Opinião: comprar um barco novo ou reformar o atual, qual é a melhor opção?

Por: Redação -
23/10/2020

*Por Keity Ciccacio

“Qual a melhor opção: comprar um barco novo ou reformar o atual? A resposta a essa pergunta frequente é: depende…

Acredito que essa tenha sido a pergunta que mais ouvi durante toda a minha carreira. E não existe uma resposta direta. Antes, é necessário avaliar alguns pontos, algumas variáveis.

Aparentemente, o investimento para a reforma de um barco é muito menor que o necessário para a compra de um novo. Sim, isso pode ser verdade. Por exemplo, ao investir R$ 500 mil na reforma de uma lancha de 50 pés você poderá ficar com uma embarcação renovada, com a vantagem de ser um barco que já tem uma história, com o qual mantém um relacionamento afetivo. Já para adquirir um barco zero do mesmo tamanho você gastará algo em torno de R$ 7 milhões (sem considerar seu usado como parte de pagamento).

Mas, cuidado: o refit (reforma do barco) pode ser muito atrativo, desde que bem programado. Caso contrário, pode virar uma dor de cabeça. O resultado pode ser desastroso em vários aspectos, a começar pelo financeiro.

Não é uma conta muito simples de se fazer. Primeiro, é preciso pegar o preço do barco zero (ou seminovo), já com todos os opcionais que se pretende ter a bordo. Em seguida, comparar o resultado com o valor do barco atual acrescido com todos os custos da reforma. A dificuldade está em avaliar previamente o custo desse refit. Muitas vezes só descobrimos certas necessidades do barco após o início da desmontagem.

Em uma reforma com orçamento menor, esse planejamento financeiro é mais fácil. Mas, lembre-se de que mesmo em um barco novo você terá que investir no enxoval completo, na decoração e em algumas adaptações. É importante ter em vista esses investimentos extras para que o comparativo seja feito corretamente, com todos os indicadores na ponta do lápis.

No caso de reforma, o primeiro ponto a se avaliar é: qual o pacote de benfeitorias que se encaixa no orçamento tido como ideal? Depois: as alterações contidas no orçamento da reforma serão suficientes para atingir o resultado esperado?

Em relação ao barco zero, é preciso definir o pacote de itens extras necessário para você sair navegando, e adicionar o valor ao preço do barco.

A opção por uma alternativa ou outra (reformar ou comprar novo?) depende também do tamanho do barco desejado, levando-se em conta variáveis como o prazo de entrega.

Quando você pretende usar um barco novo, dependendo da disponibilidade do estaleiro, o uso pode ser praticamente imediato. Já no caso da reforma, conforme o nível das melhorias, você terá que esperar alguns meses para voltar a navegar. O lado bom da história é que os gastos também são feitos aos poucos, na medida do bol­so de cada um, o que é uma ótima vantagem.

O mesmo vale para o barco zero construído sob encomenda. Ou seja, você não precisa do dinheiro todo; o fluxo de caixa acompanha o prazo da construção. Sim, nem sempre a entrega do barco novo é imediata. Em alguns casos, a demora é maior até que o prazo previsto para a reforma do barco atual.

Só isso? Não. É preciso também avaliar a questão da personalização do projeto. A maioria dos barcos novos tem uma limitação nesse ponto, embora, cada vez mais, os estaleiros ofereçam a opção de customização, principalmente para os barcos de maior porte. Já na reforma, o barco pode ficar do jeitinho que você quer. Se esse é um ponto importante para você, vale a pena pesquisar.

Em resumo, a melhor alternativa entre comprar um barco novo ou reformar o usado depende da personalidade do comprador, do dinheiro disponível para o investimento e do prazo que ele está disposto a esperar para poder usar o barco.

Há clientes que não abrem mão do barco zero, com garantia de entrega. Há os que priorizam a construção sob encomenda (com a possibilidade de personalizar o barco). Outros preferem investir no barco seminovo. E tem o cliente que busca um bom negócio. Como se vê, cada opção tem seus prós e contras”.

* KEITY CICCACIO é Especialista NÁUTICA em projetos para interior de embarcações e tem 20 anos de experiência, com mais de 80 projetos de retrofit executados por meio da sua empresa, a Step On Board Arquitetura.

Gostou desse artigo? Clique aqui para assinar o nosso serviço de envio de notícias por WhatsApp e receba mais conteúdos.

Náutica Responde

Faça uma pergunta para a Náutica

    Relacionadas

    Brasileira faz "dobradinha" em premiação da ONU de fotos marinhas

    A fotógrafa Andrea Marandino conquistou a 1ª e 2ª colocação em concurso mundial

    Robô submarino encontra lula com ovos gigantes no fundo do mar

    Cientistas acreditam tratar-se de nova espécie do animal, capaz de botar ovos com o dobro do tamanho comum

    Grand Ocean Boats leva lancha de 37 pés ao Marina Itajaí Boat Show 2024

    Estaleiro exibirá o modelo Grand Ocean 37 na segunda edição do evento náutico, que vai de 4 a 7 de julho

    De 4º maior lago do mundo a deserto: o que aconteceu com o Mar de Aral

    Má gestão de recursos naturais tornou o Mar de Aral um dos maiores desastres ambientais do mundo

    Destroços do último navio de Ernest Shackleton são encontrados no Canadá

    Quest, explorador polar de uma das figuras mais conhecidas da navegação, está no mar de Labrador, a cerca de 390 m de profundidade