Nova Victory 310 Ride é a primeira lancha de passeio da carioca Victory Yachts

08/03/2018

Nascido para fabricar barcos de pesca de alta qualidade, o estaleiro Victory Yachts, do Rio de Janeiro, lançou seu primeiro modelo em 2007, a lancha Victory 260 CC, que já chegou chegando e estimulou a construção de outros exemplares: uma cabinada do tipo walk around e outra de proa aberta, com dois consoles. De lá para cá, o estaleiro fabricou mais de 250 lanchas, entre 24,5 e 31 pés (7,46 e 9,34 m), quase todas para pescarias em mar aberto. Em meados de 2017, uma guinada, com o lançamento da primeira Victory de passeio, a 310 Ride, de 31 pés. É claro que, não fugindo à tradição do fabricante, esta cabinada tem um bom cockpit na popa. Isso significa que esta lancha pode muito bem ser usada para pescarias e mergulho, seja autônomo ou pesca subaquática.

Mas a sua verdadeira vocação são mesmo os pequenos cruzeiros com a família pelo litoral, com lugar para três ou quatro pessoas em pernoite e até 11 (mais o piloto) em passeios diurnos. A versão puramente dedicada aos pescadores, a Victory 305, é praticamente igual à Victory 310 Ride, exceto pela parte traseira da popa, inteiriça na 305, enquanto nesta 31 pés o espelho de popa se divide em dois, com entrada pelo centro e não pela lateral de boreste, o que diminui um pouco a área do cockpit. Além disso, as tampas (paneiros) dos paióis na plataforma de popa da versão pesqueira são estanques, o que não ocorre na 310 Ride. Nesta, embora alinhados com o piso, para facilitar a movimentação na plataforma, os paneiros não impedem que um pouco de água entre no porão. Mas isso não é um problema para quem não passa a maior parte a bordo navegando em mar aberto.

Um dos diferenciais das lanchas construídas pela Victory Yachts é o processo de laminação por infusão a vácuo, que deixa o casco mais forte, leve e resistente, junto com a injeção de espuma de poliuretano expandida de alta densidade e totalmente encapsulada, o que evita a absorção de água. Isso significa que as embarcações da Victory não afundam de jeito nenhum, mesmo alagadas. Outra característica das elegantes lanchas do estaleiro com sede no Rio de Janeiro é a motorização, apenas de popa, uma tendência mundial, mesmo em barcos de passeio. Na verdade, apenas uma Victory (a 245) até hoje foi construída com motorização de centro-rabeta a diesel. Com esses atributos, a Victory 310 Ride não tem concorrentes diretos no mercado brasileiro.

Você pode ver tudo sobre o modelo na edição do mês de Náutica, disponível nas principais bancas e livrarias do país, na loja online e, também, na versão digital.

 

Náutica Responde

Faça uma pergunta para a Náutica

    Relacionadas

    Fountaine Pajot leva catamarã de 16 metros ao Rio Boat Show 2024

    Aura 51 é o maior catamarã a vela sem flybridge do estaleiro francês e estará no evento náutico de 28 de abril a 5 de maio

    No NÁUTICA Talks, Elio Crapun palestra sobre revolução dos hidrofólios nas embarcações

    Velejador abordará detalhes sobre realidade e avanços de barcos que navegam sobre fólios durante o Rio Boat Show 2024

    Casarini Boats levará mistura de bote com jet ao Rio Boat Show 2024

    Embarcação inovadora será um dos destaques do evento que acontece de 28 de abril a 5 de maio, na Marina da Glória

    No NÁUTICA Talks, Paula Vianna mergulha nos desafios da fotografia subaquática

    Vencedora de concursos internacionais, fotógrafa é presença confirmada no Rio Boat Show 2024

    Série de NÁUTICA com família a bordo de barco centenário já tem data de estreia

    Com 10 episódios, “A Europa como você nunca viu” acompanhará um casal, uma criança e um cachorro pelos canais dos Países Baixos