o artesão reconhece que “nem tudo são flores”, afinal, assim é para quem escolhe viver de arte.

O reconhecimento não chega rápido e nem fácil. É como rapadura: é doce, mas não é mole– afirma Carlos

Apesar disso, no caso de Carlos, há muitos motivos para comemorar. Suas obras já foram expostas no Expoacre, uma das maiores feiras de agronegócio do país. Seu trabalho também já saiu do Acre, passando pelos estados de Rondônia e Amazonas.

 

Um dos clientes mais fiéis do artesão é Gladison Cameli, atual governador do Acre, que expõe em seu escritório as obras de Carlos.

Gladison Cameli, governador do Acre. Foto: Arquivo pessoal

Como ele [Gladison] é apaixonado por miniaturas e principalmente aviões, eu fiz um aeroporto, carretas e containers. Fiz também uma maquete de um aeroporto de uma cidade do interior do Acre (Tarauaca)– Carlos Alberto


Apesar da produção das miniaturas, Carlos nunca teve um barco

Com toda sua trajetória na produção de embarcações em miniatura, é fácil imaginar que Carlos seja dono de algum barco. Mas, não é o caso. Ele conta que nem mesmo na família há histórico de proprietários de barcos.

Foto: Instagram @carlosdias1409 / Divulgação

Uma embarcação de verdade, em dimensões normais, parece ainda ser distante das vontades do artesão. Mas, no caso das miniaturas, ele não só sabe como seria o seu barco ideal, como já está construindo um. Trata-se do Manoel Fonseca, que, segundo ele, “uns chamam de recreio e outros de navio.”

Modelo miniatura do barco Manoel Fonseca está sendo construído por Carlos

O modelo em questão foi construído pelo próprio Manoel Fonseca — tido por muitos como um dos lendários construtores de embarcações da região amazônica –, pelo seu irmão Zeca Fonseca e seu filho, Édson Fonseca. Para Carlos, a construção do barco (que deve ficar pronto em 2 meses) é uma forma homenageá-lo.

Eu costumo dizer que a diferença de um brinquedo de criança para um de adulto é o preço– finaliza Carlos

 

Náutica Responde

Faça uma pergunta para a Náutica

    Relacionadas

    Público do Rio Boat Show 2024 tem desconto exclusivo em hotel oficial

    Bem localizado, Novotel Leme oferece condições especiais para visitantes do maior salão náutico da América Latina

    Visita de mergulhador a restos de baleia vence concurso de fotos subaquáticas do mundo; veja imagens

    Competição de fotos de dentro do mar acontece anualmente e conta com diversas categorias

    Filmagem de primeiras ondas de tsunami na Tailândia viraliza 20 anos após desastre

    De férias no local, homem filmou, sem saber, o início do fenômeno de 2004; assista ao vídeo

    Memória Náutica: relembre como foi o Rio Boat Show do ano 2000

    Terceira edição do evento teve de lancha sendo construída ao vivo a tanque de mergulho de 5 m de profundidade

    Com propulsão eólica, Airbus terá frotas marítimas contra emissões de dióxido de carbono

    Gigante da indústria aeroespacial terá velas rotativas e motores biocombustíveis; entenda