No chão do barco

Por: Redação -
19/02/2016

Pisos, de maneira geral, podem ser dos mais variados tipos, como cerâmica, porcelanato, taco, vidro, laminados, madeira, granito, mármore, entre outros. No caso dos itens de uma embarcação, entretanto, nem todos podem ser utilizados devido a alguns fatores impossíveis de serem negligenciados: o sol, a chuva e o vento. Sinônimo de luxo, requinte e beleza, nos barcos, escolher bem o revestimento para os paineiros é, além de tudo, questão de segurança, durabilidade e conforto.

Segundo José Pinteiro, sócio do estaleiro Ecomariner, todas as partes do barco devem receber um revestimento no piso. No entanto, é necessário ter atenção quanto ao tipo utilizado em cada compartimento da embarcação. “O principal objetivo que se deve ter em mente na hora de revestir um barco é unir estética, segurança e durabilidade”, conta Pinteiro. “O mais importante, na verdade, é escolher um material antiderrapante para evitar acidentes”, ressalta.

Atualmente, os revestimentos mais utilizados para embarcações são os pisos de madeira natural, conhecidos como teca, de teca sintética (fabricada em pvc), de espuma vinílica acetinada e os tapetes vinílicos.

A teca natural é o tipo de revestimento que garante mais sofisticação ao barco. É fabricado a partir da madeira natural, é antiderrapante e suporta sol, chuva e água salgada, ideal para ser aplicada em todo o assoalho da embarcação. A limpeza deve ser feita com água e detergente ou shampoo neutro e ela tem durabilidade de 15 a 20 anos. Já a Sintética é visualmente parecida com a natural, mas feita com pvc. O material não apodrece, é maleável, de fácil aplicação e limpeza, podendo ser lavada com jatos de pressão, e tem o custo um pouco mais em conta.

O piso de espuma vinílica acetinada é feito de plástico e tem a propriedade de não absorver líquidos, nem sujeira, portanto sua limpeza é feita de maneira bem simples com água. A espuma é leve, não esquenta e tem durabilidade média de 10 anos. Os tapetes vinílicos, por sua vez, são feitos de fios de pvc. É um material flexível, confortável, de fácil manutenção e rápida instalação. É térmico, reciclável e não propaga chama ou absorve água.

Nas áreas internas, o carpete é uma boa opção. No caso das áreas úmidas, como popa e cozinha, o ideal é escolher a teca natural ou sintética.

Foto: Divulgação

Assine a revista NÁUTICA: www.shoppingnautica.com.br

Náutica Responde

Faça uma pergunta para a Náutica

    Relacionadas

    Catamarã elétrico de startup vence concurso e fará parte da autoridade marítima de Singapura

    Embarcação participa do projeto singapurense que pretende acabar com emissões portuárias até 2050

    Casas flutuantes em alta: conheça as mais luxuosas do mundo

    Inspire-se com cinco modelos das moradias sobre as águas que estão fazendo a cabeça dos milionários

    Com dois barcos de 19 pés, Ross Mariner mostra lançamento no Rio Boat Show 2024

    Boas opções de entrada, embarcações estarão no salão, de 28 de abril a 5 de maio, na Marina da Glória

    NÁUTICA Talks recebe Marina Bidoia, mais jovem velejadora a concluir a Refeno

    Velejadora realizou o trajeto Recife-Fernando de Noronha aos 24 anos, e vai levar experiência ao Rio Boat Show 2024

    Posto flutuante da rede Golfinho estará no Rio Boat Show 2024

    Loja de conveniência batizada de WayPoint também será apresentada de 28 de abril a 5 de maio, na Marina da Glória