Pesquisadores encontram armas contra ataques piratas em navio naufragado do século 15

Descoberta revelou a existência de canhões carregados com pólvora em embarcação afundada na costa da Suécia

23/01/2024
Imagem ilustrativa. Foto: Envato

Não é de hoje que o ser humano sai de casa preparado para qualquer problema que possa acontecer no caminho. Cientistas descobriram armas em um navio naufragado no século 15, que deveriam proteger a embarcação e as mercadorias de ataques piratas.

Além disso, foram tiradas mais de mil fotografias e inúmeras amostras, de acordo com o estudo publicado recentemente no International Journal of Nautica Archeology. Vale ressaltar que mesmo não sendo um naufrágio recente, ainda tinha muito a ser desmitificado.

Foto: Niklas Eriksson/ Divulgação

Este navio já era conhecido pelos habitantes locais, na costa da Suécia, e foi alvo de pesquisa em 1969. Já se sabia também que os destroços do navio estavam na costa da ilhota Maderö, localizada no Mar Báltico, a cerca de 32 quilômetros a sudeste de Estocolmo — capital do país.

 

Na primeira visita, a embarcação foi descrita como um “grande navio comercial cheio de tijolos”. Mas com a nova exploração (realizada em maio de 2022) foram descobertas armas, que indicavam como as viagens daqueles tempos não eram tão tranquilas — afinal, estamos falando da época medieval.

Antipirataria medieval

Como se sabia que o navio naufragado carregava tijolos, a possiblidade dele ter afundado durante uma viagem comercial é bem alta. Embora nada indique que tenha sofrido um ataque pirata, não faltou preparo para uma situação como essa, visto que várias balas de canhão foram encontradas.

Foto: Susanna Allesson-Nyberg/SMTM/ Divulgação

Inclusive, foi encontrado enxofre — ingrediente da pólvora — cobrindo uma das balas de canhão.  De acordo com os arqueólogos, isso seria um indicativo de que ela pode ter sido carregada bem no momento do naufrágio. Mesmo assim, não está claro até que ponto era normal os navios mercantes estarem armados.

 

Niklas Eriksson, um dos autores do estudo, disse ao McClatchy News que muita pirataria acontecia no Mar Báltico durante os séculos 14 e 15. À época, muitas Marinhas nem sequer existiam, e grandes navios também serviam para transportar mercadorias e se defender de ataques.

A curta distância e sob condições adequadas, tiros de armas de ferro forjado poderiam ter causado baixas em tripulações piratas atacantes– Brendan Foley, arqueólogo marítimo, ao McClatchy News

Outras descobertas

Além do navio naufragado com armas, os arqueólogos também determinaram que a embarcação navegava em direção a Estocolmo. Ou seja, seu destino ficava a apenas alguns quilômetros de onde ela afundou, como mostra o mapa abaixo.

Foto: Niklas Eriksson/ Divulgação

Amostras retiradas do casco de carvalho e submetidas à análise determinaram que a madeira teria vindo de diferentes partes do norte da Europa. Parte desse material, inclusive, seria de uma árvore derrubada em 1467. Ou seja, a origem deste material era importada, em vez de cultivada localmente.

 

Segundo os pesquisadores, as cargas de telhas e tijolos que estavam no navio vieram de Mecklenburg-Vorpommern, nordeste da Alemanha. Por conta dos pontos de origem, foi sugerido a chance de existir uma ligação com a Liga Hanseática — organização de comunidades mercantis no norte do país, potência no comércio inter-regional.

 

Por Áleff Willian, sob supervisão da jornalista Denise de Almeida

 

Náutica Responde

Faça uma pergunta para a Náutica

    Relacionadas

    Sino de navio americano naufragado durante a Primeira Guerra Mundial é encontrado na Inglaterra

    Embarcação naufragou após ser atingida por submarino alemão; objeto será exposto no Museu da Marinha americana

    Com método inovador, jovem inventor quer acabar com plásticos no mar

    Irlandês criou equipamento para monitorar poluição aos 12 anos e foi premiado pelo Google aos 18; conheça

    Procurando um terreno? Ilha intocada na Patagônia Chilena está à venda

    Local tem cerca de 445 km², mais de 80 lagos, a Cordilheira dos Andes de fundo e custa aproximadamente R$ 173,6 milhões

    1ª embarcação capaz de produzir seu próprio hidrogênio está prestes a finalizar volta ao mundo

    Barco percorreu mais de 63 mil milhas náuticas só com energias renováveis

    Expedição realizada no Chile pode ter descoberto mais de 100 novas espécies marinhas

    Biólogos do Censo Marinho têm o objetivo de descobrir 100 mil novos seres do mar nos próximos 10 anos