Nova Victory 310 Ride é a primeira lancha de passeio da carioca Victory Yachts

08/03/2018

Nascido para fabricar barcos de pesca de alta qualidade, o estaleiro Victory Yachts, do Rio de Janeiro, lançou seu primeiro modelo em 2007, a lancha Victory 260 CC, que já chegou chegando e estimulou a construção de outros exemplares: uma cabinada do tipo walk around e outra de proa aberta, com dois consoles. De lá para cá, o estaleiro fabricou mais de 250 lanchas, entre 24,5 e 31 pés (7,46 e 9,34 m), quase todas para pescarias em mar aberto. Em meados de 2017, uma guinada, com o lançamento da primeira Victory de passeio, a 310 Ride, de 31 pés. É claro que, não fugindo à tradição do fabricante, esta cabinada tem um bom cockpit na popa. Isso significa que esta lancha pode muito bem ser usada para pescarias e mergulho, seja autônomo ou pesca subaquática.

Mas a sua verdadeira vocação são mesmo os pequenos cruzeiros com a família pelo litoral, com lugar para três ou quatro pessoas em pernoite e até 11 (mais o piloto) em passeios diurnos. A versão puramente dedicada aos pescadores, a Victory 305, é praticamente igual à Victory 310 Ride, exceto pela parte traseira da popa, inteiriça na 305, enquanto nesta 31 pés o espelho de popa se divide em dois, com entrada pelo centro e não pela lateral de boreste, o que diminui um pouco a área do cockpit. Além disso, as tampas (paneiros) dos paióis na plataforma de popa da versão pesqueira são estanques, o que não ocorre na 310 Ride. Nesta, embora alinhados com o piso, para facilitar a movimentação na plataforma, os paneiros não impedem que um pouco de água entre no porão. Mas isso não é um problema para quem não passa a maior parte a bordo navegando em mar aberto.

Um dos diferenciais das lanchas construídas pela Victory Yachts é o processo de laminação por infusão a vácuo, que deixa o casco mais forte, leve e resistente, junto com a injeção de espuma de poliuretano expandida de alta densidade e totalmente encapsulada, o que evita a absorção de água. Isso significa que as embarcações da Victory não afundam de jeito nenhum, mesmo alagadas. Outra característica das elegantes lanchas do estaleiro com sede no Rio de Janeiro é a motorização, apenas de popa, uma tendência mundial, mesmo em barcos de passeio. Na verdade, apenas uma Victory (a 245) até hoje foi construída com motorização de centro-rabeta a diesel. Com esses atributos, a Victory 310 Ride não tem concorrentes diretos no mercado brasileiro.

Você pode ver tudo sobre o modelo na edição do mês de Náutica, disponível nas principais bancas e livrarias do país, na loja online e, também, na versão digital.

 

Náutica Responde

Faça uma pergunta para a Náutica

    Relacionadas

    Homem nada mais de 100 metros sem respirar em lago congelado e quebra dois recordes

    Aos 52 anos, experiente nadador suíço acumula títulos e já deteve outro recorde mundial; confira

    Resorts 'no meio do nada' oferecem de natação com cavalos a plantio de recifes

    Ultraluxuosos, estabelecimentos cercados por belas águas buscam se diferenciar com passeios extravagantes; conheça 5 deles

    Búzios ganhará Centro de Desenvolvimento da Vela após parceria de ICAB e CBVela

    Parceria inédita prevê treinos das equipes jovem e principal, clínicas, uma escola de vela e projeto social para fomento do esporte na região

    Tubarão mais rápido dos oceanos é filmado no litoral de São Paulo; assista

    Conhecido como tubarão-mako, animal que pode atingir até 70 km/h foi flagrado próximo à Ilhabela

    Pinguim aparece em praia de Cabo Frio (RJ), surpreende banhistas e levanta dúvida: é normal?

    Apesar de ter sido visto navegando tranquilamente no mar transparente da região, presença do animal em águas brasileiras levantou questionamentos